TRF5 concede habeas corpus ao vereador Maracajá, preso desde 22/08


A terceira turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região decidiu nesta quinta-feira, 19, atender ao recurso interposto pela defesa de Renan Maracajá para conceder habeas corpus ao parlamentar de Campina Grande, que estava preso desde o dia 22 de agosto, por determinação da IV Vara da Justiça Federal.

Vereador mais votado do município logo em sua primeira candidatura, no ano de 2016, Renan foi indiciado pelo Ministério Público Federal como suposto integrante de uma organização criminosa apontada como responsável por fraudar licitações da merenda escolar em Campina Grande, segundo revelações da chamada “Operação Famintos”.

Desde sua prisão, Renan requereu duas licenças de curto período da Câmara de Vereadores, a primeira de quinze dias e a segunda, que está em curso, de mais quinze. Não há informações sobre se o parlamentar retornará aos trabalhos no legislativo municipal após o fim da segunda licença ou se vai renovar seu afastamento.

Renan Maracajá ainda não se pronunciou sobre as acusações que pesam sobre ele. A defesa, no entanto, assegura que o vereador é inocente. Segundo o MPF, Maracajá participava do núcleo empresarial da organização criminosa, operando por meio de laranjas, incluindo seu chefe de gabinete na CMCG, que também chegou a ser preso.

Nenhum comentário

.