Destaques

Reportagem especial: o triste caso da menina Izabel Cristina e o Monstro do Quarenta. Ouça
Casa onde ocorreu o crime*

Reportagem especial de Lenildo Ferreira na Campina FM contou a triste história da menina Izabel Cristina, vítima do "Monstro do Quarenta", em Campina Grande, um dos casos mais conhecidos da crônica policial da cidade, ocorrido em 1983. Com o testemunho do policial que prendeu o criminoso e a fala exclusiva da mãe da menina, a reportagem é um resgate histórico. Ouça na íntegra:



*Imagem que ilustra essa postagem: Reprodução Blog Retalhos Históricos de Campina Grande

Justiça manda Governo do Estado repassar recursos da saúde à PMCG. Dívida supera os R$ 10 milhões

Fonte: Codecom

Uma decisão da juíza da 3ª Vara de Fazenda Pública de Campina Grande, Adriana Barreto Lossio de Sousa, determinou que o Governo do Estado faça o repasse devido de recursos da Saúde para o município de Campina Grande, em atraso desde o ano de 2014. O dinheiro é para o custeio dos serviços da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e para o programa Farmácia Básica e estava sendo sonegado à população da cidade pelo Governo Ricardo Coutinho. No total, conforme a liminar concedida pela magistrada, mais de R$ 10 milhões já deixaram de ser repassados ao município.

A determinação judicial atende a uma ação de cobrança com obrigação de fazer, com pedido de tutela de urgência, elaborada pela Procuradoria Geral do Município (PGM), diante da omissão da gestão estadual em repassar os recursos. Com a decisão, o Estado fica forçado a cumprir com sua obrigação e repassar mensalmente R$ 76.236,46 para a Farmácia Básica; R$ 127.500,00 para o Samu e R$ 200.000,00 para a UPA.

Na ação proposta pela PGM, o procurador geral do município José Fernandes Mariz lembra que a falta de repasses do Governo do Estado coloca em risco toda a população de Campina Grande e de diversas cidades da Paraíba. “A omissão, por parte da Secretaria de Estado da Saúde, não só está provocando uma diminuição da qualidade e quantidade de atendimento à população campinense, mas sobretudo a permanecer a situação, está na iminência de ocorrer a descontinuidade dos serviços de saúde do Município, afetando milhares de pessoas. Campina Grande conta com 402.912 habitantes e com uma população flutuante que chega 800.000 pessoas, e que hoje atende a 179 municípios nos seus principais hospitais e diante da omissão ilegal do Estado da Paraíba”, declarou Mariz.

“Assim é assegurado como direito ao Município de Campina Grande de receber da União, de parte da receita corrente líquida do respectivo exercício financeiro, não podendo ser inferior a 15% (quinze por cento) para os recursos destinados à saúde, bem como do Estado da Paraíba repasses fixados no caso dos Estados e do Distrito Federal, com base no produto da arrecadação dos impostos a que se refere o art. 155 e dos recursos de que tratam os artigos. 157 e 159, inciso I, alínea a, e inciso II da CF, a fim de movimentar o complexo sistema de saúde, cujo valor mensal chega ao montante de R$ 403.736,46 (quatrocentos e três mil, setecentos e trinta e seis reais e quarenta e seis centavos), este em débito desde 2014, no tocante a contrapartida da Farmácia Básica, SAMU e UPA's 24h de Campina Grande”, ressaltou a juíza Adriana Lossio ao analisar o caso.

“Entretanto, desde março de 2014 vem o Governo de Estado se esquivando de fazer as contrapartidas necessárias para complementação dos valores que deve repassar ao Município de Campina Grande, vindo a comprometer a execução dos Programas Farmácia Básica (medicamentos e insumos) e Atenção Básica, além da Atenção às Urgências (SAMU e UPA), por se tratarem de programas de média e alta complexidade,  tudo de acordo com a Portaria 698/2006/GM de 30.03.2006, bem ainda aprovado pela Comissão de Intergestores bipartite Resolução 169/2011”, acrescentou  a magistrada.

Caso o Governo do Estado continue sem cumprir com os repasses, a Administração Estadual e o governador Ricardo Coutinho poderão ter que pagar multa diária pelo descumprimento. “Aplicação de multa diária e busca e apreensão, nos termos do artigo 536 do NCPC, fixada em R$ 10.000,00 (dez mil reais), ao dia limitada a R$ 1.000.000,00 para o Estado e R$ 1.000,00 ao dia para o Governador e Secretário de Saúde, limitada a R$ 30.000,00 mil reais”, relata a liminar.

"Sobre tempos e saudades" - Crônica da Semana no Jornal Integração, da Campina FM. Ouça

Eu ainda nem cheguei à chamada meia idade, e já me vejo tomado pelo saudosismo.

Eu sinto saudade do tempo em que tinha tempo para estar com os amigos. Rindo, tocando violão, jogando conversa fora, dividindo sonhos, expectativas e projetos.

Hoje, olho fotos antigas e lá eles estão. Mas, há quanto tempo não os vejo. A vida e a morte foram nos afastando. Tão jovens, alguns já partiram para a eternidade; outros, foram morar em cidades distantes; e ainda há alguns que, estando tão perto, estão tão longe.

Até parece – e é assim, de fato – que aquelas fotos são memórias de um tempo que não voltará mais. Nunca mais!
Eu sinto saudade de não ter tanto medo. Não precisar viver trancado dentro de casa, não precisar andar tão desconfiado na rua.

Como faz falta aquele tempo em que a gente ficava conversando até tarde com os vizinhos na porta de casa. Em que a rua era o lugar da molecada, jogando bola, rodando pião, soltando pipa, brincando de bila, de toca, de barra-bandeira, de esconder.

Sinto saudade até de quando o romper do ano era um evento emocionante pelo apagar das luzes; do São João com as ruas tomadas por fogueiras, fazendo os olhos arder; os adultos soltando bomba canoa, bomba bujão, e a molecada fazendo festa com ratinho, chuveirinho e bomba palito.

O balão voando lá no alto, e a gente com espelho na mão cantando “cai, cai, balão!”.

Sinto saudade de tomar Baré Cola com pé de moleque, bolo de sardinha, broa de milho, mariola e tareco. De parar em frente à TV para ver Ayrton Senna dando show nas pistas ou Os Trapalhões fazendo graça.

Saudade de um tempo em que as pessoas tinham vergonha, respeitavam e se davam ao respeito, e que comportamentos da vida privada ou preferências de quatro paredes não eram atos públicos a provocar e afrontar.

Como faz falta aquele tempo em que os mais novos tinham que respeitar os mais velhos; em que não se passava pela cabeça de ninguém que professores tentariam colocar caraminhola na cabeça das crianças; em que a gente voltava da escola andando, sozinhos, sem que o mal nos ameaçasse a cada esquina.

Sinto saudade das coisas e das pessoas, dos hábitos e dos costumes. Daquilo que nunca mais será como foi e daquilo que nunca mais será de jeito nenhum.

A saudade não diminui e quanto mais vivermos, mais saudades teremos. E um dia, incerto porém certeiro, a gente também haverá de virar saudade.

Ouça:

Mesmo com poucas contratações, comércio se mantem otimista para período do São João, afirma CDL

Da assessoria

A baixa geração de empregos tem preocupado os setores da economia produtiva em Campina Grande. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), do Ministério do Trabalho, a cidade fechou 237 vagas somente no mês de abril. Esses dados causam preocupação, pois contribuem para o aumento no número de desempregados e colabora para a fraca recuperação das vendas do varejo.

O varejo, por sinal, foi um dos setores que demitiu mais que contratou ao longo do último mês. Foram 253 contratações contra 267 demissões, gerando saldo negativo de 14 vagas de emprego fechadas e trazendo preocupação para os trabalhadores e lojistas.

Segundo o presidente da CDL, Artur Almeida (Bolinha), a perspectiva quanto a geração de empregos no varejo de Campina Grande não é nada animadora. Mesmo com o São João (considerado o segundo melhor período do ano em vendas no comércio, atrás apenas do Natal) se aproximando, o dirigente lojista acredita que poucas oportunidades serão lançadas para preencher as vagas temporárias que sempre apareciam em anos anteriores.

“Acredito que este ano não teremos muitas contratações para o período do São João. Haverá sim para as pessoas que quiserem trabalhar na própria festa como no Parque do Povo e em outros locais onde haverá alguma atração, mas no comércio de Campina Grande as contratações serão muito poucas”, relatou.

Mesmo assim, o setor se mantem otimista quanto ao aumento no volume de vendas durante o período das festas juninas. A estimativa da entidade é de que o varejo campinense apresente crescimento de 4% comparado ao mesmo período do ano passado. Os setores de vestuário, calçados, acessórios e alimentos são os que deverão lucrar mais com a temporada.

Vereadores aprovam projeto que transforma Lagoa de Dentro em novo bairro de Campina Grande

A localidade de Lagoa de Dentro, atualmente ligada ao distrito de São José da Mata, passará a ser um bairro da cidade de Campina Grande. O projeto de lei que define essa nova nomenclatura oficial, de autoria da vereadora Ivonete Ludgério (PSD), foi aprovado por unanimidade na sessão ordinária da última quinta-feira (11), na Câmara Municipal de Campina Grande.

A matéria segue agora para apreciação do Poder Executivo. Caso venha a ser sancionada pelo prefeito Romero Rodrigues (PSDB), Lagoa de Dentro passa a ser considerada oficialmente um bairro de Campina Grande. Para a vereadora autora da propositada, a criação do projeto e sua consequente aprovação foi o primeiro passo para essa conquista.

"Não tenho dúvidas que o nosso projeto será sancionado e transformado definitivamente em Lei, fazendo com que finalmente aquela comunidade passe a ter mais atenção do poder público municipal”, declarou Ivonete, lembrando que Lagoa de Dentro há muito tempo merecia receber esta nova nomenclatura, se emancipando da sua atual situação de comunidade pertencente ao distrito de São José da Mata.

Localizada às margens da BR-230, sentido Sertão e distante nove quilômetros do centro de Campina Grande, a comunidade de Lagoa de Dentro conta com uma população de aproximadamente quatro mil habitantes. A comunidade possui também um setor comercial próprio, um perímetro urbano composto de pequenas indústrias, de igrejas, de associações comunitárias, entre outros, o que lhe confere estrutura funcional como qualquer outro bairro da cidade.

Um fator importante que determina a identidade de Lagoa de Dentro como um bairro, ainda que extraoficialmente, é o fato do cotidiano populacional estar ligado à sede do município de Campina Grande em vários aspectos dos serviços públicos, como por exemplo, os serviços de transporte coletivo, de saúde, e das escolas da rede municipal e estadual de ensino.

Fonte: Assessoria

Vice-presidente vai propor sessão semanal noturna na Câmara Municipal de Campina Grande

O vereador Márcio Mello (PSDC), vice-presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, revelou, durante entrevista ao Jornal Integração, da Campina FM, nesta quinta-feira, 11, que vai propor que a casa legislativa realize uma sessão semanal durante o período noturno.

Segundo Márcio, a ideia é que a reunião no horário permita que aqueles cidadãos que desejam acompanhar as atividades dos vereadores, mas não podem comparecer à Câmara durante o dia porque trabalham, possam fazê-lo durante as sessões noturnas. A proposta do parlamentar, que exerce seu primeiro mandato, ainda não tem prazo para ser apresentada.

O primeiro-vice-presidente da Câmara Municipal também garantiu ser favorável à instalação do ponto eletrônico para controle da frequência dos vereadores. “O vereador foi eleito para trabalhar pelo povo e é de se esperar que ele compareça às sessões”, comentou Márcio. Apesar de a maioria dos parlamentares serem favoráveis ao recurso, até hoje o legislativo tem evitado implantar a tecnologia.

Polêmica da feira

Durante a entrevista, Márcio Mello voltou a desmentir peremptoriamente que tenha em algum momento defendido a retirada da feira central do seu espaço histórico. Segundo o vereador, ele apenas propôs ao prefeito Romero Rodrigues a instalação de um mercado modelo no Aluízio Campos. “Nosso desejo, pelo contrário, é que o governo consiga destravar os recursos para assegurar a reforma do mercado central”, disse.

Romero 2018

Sobre as eleições do ano que vem, o vice-presidente da Casa de Félix Araújo mostrou confiança na candidatura de Romero Rodrigues. “Creio que Romero é um nome que atende às expectativas da Paraíba. Campina Grande e região precisam voltar a ter um governador que olhe pela nossa terra, que tem sido muito perseguida pela gestão de Ricardo Coutinho”, comentou.

Para o vereador, é possível manter as oposições unidas, inclusive com a parceria entre o prefeito campinense e o de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PSD), outro nome cotado para a disputa pelo Palácio da Redenção. Para tanto, Márcio revelou contar com a atuação conciliadora do deputado federal Rômulo Gouveia, amigo e aliado de Romero e presidente estadual do partido de Cartaxo.

Vereador quer disciplinar presença de cães ferozes em pistas de caminhada e parques de Campina Grande

Da assessoria
Com edição

O vereador João Dantas (PSD) apresentou o Requerimento 820/2017, solicitando adoção de medidas por parte da Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer para coibir a permanência de cães de raças ferozes nas pistas de caminhada e áreas de prática de esporte e lazer em Campina Grande.

João Dantas justifica afirmando que há muitos anos a polêmica da criação de cães ferozes gera debates em nosso país. O maior problema, especificamente em Campina Grande, tem sido a permanência desses animais nas pistas de cooper e nas áreas de lazer. “No Açude Velho e na Avenida Juscelino Kubitschek, principais pistas de caminhada da cidade, é comum escutarmos reclamações das pessoas que vão àquelas localidades com o intuito de praticar exercícios físicos”, afirma.

“Em programas de rádio de nossa cidade houve reclamações das pessoas que fazem caminhada na Avenida Juscelino Kubitschek. O denunciante afirmou que o problema é que estes animais deixam muita gente com medo de caminhar pelo local, já que podem ser atacadas por um deles a qualquer momento”, concluiu Dantas.

André Gomes - Assessoria

Romero Rodrigues reage a críticas de Ricardo Coutinho: "Nunca apoiou o São João de Campina Grande"

Da assessoria

O prefeito Romero Rodrigues (PSDB) rebateu, em entrevistas nesta quinta-feira, 20, declarações do governador Ricardo Coutinho (PSB) com críticas ao Maior São João do Mundo 2017. De acordo com o governador, "cultura é cultura, não é só juntar gente". Para Romero, esse tipo de postura não surpreende mais o povo de Campina Grande, que tem pleno conhecimento da má vontade de Coutinho em relação à cidade. "Só acho que seria interessante que ele, em vez de criticar, apoiasse a maior festa popular da Paraíba e uma das maiores do Brasil", rebateu o prefeito.

Para Romero, para um governador que nos últimos 5,5 anos não assinou um só convênio com o Município, Ricardo Coutinho demonstra mais uma vez o desprezo com uma festa que é tratada com carinho pelo povo campinense. "Em 2016, no lugar de se ocupar em críticas, o governador de Pernambuco apoiou o São João de Caruarú com aporte de R$ 2,5 milhões. O ex-governador Eduardo Campos, do mesmo partido de Coutinho, chegou a investir R$ 5 milhões no evento daquela cidade que faz com Campina uma competição histórica saudável", registrou o prefeito de Campina Grande.

"Aqui, na Paraíba, a gente tem de conviver com esse tipo de situação, por parte de um governador que não ajuda, não apoia, mas ocupa o tempo em criticar, em desdenhar da cidade", desabafou Romero Rodrigues, lembrando a Ricardo Coutinho que o sucesso do Maior São João do Mundo, com um aquecimento na economia que chega a superar o período carnavalesco na cidade, reflete em recursos do ICMS que são distribuídos para o Estado e os municípios paraibanos.

Circuito e politicagem

Romero Rodrigues diz que ele e o povo de Campina Grande já estão "vacinados" contra as ilações e postura de desapreço do governador em relação à cidade, mas isso continuará a não fazer diferença na realização de sucesso do Maior São João do Mundo, até porque o êxito da festa nunca dependeu de um só gesto de apoio do atual governador.

"Muito pelo contrário. Em 2014, ano eleitoral, com a miopia típica dos que usam dinheiro público para fazer politicagem, Coutinho inventou um tal ´circuito do forró´ e tentou esvaziar o São João de Campina Grande. Não apenas teve insucesso, como deixou evidenciada sua disposição de sempre procurar comprometer nosso maior evento, que nunca se submeteu aos caprichos dos inimigos de Campina", ressaltou.

Por fim, Romero Rodrigues sugere ao governador que, no lugar de criticar e atacar o atual formato da festa, se disponha a apoiar o evento. "Por exemplo: ajude na contratação daqueles artistas que lamentavelmente ficaram de fora porque é simplesmente impossível para a empresa Aliança (responsável em 2017 pela gestão da festa) contemplar todo mundo na grade de programação. Seria ótimo esse reforço para a programação artística do Maior São João do Mundo", opina o prefeito.

Vereador leva à Câmara Municipal preocupação sobre perigos do “jogo” da Baleia Azul

O vereador Galego do Leite, líder da bancada de oposição na Câmara Municipal de Campina Grande, levou à tribuna da casa, nesta quarta-feira, 19, um tema que vem causando profunda preocupação entre pais em todo o Brasil, o chamado jogo da Baleia Azul. Trata-se de uma verdadeira armadilha virtual, que induz jovens a práticas como a mutilação do corpo e até mesmo o suicídio.

O assunto ganhou destaque no Brasil depois que a Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba divulgou um alerta direcionado a pais, profissionais de saúde e de educação e aos jovens sobre o jogo, que teria surgido na Rússia. O alerta aconteceu depois do registro de cinco tentativas de suicídio de adolescentes em uma única madrugada na capital do Pará.

“A Câmara Municipal, o Município, aos autoridades como um todo, os educadores, os pais e as famílias precisam receber esse alerta, porque essa tragédia chega de maneira silenciosa”, destacou o vereador, que lembra a importância de uma ampla divulgação do tema na mídia, como forma de chamar a atenção da população para o problema.

Para Galego do Leite, a preocupação é ainda maior porque atualmente os adolescentes possuem acesso facilitado à internet, inclusive através de celulares, muitas vezes longe da supervisão dos pais. “É preciso apelar a cada pai, a cada mãe, que converse com seu filho sobre esse jogo horrendo, e sobre os perigos em geral que a internet pode representar”, ressaltou o parlamentar.

Fisk, Cande, Seta, Telingra: Veja peças publicitárias veiculadas no Jornal da Paraíba no ano de 1973
Depois do acervo com peças publicitárias em jornais de Campina Grande no ano de 1972, o Blog traz, agora, uma nova seleção, desta vez com peças publicitárias de 1973, coletadas no acervo do Jornal da Paraíba. 

































Prefeitura executa corte de terra em Montadas e secretário garante que não haverá cobrança de combustível

A Prefeitura Municipal de Montadas, no Agreste da Paraíba, por intermédio da Secretaria de Agricultura, deu início ao programa do Corte de Terra para os produtores rurais do município desde o mês de março, logo nas primeiras chuvas do mês e já viabilizou quase 50% da área disponível.

Conforme o secretário de Agricultura, Ronaldo de Oliveira (Naldo Vereador), as máquinas seguirão um cronograma e os produtores rurais não terão que pagar o óleo diesel para serem beneficiados.

"O produtor pode ficar tranquilo, iremos cortar todas as terras sem distinção e o óleo diesel não será cobrado, como fazia a antiga gestão", alfinetou o secretário.

Segundo Naldo, para maiores informações, os produtores podem procurá-lo na Secretaria de Agricultura do Município ou na Prefeitura da cidade, como também o secretário adjunto, Edmilson Vieira.

"Temos seis tratores trabalhando, e outros devem ficar prontos nos próximos dias, se for necessário. O prefeito Jonas de Souza disse que é compromisso de sua gestão cortar as terras de todos os produtores, sem distinção", finalizou o secretário. O cadastramento respeitou um calendário pré-estabelecido.

(Com informações da Ascom)

Prefeito de Guarabira sobre Romero para 2018: “Nome forte e limpo, o que o povo paraibano quer”

O prefeito do município de Guarabira, Zenóbio Toscano (PSDB), apresentou um discurso semelhante ao do correligionário Romero Rodrigues, chefe do poder executivo em Campina Grande, no tocante à defesa de que os tucanos devem ter candidatura própria ao Governo do Estado nas eleições do ano que vem. “Eu entendo que um partido como o PSDB paraibano não pode deixar de ter um nome para disputar o governo e também uma vaga para o Senado”, disse, durante fala à Campina FM.

Sobre os nomes cotados para a corrida pelo Palácio da Redenção, Zenóbio elencou dois, o do senador Cássio Cunha Lima e o de Romero. A respeito de Cássio, o prefeito guarabirense avaliou que o parlamentar “tem uma participação muito efetiva na política nacional e está muito vigilante em relação aos pleitos da Paraíba”.

No tocante a Romero, Zenóbio acredita que o campinense tem o perfil que o eleitorado busca no atual instante de crise da política nacional. “É um nome muito forte, um nome limpo, e, nesse momento, ele tem aquilo que o povo brasileiro e o povo paraibano quer, que é exatamente um nome limpo, de uma pessoa que é um bom administrador, talvez mais administrador que político”, declarou.

O tucano de Guarabira ainda afirmou que outro ponto a favor de Romero Rodrigues seria o desempenho à frente do poder executivo na Rainha da Borborema, assim como a vitória avassaladora sobre o deputado federal peemedebista e ex-prefeito Veneziano Vital do Rêgo nas eleições de 2016. Para Zenóbio Toscano, o que falta a Romero é uma maior divulgação do seu nome por toda a Paraíba.

No Dia do Jornalista, categoria funda Associação em Campina Grande

Com o objetivo de fortalecer a categoria e valorizar os profissionais diplomados, jornalistas de Campina Grande e região se reúnem nesta sexta-feira (07) à noite, para fundar a Associação Regional dos Jornalistas Profissionais da Paraíba, que adotará a sigla Arjop/PB. O dia 07 de abril foi escolhido de forma proposital, por ser comemorado o Dia do Jornalista no Brasil.
.
A eleição e posse da mesa diretora acontecerá após a fundação da Arjop, às 19h, no auditório do Sindicato dos Bancários de Campina Grande, no Centro. Estarão presentes o presidente da OAB/CG, Jairo Oliveira, e o advogado Bruce Cordeiro, que serão os responsáveis por auditar e homologar o estatuto, além da formação do conselho deliberativo e da diretoria executiva da Associação Regional dos Jornalistas Profissionais da Paraíba.

Até o momento, apenas uma chapa foi formada para compor os cargos da primeira gestão da Arjop/PB. A chapa foi formada através de um consenso durante as reuniões que ocorreram para criação da associação.

A Arjop já começa suas atividades com mais de 50 profissionais associados e com estatuto criterioso. A principal regra para se filiar à associação é a exigência do diploma de jornalista.

Audiência pública discute crise na UEPB e vereadores cobram resposta do Estado

Da assessoria
.
Preocupada com a crise econômica enfrentada pela Universidade Estadual da Paraíba, a Câmara Municipal de Campina Grande, atendendo a propositura dos vereadores Alexandre do Sindicato, Márcio Melo e Renan Maracajá, realizou uma audiência pública para discutir o sucateamento e indicativo de greve da instituição. A audiência aconteceu no Plenário da Casa, na manhã dessa quarta-feira (05). Um documento com as reivindicações da UEPB e comunidade acadêmica, além das possíveis soluções para o impasse administrativo e financeiro, será encaminhado ao Governo do Estado.

O vereador Alexandre do Sindicato, um dos propositores da audiência, destacou a história da UEPB ao longo dos 30 anos de estadualização e firmou o compromisso da Casa com a instituição e com os que fazem parte dela. "A Casa se reúne para discutir e tem interesse em trazer soluções. Nós temos um compromisso com a UEPB e com a sua história. É impossível um país democrático ficar sem educação e vamos nos unir com os servidores e toda comunidade estudantil para não deixar a UEPB sozinha nessa luta", disse.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Ensino Superior da Paraíba da Universidade Estadual da Paraíba (Sintespb/UEPB), Fernando Borges, explicou o orçamento disponibilizado para UEPB e revelou os obstáculos impostos para realização de reuniões com o Governo do Estado. "Já protocolamos nesses seis anos vários pedidos de audiência com o Governo do Estado e não fomos atendidos em nenhum deles. Isso afeta a comunidade, os trabalhadores e todos os alunos", declarou.

Em explicação aos cortes orçamentários da UEPB, o reitor Rangel Júnior esclareceu as dificuldade em administrar a instituição sem ter acesso ao repasse financeiro por parte do governo estadual. "A UEPB é uma máquina enxuta e os números estão disponíveis no Portal da Transparência. A nossa única reivindicação é que a Lei Orçamentária Anual 2017 seja respeitada e haja a reposição financeira para termos os recursos dos custeios a partir desse repasse. A UEPB não é do governo, é da Paraíba e do povo", manifestou.

Ao final da audiência os presentes definiram que será elaborado um documento para enviar ao governador Ricardo Coutinho, Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados, senadores paraibanos e Ministério Público. O objetivo é mobilizar os órgãos responsáveis para manter a UEPB com sustentabilidade e qualidade suficiente  para preservar os serviços essenciais prestados e compromissos com a comunidade acadêmica, garantindo o repasse do orçamento anual.

Presenças

Para discussão do tema esteve presente o reitor da UEPB Antonio Guedes Rangel Júnior, representantes do Sintespb/UEPB, Associação dos Docentes da UEPB (ADUEPB), Centro de Ciências e Tecnologia da UEPB (CCT-UEPB), Pró-Reitorias da UEPB, Diretório Central dos Estudantes (DCE), Centro Acadêmico, Movimento Resiste UEPB, servidores e estudantes da UEPB, Levante Popular da Juventude, FIEP, vereadores da Casa de Félix Araújo e população campinense.

Conselho de Segurança de Campina Grande tenta há um ano audiência com secretário

O presidente do Conselho de Segurança Comunitária de Campina Grande, Anchieta Bernardino, revelou que há um ano o órgão tenta, sem sucesso, uma audiência com o secretário de Segurança Pública do Estado, Cláudio Lima. Em conversa com a reportagem da Campina FM, Anchieta explicou que, no período, três ofícios foram enviados e ignorados pelo gestor.

“Por que um conselho que trata da situação mais difícil que nós atravessamos, que é a insegurança, não é atendido?”, questionou. “Nós já pedimos a presença dele na reunião do conselho e, agora, estamos pedindo que ele marque no local da melhor conveniência para ele”, explica, lamentando a postura do secretário. “No mínimo, é um descompromisso e um desinteresse para com as atividades que são inerentes à pasta”, avalia.

Anchieta Bernardino lembrou que o Conselho de Segurança Comunitária de Campina Grande é um órgão formado por diversas entidades de classe, sem viés partidário, e fez questão de ressaltar a participação dos representantes dos órgãos de segurança da cidade. “Ainda bem que as entidades não se negam a participar, caso do CPR1, II BPM, Polícia Civil, Polícia Federal, todos participando, assim como a comunidade, que é representada por 29 entidades da sociedade civil”, disse.

Ele destacou, no entanto, que há diversos encaminhamentos que independem, no caso dos órgãos de segurança estaduais, do poder de decisão dos gestores locais, razão pela qual, dentre outros motivos, seria essencial existir um canal de diálogo diretamente com o secretário. Para Anchieta, a indiferença de Cláudio Lima revela um cenário mais amplo e grave. “O Governo do Estado abandonou, em termos de segurança, todo o estado”, concluiu.

.