Destaques

Campina FM promoverá rodada de entrevistas com os candidatos a prefeito de Campina Grande

A Campina FM definiu nesta quinta-feira, 25, durante reunião com representantes dos seis candidatos a prefeito da cidade, a ordem e as regras para uma rodada de entrevistas que terá início no próximo dia 30, terça-feira. Cada candidato terá um tempo de trinta minutos, dividido em dois blocos de quinze, no programa “Campina, Grande Notícia”, apresentado pelo jornalista Arimatea Souza. Um bloco será de temas gerais, sobretudo aspectos político-partidários, e outro de temas sorteados, conforme previamente definido.

A coligação “Pra mudar Campina”, do candidato Adriano Galdino (PSB), foi representada pelo advogado Moacir Amorim; o prefeitável David Lobão (PSOL) foi representado pelo advogado José de Araújo Pereira; a coligação “Por amor a Campina”, do candidato Romero Rodrigues, pelo advogado Diogo Lyra; a coligação “Campina pensando grande”, do prefeitável Veneziano Vital do Rêgo, pelo advogado Fábio Thoma; o candidato do PEN, Walter Brito Neto, se fez presente; e a coligação “Por Campina, por você”, de Artur Bolinha, teve como representante o economista Arlindo Almeida.

Além das entrevistas, a Campina FM promoverá um debate reunindo os quatro postulantes das coligações com mais de nove representantes na Câmara dos Deputados, em conformidade com a legislação em vigor: Adriano, Romero, Bolinha e Veneziano. O debate será no dia 16 de setembro, às 16 horas. A emissora ainda transmitirá uma rodada de debates promovida pela CDL, durante quatro terças-feiras, de meio-dia às 13h.

Veja como ficou a ordem das entrevistas:
30/08 – Adriano Galdino;
31/08 – David Lobão;
01/09 – Romero Rodrigues;
02/09 – Veneziano Vital do Rêgo;
08/09 – Artur Bolinha;
09/09 – Walter Brito Neto.

Veja íntegra da sentença que condenou prefeitável e partido a multa de R$ 10 mil por propaganda antecipada

Veja, abaixo, na íntegra, a sentença prolatada pela juíza Adriana Barreto Lóssio, condenando o candidato Adriano Galdino, da coligação "Pra mudar Campina", e seu partido, o PSB, ao pagamento de multa de R$ 10 mil por propaganda antecipada. Cabe recurso.

O MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL, com assento perante esta 72a Zona Eleitoral de Campina Grande, no uso de suas atribuições legais, apresentou REPRESENTAÇÃO ELEITORAL em desfavor do PSB - PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO, qualificado nos autos, devidamente representado pela Comissão Provisória presidida por Thompson Fernandes Mariz, bem como em desfavor de ADRIANO CÉZAR ARAÚJO GALDINO, na época pré-candidato à Prefeitura Municipal de Campina Grande pelo partido acima mencionado, sob alegação de que foram detectadas a existência de vários veículo contendo propaganda irregular em nome dos representados.



Esclarece o MP que nas propaganda irregulares constavam adesivos em veículos automotores espalhados pela cidade, contendo as iniciais do pré-candidato, bem omo o seu número, (agora candidato) com a seguinte mensagen:



"PSB a hora é Agora Campina" ;



No mesmo veículo foi colocado adesivo com o nome "CAMPINA GRANDE", sobressaindo-se as letras "A" e "G", exatamente as iniciais do segundo representado e, ainda, adesivo contendo sigla do partido, seguida do número 40 e com as cores características da agremiação "UMA NOVA FORMA DE GOVERNANR PSB 40" .



Observa que as fotos foram tiradas de veículos circulando em Campina Grande, nas Rua Desembargador Trindade, João Moura, Severino Cabral, Severino Cruz, Miguel Couto, estacionamento de condomínios residenciais, órgãos públicos e surpermercados.



Em face das irregularidades foram expedidas notificações aos representados para que retirassem a propaganda irregular, sendo apresentada defesa, informando não terem conhecimento prévio das mesmas, cujos adesivos que rodavam e rodam nos carros tinham o fito de fazer conhecer o candidato aos futuros eleitores, através da mensagem subliminar, em período ainda não autorizado pela legislação eleitoral, em franco caráter eleitoreiro da propaganda, mesmo não existindo pedido explícito de votos, mas a mensagem era evidente no sentido de influencia na formação da vontade do eleitor.



Ao final, requereu a procedência da representação para que em 48 horas os representados retirassem as propaganda irregulares, apresentassem defesa, bem como fossem condenados ao pagamento da multa correspondente ao disposto no art. 36, parágrfo 3o da Lei 9.504/97.



Acostou o procedimento de fls. 16 a 41.



Devidamente autuada a representação em 08.08.2016, foi determinado que os representados apresentassem defesa.



Após serem devidamente notificados, os representados apresentaram a resposta através da defesa de fls. 47/56, alegando, em sede de preliminar, a ilegitimidade para figurarem no polo passivo da representsação, além de ausência de ciência prévia da pretensa propaganda irregular. No mérito, que a conduta era atípica por não preencher os requisitos da propaganda extemporânea, eis que não fizeram pedido explícito de votos, caracterizando, no máximo, menção à pretensa candidatura, o que se faz permitido pela legislação, com a colocação de poucos adesivos, não caracterizando propaganda irregular, requerendo a improcedência da representação.



É o relatório. Decido.



II - DA FUNDAMENTAÇÃO.



DA PRELIMINAR



1. DA ILEGITIMIDADE DE PARTE



Aduzem os representados em suas defesas que são partes ilegítimas para figurarem no polo passivo da representação, ante a ausência de provas que tenham os adesivos sido confeccionados pelo partido, candidato ou coligação, mas que poderiam ter sido confeccionados pelos adversários políticos que forjaram os adesivos das propagandas a fim de aplicação de multas por parte da justiça eleitoral em seu desfavor.



A presente prefacial, não merece prosperar, uma vez que a responsabilidade pela propaganda eleitoral é do candidato, partido ou coligação, jamais de mero simpatizante de candidatura, ou mesmo inimigo político o qual com objetivo de prejudicar, uma vez que os adesivos seguiam a mesma padronagem de impressão e conteúdo, o que supõe terem sido produzidos todos no mesmo local.

Ademais, conforme preleciona o art. 241 do CÓDIGO ELEITORAL, toda propaganda eleitoral será realizada sob a responsabilidade dos partidos e por eles paga, imputando-lhes solidariedade nos excessos praticados pelos seus candidatos e adeptos, cuja solidariedade prevista neste artigo é restrita aos candidatos e aos respectivos partidos, não alcançando outros partidos, mesmo quando integrantes de uma mesma coligação, simpatizantes e adversários.



2. AUSÊNCIA DE CIÊNCIA PRÉVIA DA PRETENSA PROPAGANDA IRREGULAR



A presente preliminar será analisada com o julgamento do mérito, pois com o mesmo se confunde.



II - DO MÉRITO:



No caso em tela, analisa-se a circulação de vários veículos contendo adesivos com mensagens dissimuladas, que revelam conotação de propaganda eleitoral de campanha de pré-candidato a prefeito em período vedado.



Sabe-se que a propaganda política gênero, possui como espécies as propagandas partidárias, somente permitida no primeiro semestre de 2016. A propaganda intrapartidária, somente permitida de 20.07.16 a 05.08.16. A propaganda institucional, somente possível de ser veículada até de 02.07.2016 e a propaganda eleitoral, somente permitida a partir de 16.08.2016.



A legislação prevê, no tocante à propaganda eleitoral, termo inicial e final para a sua realização, com forma permitida e proibida, regras para a arrecadação de recursos para financiá-la, bem como o que ela deve conter e o que não pode conter.



Pode ser irregular, quanto ao tempo; quanto à forma; quanto à origem dos recursos e quanto ao seu conteúdo.



O objetivo da legislação eleitoral sempre é preservar, dentro do possível, a paridade de armas entre os candidatos. Por isso existe a preocupação no sentido de que todos comecem a fazer a propaganda eleitoral ao mesmo tempo. A previsão de data para o início da propaganda eleitoral também configura forma de limitar os gastos de campanha, porque quanto maior for o período de propaganda maior será a necessidade de recursos financeiros para financiá-la, o que somente privilegiará os postulantes e os partidos financeiramente mais abastados.



Quem realiza propaganda eleitoral antecipada, além de estar sujeito ao pagamento de multa, pode vir a cometer abuso do poder econômico, porque estará realizando despesas de campanha antes da expedição do CNPJ de campanha, antes da abertura de conta corrente específica e antes da época permitida para a arrecadação de recursos, ou mesmo abuso dos meios de comunicação social.



Coma mini reforma eleitoral trazida pela Lei 13.165/15 foi alterado o art. 36 da LE - 9504/97 no sentido de não configurar propaganda eleitoral antecipada, desde que não envolvam pedido explícito de voto, a menção à pretensa candidatura, a exaltação das qualidades pessoais dos pré-candidatos e os atos, que poderiam ter cobertura dos meios de comunicação social, inclusive via internet.



A participação de filiados a partidos políticos ou de pré-candidatos em entrevistas, programas, encontros ou debates no rádio, na televisão e na internet, inclusive com a exposição de plataformas e projetos políticos, observado pelas emissoras de rádio e de televisão o dever de conferir tratamento isonômico.



A realização de encontros, seminários ou congressos, em ambiente fechado e a expensas dos partidos políticos, para tratar da organização dos processos eleitorais, discussão de políticas públicas, planos de governo ou alianças partidárias visando às eleições, podendo tais atividades serem divulgadas pelos instrumentos de comunicação intrapartidária.



Visa a propaganda eleitoral a captação direta do voto do eleitor, esta não pode ser extemporânea, a fim de não desequilibrar o futuro pleito.



Há propaganda extemporânea subliminar ou invisível, quando ela é realizada, de forma implícita ou subjacente ao ato praticado.

Caracteriza-se a propaganda extemporânea subliminar ou invisível quando se leva ao conhecimento público, de forma dissimulada com uso de subterfúgios, candidatura própria ou de alguém, demonstrando de forma implícita, através de atos positivos do beneficiário ou negativo do opositor, que o beneficiário é o mais apto para assumir a função pública pleiteada.

A fim de se verificar a existência de propaganda eleitoral antecipada, especialmente em sua forma dissimulada, é necessário examinar todo o contexto em que se deram os fatos, não devendo ser observado tão somente o texto da mensagem, mas também outras circunstâncias, tais como imagens, fotografias, meios, número e alcance da divulgação.

Caracteriza propaganda eleitoral antecipada, ainda que de forma implícita, a veiculação de propaganda para promoção de filiado, notório pré-candidato, com conotação de eleitoral, que induza o eleitor à conclusão de que seria o mais apto para ocupar o cargo que pleiteia.

A configuração de propaganda eleitoral antecipada não depende exclusivamente da conjugação simultânea do trinômio candidato, pedido de voto e cargo pretendido, trata-se de um conjunto de circunstâncias.

Esta determinação legal tenta coibir o abuso do poder político, visando assegurar a igualdade de oportunidades entre candidatos e, por conseguinte, a normalidade, a lisura e a legitimidade dos pleitos eleitorais.



No caso em tela, os veículos foram adesivados contendo mensagens com o nome CAMPINA GRANDE, sobressaindo-se as letras `¿A e "G, exatamente com as iniciais do segundo representado, contendo o seu número de chapa 40.



E, ainda, adesivo contendo sigla do partido, seguida do número 40 e com as cores características da agremiação `UMA NOVA FORMA DE GOVERNAR PSB 40" , além de PSB a hora é Agora Campina" .



Claramente se observa a mensagem implícita, exaltando as iniciais do pré-candidato à época, eis que em 28.07.2016 foi instaurado procedimento eleitoral proparatório, sem que aqui se possa dizer que estava o partido e pré-candidato, agora candidato, enaltecendo as condições pessoais, pois a mensagem subliminar, no grifo das letras das iniciais do candidato são notórias, e os fatos públicos e notorios dispensam provas, porque foram muitos adesivos confeccionados, conforme as provas coligidas nos autos, encontrados nos mais diversos locais da cidade, desde ruas, avenidas, shoppings, supermercados.



Na sua defesa, os representados reconhecem a culpa pela propaganda subliminar, conforme alegação trazida na fl. 51 dos autos, ao informarem que os adesivos caracterizam, no máximo, menção a pretensa candidatura.



Não conseguiram comprovar que as mensagens nos adesivos foram feitas por concorrentes, com objetivo de prejudicar os mesmos, porque não há nada nenhuma prova nos autos que leve a este raciocício.



A inteligência do art. 37 da Lei nº 9.504/97 é de que não existe proibição de propaganda através de adesivos em carros particulares, em virtude de conotação individual e particular, que pode ser utilizada antes mesmo do período de campanha, se não houver indicação para o cargo ou referência direta à eleição.



Os adesivos afixados nos automóveis não fazem menção direta ao pleito, mas de forma indireta evidencidam as iniciais do candidato do PSB, na época pré-canditado, trazendo o nome do partido, exaltando o número do futuro candidato a cargo de prefeito.



Os adesivos fixados com as iniciais e número do pré-candidato à época, devem ser considerados como propaganda eleitoral antecipada, por criarem, subliminarmente, a ideia de que aquele candidato, vinculado ao apelido, é o mais apto à função pleiteada, ferindo o princípio da igualdade dos candidatos.



No tocante ao prévio conhecimento dos representados, ante ao excesso e circunstâncias peculiares do caso, conduzem a prova de que eram conhecidas pelos mesmos, até porque os adesivos ostentavam um padrão gráfico semelhante, no tocante a fonte, cor, grafia e conteúdo, foram intimados para remover as propagandas dos veículos, e não conseguiram fazê-lo, conforme docs. de fls. 17/37.



Ademais, os veículos circulantes na cidade eram vistos em datas diferentes, em diversos locais, não sendo um fato isolado, mas um fato dessiminado, o que demonstra a impossibilidade dos representados não terem conhecimento prévio das propagandas subliminares, inteligência do art. 40-B, parágrafo único da Lei 9.504/07.



E a esse resepeito, sobressaem-se os arestos abaixo:



RECURSO ELEITORAL ORDINÁRIO. REPRESENTAÇÃO POR PROPAGANDA ELEITORAL EXTEMPORÂNEA MEDIANTE ADESIVOS EM VEÍCULOS. PRELIMINAR DE ILEGITIMIDADE DE PARTE DE MERO SIMPATIZANTE DE CANDIDATURA. ACOLHIMENTO. PROPAGANDA NÃO PROIBIDA POR LEI. PROVIMENTO DO RECURSO. 1. A responsabilidade pela propaganda eleitoral é do candidato, partido ou coligação, jamais de mero simpatizante de candidatura, o qual não por não poder figurar no pólo passivo da relação processual, deve ser excluído. 2. A inteligência do art. 37, da Lei nº 9.504/97, é que não existe proibição de propaganda através de adesivos em carros particulares, em virtude de denotação individual e particular, que pode ser utilizada antes mesmo do período de campanha, se não houver indicação para o cargo ou referência direta à eleição. Recurso provido. (TRE-PA - RE: 1859 PA, Relator: RÔMULO JOSÉ FERREIRA NUNES, Data de Julgamento: 21/10/2004, Data de Publicação: SESSAO - Publicado em Sessão, Volume 11h, Data 21/10/2004)



RECURSO ELEITORAL - REPRESENTAÇÃO. PROPAGANDA ELEITORAL EXTEMPORÂNEA. ADESIVOS. AFIXAÇÃO EM VEÍCULOS. APELO MANIFESTO AO ELEITOR. CONFIGURAÇÃO. MULTA. MÍNIMO LEGAL. SENTENÇA MANTIDA. IMPROVIMENTO DO APELO. 1. "A configuração da propaganda eleitoral antecipada não depende exclusivamente da conjugação simultânea do trinômio candidato, pedido de voto e cargo pretendido". (Precedente: TSE, Recurso em representação nº 189711, Acórdão de 05/04/2011, Relator Min. Joelson Costa Dias, Publicação: DJE 16/05/2011, Pág. 52-53). 2. Na espécie, ocorreu a divulgação de adesivo em diversos veículos contendo mensagem que revela conotação de campanha, sendo forçoso reconhecer o caráter eleitoreiro a configurar propaganda antecipada. 3. Com efeito, realizada a propaganda eleitoral, em período vedado pela legislação de regência, impõe-se a aplicação da multa disposta na norma escrita do art. 36, § 3º, da Lei nº 9.504/97. 4. Manutenção da sentença. 5. Recurso desprovido. (grifos acrescidos)

(TRE-CE - 30: 2661 CE, Relator: RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS, Data de Julgamento: 27/11/2012, Data de Publicação: DJE - Diário de Justiça Eletrônico, Tomo 255, Data 3/12/2012, Página 11/12)

PROPAGANDA ELEITORAL - EXTEMPORANEIDADE - ADESIVO COM APELIDO DO CANDIDATO

RECURSO ELEITORAL. PROPAGANDA ELEITORAL EXTEMPORÂNEA. ADESIVOS COM APELIDO. LEGITIMIDADE. PROPAGANDA SUBLIMINAR DE CUNHO ELEITOREIRO. CANDIDATO À REELEIÇÃO. VALOR DA MULTA. REDUÇÃO. PROVIMENTO PARCIAL DO RECURSO.1. Segundo a jurisprudência do E. Tribunal Superior Eleitoral caracteriza propaganda eleitoral antecipada qualquer manifestação que, previamente aos três meses anteriores ao pleito e fora das exceções previstas no artigo 36-A da Lei n° 9.504/97, leve ao conhecimento geral, ainda que de forma dissimulada, a candidatura, mesmo que somente postulada, a ação política que se pretende desenvolver ou as razões que levem a inferir que o beneficiário seja o mais apto para a função pública. 2. Em se tratando de propaganda extemporânea, a legitimidade passiva é configurada pelo conhecimento prévio do ato, por parte do candidato.3. Os adesivos fixados, com o apelido do candidato, devem ser considerados como propaganda eleitoral antecipada, por criarem, subliminarmente, a ideia de que aquele candidato, vinculado ao apelido, é o mais apto à função pleiteada.4. O fato de a candidata ser pessoa pública e influente no município fortalece a caracterização de propaganda extemporânea.5. Tendo em vista os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, reduz-se o valor da multa aplicada para R$ 5.000,00 (cinco mil reais). 6. Recurso a que se dá parcial provimento.

(TRE-MT, Processo nº 2358, Classe RE. Acórdão nº 21398, de 15/08/2012, Relator Doutor Francisco Alexandre Ferreira Mendes Neto, publicado no DJE/TRE-MT de 23/08/2012).

Ex positis, rejeito a preliminar de ilegitimidade dos representados para atuarem no polo passivo. Considerando a não remoção das propagandas eleitorais extemporâneas subliminares nas 48 horas após a notificação, extingo o feito com resolução do mérito, para julgar procedente o pedido e condenar os representados, ADRIANO CÉZAR ARAÚJO GALDINO E PSB - PARTIDO SOCIALISTA BRASILEIRO ao pagamento de multa eleitoral fixada em R$ 10.000,00 (dez mil reais) para cada um, ante a proporção dos veículos, bem como a circulação dos mesmos em diferentes locais de maneira a dissiminar antecipadamente a mensagem subliminar contendo propaganda eleitoral antecipada, com fulcro no art. 36, parágrafo 30 da Lei 9.504/97.

P.R.I.C.

CAMPINA GRANDE, 23.08.2016.

ADRIANA BARRETO LOSSIO DE SOUZA

JUÍZA DE DIREITO ELEITORAL

Romero visita AeC e recebe acolhida calorosa dos funcionários da empresa

Fonte: assessoria

O prefeito Romero Rodrigues, candidato à reeleição pela Coligação Por Amor à Campina (PSDB, PP, PSD, PRB, PMN, PSC, PTB, PSDC, PMB, PTC, PPL e PHS), reservou boa parte da agenda da manhã desta quarta-feira, 24, para fazer uma visita informal à AeC, empresa de Call Center instalada no bairro do Cruzeiro, no prédio do ex-Forrock.

Recebido por membros da gerência da AeC, Romero teve oportunidade de cumprimentar centenas de funcionários da unidade e receber efusivos votos de sucesso na campanha, durante sua rápida passagem pela empresa – que dispõe no seu quadro de 6,4 mil funcionários, nos três turnos de trabalho.

Durante a visita, Romero Rodrigues agradeceu a acolhida da empresa e disse estar muito feliz porque, em sua gestão, sempre priorizou a política de fortalecimento de geração de empregos, como foi o caso da própria AeC, que no final do ano passado emplacou a contratação de 1,2 mil pessoas de uma só vez, com apoio direto da Prefeitura.

Foram muitos os depoimentos colhidos pelo prefeito e candidato à reeleição. Uma das atendentes de telemarketing, Sabrina Cardoso Castanha, emocionou Romero Rodrigues ao justificar a escolha dele entre os concorrentes à Prefeitura este ano. “Você se credenciou pelo trabalho que fez e vem fazendo, em toda a Campina Grande, Romero”, declarou, ressaltando ainda o estilo simples, direto e sem maiores formalidades do candidato tucano no exercício do mandato.

Bolinha faz corpo a corpo no Centro da cidade e apresenta propostas à população

Fonte: assessoria

Em mais um dia de agenda cheia nesta corrida eleitoral, o candidato a prefeito Artur Bolinha (PPS), da coligação Por Campina, por você, voltou a fazer caminhada no centro de Campina Grande. Acompanhado de candidatos a vereador pela coligação, Bolinha foi bem recebido no corpo a corpo com os eleitores em algumas das principais ruas da área central.

Bolinha conversou com comerciantes e falou com alegria e entusiasmo de seus grandes projetos para beneficiar o povo e o comércio campinense.

A campanha de Bolinha é a que mais cresce em Campina. Ele tem intensificado o corpo a corpo com os eleitores para que as suas propostas sejam conhecidas e para fazer com que cada vez mais pessoas tenham coragem para mudar.

“O contato com a população permite você poder ouvir o povo, suas aspirações, desejos e sonhos só enriquecem o debate e nos prepara ainda mais para os grandes desafios que Campina Grande terá pela frente”.

A agenda do candidato segue intensa nesta quarta-feira (24). Pela manhã, Bolinha visita algumas empresas do Distrito Industrial para conversar e apresentar vinte e três das suas propostas para a cidade. A tarde, ele participa de uma passeata no bairro da Liberdade. Já no turno da noite, Bolinha deve se reunir com lideranças.

Cidadania, inovação e desenvolvimento são os pilares do projeto administrativo de Adriano

Fonte: Assessoria

O candidato a prefeito de Campina Grande pela coligação “Pra Mudar Campina”, Adriano Galdino (PSB), apresentou os três pilares de sustentação do programa de governo para administrar a Rainha da Borborema. Segundo ele, além de desburocratizar a gestão municipal, a nova estrutura também servirá de base para criação de um governo eficiente e popular.

“A divisão das ações e serviços nesses três eixos distintos irá facilitar a construção de uma gestão mais dinâmica, lembrando sempre que o nosso principal objetivo é aproximar esse projeto das pessoas. Precisamos quebrar essa lógica de fazer política só para grupos. Por isso, a descentralização das atividades dará agilidade ao processo e irá e solucionar as necessidades da população campinense de forma mais rápida”, assegurou Adriano.

A “Cidadania” está no eixo que dará suporte as ações nas áreas de educação, saúde e garantia dos direitos constitucionais. Esse pilar será responsável pela humanização da administração pública, desenvolvendo ações voltadas para execução dos serviços básicos e da melhoria da qualidade de vida.

Já o tópico “Cidade Inteligente” será fundamentado para preparar o município para absorver as novidades do mercado, através de inovações tecnológicas que estão sendo implantadas no Brasil e o mundo. Nesse campo, as políticas públicas irão estimular a participação de universitários, técnicos e cientistas campinenses, no crescimento criativo e sustentável da cidade. O incentivo às empresas de tecnologia, estimulando a criação de novas ideias e a captação de mão de obra qualificada, também fazem parte do programa.

O último pilar é baseado no “Ciclo de Desenvolvimento Econômico”. A meta desse segmento é recolocar Campina Grande entre as cidades mais importantes do Nordeste e do Brasil. A gestão municipal irá criar benefícios e atrativos para incentivar grupos já consolidados, além de proporcionar a geração de novas empresas, produtivas, fortes e geradoras de emprego.

“A nossa cidade tem um histórico nacional e internacional de referência e inovação, mas as últimas gestões não tiveram a capacidade de manter o município nesse patamar. Nós só conseguiremos retomar o crescimento com muito trabalho, novas obras, benefícios e mais serviços voltados para todos os setores da sociedade. Isso só é possível se durante esse processo de transformação política e social, nós pudermos contar com a ajuda do nosso povo.  E eu acredito que eles estarão ao nosso lado”, finalizou Adriano.

Veneziano critica aumento de tarifas de ônibus na gestão atual e garante implantar o VLT em Campina

Fonte: assessoria

Antes de iniciar mais uma caminhada pelas ruas do Monte Santo, na tarde desta terça-feira (23), o candidato a prefeito de Campina Grande pela Coligação “Campina Pensando Grande”, Veneziano Vital do Rêgo (PMDB), criticou aumentos nas tarifas de ônibus em Campina Grande, praticados pela gestão atual, e assumiu o compromisso de implantar o Veículo Leve Sobre Trilhos – VLT, conhecido como Metrô de Superfície.

“A atual gestão aumentou três vezes o preço da tarifa de transportes em um período de um ano. Foram aumentos suficientemente superiores ao índice inflacionário. Qual o comprometimento dessa gestão com os estudantes? Indagou Veneziano, garantindo que em 2017 irá implantar o VLT.

Ele lembrou que sua gestão construiu o Terminal de Integração de Passageiros e não permitiu qualquer reajuste na tarifa de transporte coletivo acima da inflação.

“Eu carrego comigo um histórico de obras, de quem sempre respeitou as pessoas que dependem dos transportes coletivos, através do Sistema Integrado, da bilhetagem única e na melhoria das vias públicas, enquanto o atual gestor falta com a verdade, pois aumentou a passagem de ônibus três vezes em apenas um ano, após ter prometido, numa entrevista veiculada em toda a imprensa campinense, que até o final do ano não aumentaria mais a tarifa”, afirmou.

Veneziano lamentou a postura da gestão tucana em abandonar a atenção básica, acabar os centros de especialidades odontológicas, além de fechar as 9 cozinhas comunitárias e os restaurantes populares, prejudicando sete mil pessoas. “Eu não creio que Campina deseja que isso continue. Eu ando por Campina sabendo o que de bom fiz pelos campinenses”.

Ele lembrou que, quando assumiu o governo, em 2005, haviam apenas 34 equipes do Programa de Saúde da Família em Campina Grande. E em oito anos, conseguiu elevar esse número para 94 equipes. Ou seja, triplicou a quantidade de PSFs na cidade. “A nossa meta, agora, é garantir a cobertura de 100% de PSFs, na próxima gestão”.

Com a autoridade de quem fez mais de 3 mil obras, ele também afirmou que está muito mais preparado para governar os destinos da cidade, pelo fato de ter passado oito anos à frente da Prefeitura e pelo conhecimento que adquiriu pelas demandas da sociedade ao longo desse tempo. “Por onde passo na cidade, tenho ouvido elogios à nossa administração e insatisfações diante da péssima administração atual”, disse.

Veneziano registra candidatura e propõe discutir "o que é de relevante para a cidade”

Da assessoria

O candidato da Coligação “É Campina Pensando Grande”, Veneziano Vital do Rego (PMDB) registrou ontem (10) sua candidatura junto à Justiça eleitoral. Na oportunidade, ele disse que está feliz em poder participar dessa campanha municipal em Campina Grande e que sua postulação atende um anseio do povo campinense que aguarda a retomada do desenvolvimento da cidade.

Veneziano disse que já cumpriu suas obrigações legais e agora aguarda o deferimento de sua candidatura para que no período permitido possa iniciar sua campanha. “Nosso propósito será continuar discutindo aquilo que é de relevante para nossa cidade”, disse o peemedebista.

Ele também ressaltou que pretende fazer uma campanha mantendo o nível, respeitando os postulantes. “De minha parte e dos que compõem nossa coligação, tenho certeza que haveremos de ser propositivos”, disse.

Coligação de Romero Rodrigues foi a primeira a pedir registro no TRE

Da assessoria

Ao formalizar junto à Justiça Eleitoral, por volta das 17h desta quarta-feira, 10, o prefeito Romero Rodrigues (PSDB) foi o primeiro postulante à Prefeitura de Campina Grande a ter o nome registrado, oficialmente,  para as eleições de outubro deste ano, pela Coligação “Por Amor a Campina”.

Romero Rodrigues foi representado no ato de registro pelo Secretário do PSDB municipal, José Marques Filho. Em nome do candidato a vice-prefeito, Enivaldo Ribeiro,  Marcos Ribeiro, dirigente do PP, também assinou o protocolo.

Acompanharam os dirigentes partidários o advogado da Coligação "Por Amor a Campina", Diego Vieira, e o contador Sérgio Farias.

Logo em seguida, a coligação proporcional “Por Amor a Campina I”, que apoia Romero, também oficializou seu registro junto à Justiça Eleitoral com os partidos PSDB, PP, PSD e PHS.

Tão logo foi efetuado o registro, foi lançado no sistema do Tribunal Superior Eleitoral. O registro de candidatura de Romero, como pioneiro nesta quarta, serviu para a aula padrão de um grupo de serventuários da Justiça que irá trabalhar neste período de campanha.

Artur Bolinha registra candidatura a prefeito de Campina Grande e fala em "basta a revezamento político"

Da assessoria

O candidato a prefeito de Campina Grande, Artur Bolinha (PPS) registrou a coligação “Por Campina, por você”, em ato no Tribunal Regional Eleitoral, no final da tarde desta quarta-feira, 10. Junto à candidatura majoritária, foi protocolada a primeira versão do plano de governo da coligação, com os principais eixos de atuação e as ações planejadas para sua gestão.

Acompanhado pelo candidato a vice-prefeito Dr. Jairo Sales (PPS), o ato também foi prestigiado pelo presidente municipal do PPS, Laerte Mello e pelo presidente municipal do PV, Professor Washington Pessoa, além de lideranças da coligação (PPS e PV).

Ao apresentar a candidatura, Bolinha garantiu uma campanha tranquila, construtiva e respeitosa. “Nossa campanha vai mostrar aos campinenses que é preciso dar um basta nesse revezamento de políticos profissionais que administram a cidade há quarenta anos. Pretendemos fazer com que os eleitores compreendam que é possível fazer gestão com o compromisso de governar para toda a cidade. Acreditamos que a mudança é possível e queremos fazer parte dela”, afirmou.

Ao falar sobre o plano de governo, coordenado por Arlindo Almeida, o candidato explicou que ele ainda será complementado durante a campanha, com uma construção coletiva com a população e entidades. “O nosso plano de governo irá ajudar a garantir uma vida melhor para as pessoas e ao mesmo tempo trará o desenvolvimento socioeconômico de volta para Campina Grande”, enfatizou.

Os nomes de Artur Bolinha e do Dr. Jairo Sales para a disputa das eleições municipais foram escolhidos durante a convenção do PPS, que aconteceu na última sexta-feira, dia 05, no SESC Centro.

PTN de Campina Grande homologa 35 candidaturas a vereador. Partido vai sair sozinho

A direção do Partido Trabalhista Nacional (PTN) em Campina Grande registrou junto à Justiça Eleitoral a ata da convenção da legenda que homologou as candidaturas de 35 filiados para a disputa de cadeiras na Câmara Municipal de Campina Grande. A convenção do PTN aconteceu na última sexta-feira, 05, e, conforme havia sido previamente anunciado, o partido sairá sozinho na proporcional, sem compor coligações, confirmando acordo firmado com seus integrantes. Na majoritária, a sigla apoiará a candidatura do deputado federal Veneziano Vital do Rêgo (PMDB).

O vereador Galego do Leite, presidente da comissão provisória municipal e candidato à reeleição, fez questão de ressaltar o apoio que recebeu do presidente do PTN na Paraíba, deputado estadual Janduhy Carneiro, para o projeto das eleições de outubro. “Nosso presidente nos deu todas as garantias de que teríamos liberdade para montar o partido e definir os rumos para as eleições. Foi com essa tranqüilidade e esse compromisso que trabalhamos para compor uma legenda forte, que garantirá uma importante representação na Casa de Félix Araújo, e haveremos de retribuir esse apoio do nosso presidente”, comentou Galego.

Veja, abaixo, a relação dos candidatos a vereador pelo PTN:

Joseildo Alves dos Santos (Galego do Leite)

Valberto Firmino de Oliveira (Beto da Geladeira)

René dos Santos Rodrigues (René da Farmácia)

Cleber Ferreira Costa (Cleber Ferreira)

Francisco de Assis Falcão Almeida (Chico Falcão)

Robson Oliveira Silva (Tampinha da Bagagem)

Jonas da Silva Lima (Jonas Lima)

Crisvaldo Barbosa de Lima (Pica-Pau do Espeto)

Dayvinson André de Araújo Alves (Dayvinson Cabeça)

Kaique Henrique Sousa Silva (Kaique Henrique)

Nady Jackson Lima Luna (Professor Jackson)

Denílson Caetano de Sousa (Bebê)

Carlos Alexandre Felisberto de Caldas Aguiar (Alexandre do Gás)

Osimar da Silva (Mazinho Silva)

Walkécio Araújo Albuquerque (Walkécio Sport)

José Herculano de Oliveira (Herculano da Capoeira)

Vivaldo do Nascimento Coelho (Val Pilar)

Marcônio Cavalcanti Brandão Filho (Marcônio Brandão do Bananal)

Silderlano Capim (Guri da Barraca)

Erisberto Andrade Vasconcelos Júnior (Júnior Brasil)

Marcílio Araújo de Lucena (Professor Marcílio)

Wilton Maia Velez (Wilton Maia Vélez)

Valdeny Nunes Bernardino (Sargento Bernardino)

Bruno Marques Elias (Bruno Marques)

Delton Gley Pereira de Farias (Delton Farias)

Melânia Maria de Sousa Almeida (Morena Melânia)

Ramonita Costa Rodrigues (Ramonita)

Maria do Socorro dos Santos Pequeno (Socorro Pequeno)

Dalvani Soares de Sousa (Dalva Enfermeira)

Juliana Rebeca Alves Nóbrega (Rebeca Nóbrega)

Débora Ponciano da Silva (Débora Artesã)

Verônica Marques da Silva (Verônica Marques)

Luzineide Queiroz de Medeiros (Neide do Detran)

Maria de Fátima Melo Silva (Dona Fátima da Vila Cabral)

Rita de Cássia Henriques da Silva (Cássia Henriques)

Fonte: assessoria

Delegado afirma se sentir seguro em Campina e avalia que houve “pequeno aumento da violência”

Durante entrevista ao Jornal Integração da Campina FM, o delegado seccional de Campina Grande, Iasley Almeida, afirmou que se sente seguro nas ruas da cidade. “Moro aqui há alguns anos e sempre me senti muito bem e seguro em Campina Grande, até porque eu freqüento outras cidades da Paraíba e outros estados e realmente me sinto seguro em Campina Grande. Mas, isso não significa dizer que nós, cidadãos, estamos protegidos de uma possível e eventual ação criminosa”, afirmou Iasley.

O delegado reconhece que há um aumento na criminalidade, mas considera ser de dimensões menores. “Campina Grande realmente está vivenciando um momento de turbulência. Isso já é sentido e exige uma ação das polícias e dos órgãos operativos da segurança pública do Estado, a fim de frear esse pequeno aumento da violência, que é sentido principalmente por nós, cidadãos”.

Para Iasley, é necessário o engajamento de toda a sociedade na luta contra o crime. “Esse não é o momento só de etiquetar, criticar. É o momento de unir forças, mostrar que a sociedade civil organizada, juntamente com os órgãos operativos de segurança pública, são o mecanismo necessário para dar uma resposta imediata e dura para os criminosos”, ponderou.

O delegado seccional destacou, ainda, o trabalho que vem sendo realizado pela Polícia Civil, ressaltando o elevado aumento no número de prisões. “Esse trabalho é representado através de diversas operações policiais, cotidianamente executadas, bem como o aumento de prisões. Para se ter uma idéia, no estudo comparativo entre a quantidade de prisões realizadas pela PC na cidade no primeiro semestre de 2016, há um aumento de 92% em relação ao mesmo período de 2015, demonstrando que o trabalho exercido pela Polícia Civil, no tocante à elucidação e repressão de crimes, está sendo feito”, complementou.

Para ouvir a entrevista na íntegra, clique AQUI.

Vice e vaga de vereador podem suscitar quarta geração da família Ribeiro na política

O PP de Campina Grande é atualmente o partido mais cobiçado pelos três candidatos dos principais grupos políticos que devem se confrontar na disputa pelo comando do executivo municipal. Dividido internamente, como ocorre há tempos, o núcleo familiar pepista terá a próxima semana para decidir seus rumos, ou seja, se apoia Romero Rodrigues (PSDB), Veneziano Vital do Rêgo (PMDB) ou Adriano Galdino (PSB).

Do que transparece, a deputada estadual Daniella Ribeiro, que não conseguiu emplacar uma nova candidatura, preferiria fechar uma aliança com o peemedebista. A parlamentar fez as pazes com Veneziano e, além disso, teria completa indisposição até para conversar com Romero. O ex-prefeito Enivaldo Ribeiro, por outro lado, torceria o nariz para essa reaproximação (em termos políticos) e preferiria o atual prefeito, inclusive com disposição para ser o vice.

A decisão deverá sair de uma reunião do triunvirato pepista, que é completado pelo deputado federal Aguinaldo Ribeiro. O certo, porém, é que Daniella não revela interesse em ser vice de ninguém, mesmo com a possibilidade de virar prefeita antes da metade do mandato pela renúncia do titular para a disputa das eleições 2018.

Outra coisa certa, também, é que a decisão do PP deverá confirmar dois pontos. Primeiro, a sigla fica com a vice; segundo, a candidatura de Lucas Ribeiro, filho da deputada, a vereador, terá que ser acomodada em uma coligação viável (para ele). Tendo em vista que Daniella não quer a vice e que a família seria contra a indicação do patrono Enivaldo, resta saber se a parlamentar emplacaria a filha, Marcela, no cargo.

Seria a assunção da quarta geração da família – contando-se a partir do deputado Aguinaldo Veloso Borges, sogro de Enivaldo.

Laudos atestam qualidade da água de Boqueirão, garante gerente regional da Cagepa

O gerente regional da Cagepa, Ronaldo Meneses, concedeu entrevista ao Jornal Integração da Campina FM nesta quarta-feira, quando explicou as mudanças no sistema de racionamento e as intercorrências da primeira semana. Segundo ele, outras alterações ocorrerão quase que permanentemente para assegurar a manutenção do sistema, que é complexo.

Respondendo a ouvintes, ele esclareceu por que a Cagepa simplesmente não ampliou o período de racionamento. Conforme Ronaldo, o sistema de rodízio por zona foi adotado porque a capacidade de retirada de água diariamente de Boqueirão não teria como atender a toda a região ao mesmo tempo.

Ronaldo também desmentiu os boatos sobre uma suposta contaminação das águas do Epitácio Pessoa, afirmando que o acompanhamento obedece a parâmetros estabelecidos por órgãos federais, sendo coletadas amostras semanalmente. Meneses assegurou que fatores como cianobactérias e metais pesados estão rigorosamente dentro dos padrões e que a Cagepa não forneceria – nem fornecerá – água contaminada à população.

O gerente respondeu a uma série de perguntas dos apresentadores do jornal e de ouvintes. A entrevista completa pode ser ouvida no site da Campina FM, diretamente clicando AQUI.

“Quem é o homem? O Homem é Pedro” - Há onze anos morria o ex-governador Pedro Moreno Gondim
Pedro Gondim - Foto: http://governospb.blogspot.com.br

Num dia como hoje, 26 de julho, no ano de 2005, portanto há onze anos, morria Pedro Moreno Gondim. Jurista, deputado estadual, deputado federal, governador, o filho de Alagoa Nova foi um dos mais importantes líderes políticos da Paraíba durante quase duas décadas.

Em 1955, Gondim foi eleito vice-governador na chapa do médico Flávio Ribeiro Coutinho, que foi um candidato de consenso resultante de uma proposta apresentada por José Américo de Almeida. A decisão de uma eleição praticamente sem disputa se deu por conta dos excessos de 1950, quando a refrega José Américo versus Argemiro de Figueiredo foi violenta e rendeu até mortes em Campina Grande.

Durante o mandato, Flávio Ribeiro Coutinho adoeceu e acabou se afastando do governo, que ficou a cargo de Pedro Gondim.

Gondim sentia-se o candidato natural para 1960, mas Ruy Carneiro, cacique maior do seu partido, o PSD, indicou o irmão, Janduhy. De temperamento forte, Pedro não aceitou a imposição e renunciou ao mandato para ser candidato. Acabou expulso do PSD e foi para o PSB, partido pelo qual derrotou sua antiga legenda: Gondim 148.960 votos, contra 124.041 de Janduhy Carneiro. Ele governou o estado até janeiro de 1966.

Eleito deputado federal, teve o mandato cassado pela ditadura militar em sete de fevereiro de 1969. Foi anistiado em 1979 e tentou se eleger senador em 1982, sem sucesso.

Relembrando a trajetória do comandante do gondinismo, vale a pena ouvir o jingle marcante de Pedro Gondim nas eleições de 1960. “Quem é o homem? O homem é Pedro!”


PSD realizará convenção no dia 04 de agosto em Campina Grande e confirma apoio a Romero Rodrigues

André Gomes - Assessoria
(Com edição/revisão)

O vereador João Dantas, presidente do diretório municipal do Partido Social Democrático – PSD e líder do partido na Casa de Félix Araújo, encaminhou na tarde de hoje (25) expediente junto à 16ª Zona Eleitoral, comunicando a realização da convenção do partido no dia 04 de agosto (quinta-feira), às 17 horas, no Salão Azul da Câmara Municipal de Campina Grande.

O presidente estadual do PSD na Paraíba, deputado federal Rômulo Gouveia, afirmou que o seu partido apoiará incondicionalmente o projeto de reeleição do prefeito Romero Rodrigues (PSDB) este ano em Campina Grande.

De acordo com Gouveia, sua relação com Romero vem desde o tempo em que os dois atuaram como vereadores na Câmara Municipal de Campina Grande, permanecendo até hoje com o apoio à gestão na prefeitura.

João Dantas afirmou que a convenção municipal ratificará a decisão de caminhar junto com o prefeito Romero Rodrigues (PSDB) em sua campanha à reeleição. “Estaremos mais uma vez ao lado do prefeito Romero mostrando as obras, ações e realizações deste governo que fez Campina Grande se destacar no cenário nacional, mesmo enfrentando a maior crise hídrica da história e a maior recessão econômica já vivida desde a criação do Plano Real”, pontou João Dantas.

Além de João Dantas, o PSD/CG conta em seus quadros com a vereadora Ivonete Ludgério e o presidente da Câmara Municipal, vereador Pimentel Filho, além de diversas outras lideranças.

.