Destaques

Vereador apresenta e depois retira projeto “Escola sem Partido” na Câmara Municipal. Ele nega pressões

O vereador Alexandre do Sindicato, do PHS, apresentou em março na Câmara Municipal de Campina Grande o projeto 208/2017, para instituir na rede pública de ensino do Município o programa “Escola sem Partido”, que busca evitar que professores usem a sala de aula para ministração de cunho ideológico sobre os alunos, sobretudo crianças pequenas, como as atendidas na rede municipal.

Surpreendentemente, porém, o parlamentar recuou e decidiu retirar a matéria. De acordo com informações de bastidores, Alexandre do Sindicato, que é governista, não resistiu a pressões sofridas, inclusive vindas da secretária de Educação, professora Iolanda Barbosa.

Mas, durante entrevista à rádio Campina FM, ele negou que essa tenha sido a razão. Apesar de reconhecer que recebeu inúmeros pedidos para retirar o projeto, inclusive da própria Iolanda Barbosa, Alexandre garante que foram apenas pedidos, os quais, segundo assegura, não teriam influenciado em sua decisão.

O parlamentar, contudo, não conseguiu explicar com a mínima clareza qual teria sido, então, o motivo para seu recuo. Alexandre alega que é preciso realizar audiências a fim de discutir a matéria, e teria tentado trazer para Campina Grande o senador Magno Malta, um dos expoentes da defesa da “Escola sem Partido”, mas não conseguiu. A razão, por razões difíceis de entender na alegação do vereador, teria sido essa.

Galego do Leite se reúne com gerente regional da Cagepa e pede melhorias para Catolé de Boa Vista

O vereador Galego do Leite (Podemos) esteve reunido nesta quinta-feira, 22, com Ronaldo Meneses, gerente regional da Cagepa, para solicitar melhorias no abastecimento do distrito de Catolé de Boa Vista. Durante o encontro, o parlamentar entregou dois ofícios ao gerente, que, como sempre, mostrou-se atencioso e solícito às demandas apresentadas.

No primeiro ofício, o vereador pede à Companhia de Água e Esgotos que “seja avaliada a possibilidade da realização de manobras na rede de distribuição de água para que seja restabelecido o abastecimento nas comunidades do distrito de Catolé de Boa Vista, nos locais onde há rede instalada”.

No segundo, solicita “que sejam providenciados os estudos técnicos para a ampliação da rede de distribuição de água que atende às comunidades do distrito de Catolé de Boa Vista, município de Campina Grande, tendo em vista que o número de habitantes na região vem crescendo, anualmente, em função da pavimentação da PB-138”.

Galego fez questão de agradecer a atenção de Ronaldo Meneses e afirmou estar certo de que a Cagepa buscará atender aos pleitos apresentados em nome da comunidade. “Durante a conversa, pude explicar ao gerente Ronaldo as dificuldades que a população daquela área vem enfrentando. Reconheço as peculiaridades técnicas, mas, ao mesmo tempo, estou certo de que a solução é possível, mesmo porque é muito necessária”, avaliou.

Ao invés de defender associados contra lei abusiva, CDL manda imprimir cartazes. E outras leis virão

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Campina Grande divulgou nota em que “alerta todos os seus associados para o cumprimento da Lei nº 10.895 sancionada pelo governador Ricardo Coutinho, em 29 de maio de 2017, que obriga os estabelecimentos comerciais e órgãos públicos do Estado da Paraíba a fixarem cartazes alertando sobre a Lei nº 7.309/2003, que proíbe e pune atos de discriminação em virtude de orientação sexual”.

Na nota, a CDL lembra que “a multa para quem descumprir a lei ultrapassa o valor de R$ 10 mil” e complementa, detalhando o peso da sanção: “Em caso de descumprimento da determinação, o infrator terá de pagar multa equivalente a 220 UFR-PB, que será revertida aos órgãos de proteção aos direitos da comunidade LGBT. Em caso de reincidência, a multa é dobrada”.

Por fim, informa uma prestação de serviços aos associados: “Os filiados da CDL Campina Grande poderão receber o cartaz, gratuitamente, no formato indicado para que fixem em locais visíveis dos estabelecimentos, garantindo que todos tenham conhecimento e permaneçam em conformidade ao que determina a lei”.

Postura surpreendente

É de causar surpresa que uma entidade do porte da CDL limite-se ao papel de submissão plena e passiva a uma lei abusiva (por ser invasiva, intervensiva e autoritária) e que abre precedentes para outras do mesmo gênero. Independente do mérito do conteúdo do cartaz, a norma representa uma medida de eficácia questionável e de imposição digna de ser rechaçada.

Além do mais, dado o silêncio com que está sendo recebida e conhecendo a eficiência dos legisladores em produzir esse tipo de norma, em breve as lojas e estabelecimentos em geral terão que reservar amplo espaço para uma série de cartazes. Ao invés da postura demonstrada, era de se esperar da CDL e outras entidades de classe o questionamento da determinação legal pela via judicial.

Mas, o caminho escolhido foi o mais fácil: acatar, evitar controvérsias, cumprir a malfadada lei. E esperar pelas próximas.

Liminar determina que Governo do Estado repasse duodécimo estabelecido em janeiro para a UEPB

O Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), através de decisão liminar proferida pela desembargadora Maria de Fátima Moraes Bezerra Cavalcanti, determinou que o repasse do duodécimo da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) seja realizado conforme a previsão disposta no Cronograma de Desembolso Mensal (CDM) do Governo do Estado, publicado no Diário Oficial da União (DOU) no dia 25 de janeiro de 2017.

Com a decisão, o Governo do Estado terá que repassar a Instituição o valor referente a diferença entre o que está disposto no Cronograma de Desembolso Mensal e o que foi fixado mensalmente pelo Governo, no período de fevereiro a junho deste ano. De acordo com o CDM, o repasse mensal de recursos para a Universidade deve ser de R$ 24.220.000,00, mas o Poder Executivo Estadual estava repassando, mês a mês, valor inferior.

Além de repassar o valor desta diferença entre CDM e o que foi fixado, o Governo não poderá mais fazer a retenção de R$ 2 milhões mensais sob a alegação de estar fazendo o provisionamento do 13º salário dos servidores da Instituição, uma vez que esta é uma prerrogativa exclusiva da Universidade, conforme assegura a Lei 7.643/2004 e reconhece o Tribunal de Justiça.

Segundo o reitor Rangel Junior, a decisão foi recebida com serenidade e cautela, mas a UEPB continuará buscando o diálogo com o Governo na tentativa de sanar todos os problemas. “O que está apresentado com a decisão é uma pequena parte de um problema maior, mas indica caminhos sobre a perspectiva do que estamos buscando, que é no sentido de apostar em uma solução negociada e quando ela não seja possível buscar a arbitragem do judiciário”, destacou.

Apesar da decisão parcial do TJ em relação ao requerido na ação impetrada pela UEPB, o valor estabelecido no CDM ainda é menor do que o previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA), aprovada pela Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), em seu Quadro de Demonstrativo de Despesas (QDD), que autorizou à UEPB um montante de R$ 317.819.269,00 milhões de créditos orçamentários com recursos do Tesouro Estadual para o exercício do ano, culminando em um duodécimo mensal de R$ 26.484.939,08 milhões. O estabelecido no CDM totaliza um crédito orçamentário de R$ 290.640.000,00 milhões, o que resulta em R$ 27.179.269,00 milhões a menos do que o definido pela LOA.

Confira a decisão na íntegra clicando AQUI.

Fonte: assessoria

Supersalários - TCE vai notificar órgãos públicos sobre vencimentos acima dos limites legais

O Tribunal de Contas da Paraíba vai notificar os órgãos públicos do Estado sobre o pagamento de salários que estejam acima dos limites permitidos pela Constituição. Foi o que disse o presidente da Corte, conselheiro André Carlo Torres Pontes, após reunir-se com o Procurador Geral de Justiça, Bertrand Asfora, na tarde desta segunda-feira (19). A polêmica em relação aos altos salários surgiu depois que o TCE disponibilizou no seu portal - em respeito ao princípio da transparência, a folha de pessoal de todos os servidores do Estado. Segundo o presidente, havendo distorções ou inconformidades com a Lei, o gestor será notificado para promover as correções.

André Carlo Torres explicou que o TCE mantém parceria com o Ministério Público e sempre estará se reunindo com os membros daquela instituição para discutir assuntos de interesse da sociedade. Reiterou que nas inspeções que serão adotadas, buscará os esclarecimentos a respeito de possíveis excessos nos salários, e lembrou, que existem situações em que benefícios pessoais, a exemplo de terço de férias ou atrasados, possam está sendo computados como salários. “São questões pontuais que precisam ser apuradas”, disse.

O presidente adiantou que as medidas serão adotadas dentro dos critérios legais e, permanecendo indícios de irregularidades, conforme chegou a ser especulado, os processos serão encaminhados para o Ministério Público visando as providencias que se fizerem necessárias, enfatizou.

O conselheiro observou que o TCE, a partir de janeiro deste ano, vem mantendo o acompanhamento permanente junto aos órgãos públicos, e dentro dessa sistemática, fará as notificações devidas para que se procedam as correções, assim como tem feito em relação a vários itens na composição das prestações de contas, a exemplo dos alertas que estão sendo encaminhados aos gestores, sempre que se identifique alguma inconsistência nas contas públicas.

O procurador Bertrand Asfora reiterou o posicionamento do presidente do TCE, reafirmando a parceria permanente com o órgão fiscalizador, no que tange às ações voltadas ao combate à corrupção. Nessa questão dos salários, enfatizou as notificações que serão adotadas pelo Tribunal. “O Ministério Público estará atento e vai aguardar o resultado das auditorias anunciadas pelo TCE”.

Fonte: assessoria

Câmara Municipal e prefeito de Campina Grande reafirmam parceria com vereadores pessoenses

Os vereadores de Campina Grande e de João Pessoa, com intermédio do prefeito Romero Rodrigues (PSDB), deram mais um importante passo para a consolidação da parceria entre as duas Casas Legislativas. No mês março os vereadores campinenses visitaram a Câmara de João Pessoa e firmaram uma parceria de cooperação técnica para implantação da TV Câmara em Campina Grande. Na tarde dessa sexta-feira (16) foi a vez dos vereadores pessoenses visitarem a Rainha da Borborema.

A comitiva formada pelos vereadores Raíssa Lacerda (PSD), Elízia Virgínia (PSDB), João Corujinha (PSDC) e João dos Santos (PR), foi recebida pela presidente Ivonete Ludgério (PSD) e o prefeito Romero Rodrigues (PSDB) na Câmara Municipal de Campina Grande. Na companhia de mais dez vereadores locais, os parlamentares pessoenses conheceram toda a estrutura da Casa de Félix Araújo e reafirmaram o interesse em dar continuidade na parceria para viabilizar definitivamente a implantação da TV Câmara-CG.

“Os vereadores de João Pessoa retribuíram essa visita e reafirmaram a parceria  de cooperação técnica para a implantação da TV Câmara aqui em Campina Grande. Foi um grande prazer receber-los e, dessa forma, reforçamos nossa interação”, comentou a vereadora Ivonete Ludgério. “Temos também a parceria com o prefeito Romero Rodrigues, que se comprometeu em viabilizar recursos financeiros, e também com o deputado Rômulo Gouveia que está intermediando a questão junto ao Ministério das Comunicações”, lembrou.

Atualmente, a TV Câmara de Campina Grande funciona apenas com a transmissão das sessões ordinárias, extraordinárias, solenes e especiais da Câmara Municipal  através da internet, pelo portal www.camaracg.pb.gov.br. A parceria com a  CMJP e a PMCG visa a implantação do sinal aberto da TV, com uma programação própria.

Além dos vereadores pessoenses, do prefeito Romero Rodrigues e da presidente Ivonete Ludgério, estiveram presentes os vereadores Márcio Melo (PSDC), Sargento Neto (PRTB), Luciano Breno (PPL), Bruno Faustino (PSB), Ivan Batista (PSDB), Pimentel Filho (PSD), Alexandre do Sindicato (PHS), Saulo Germano (PSDC), Álvaro Farias (PSC) e o vereador licenciado e atual presidente da Agência Municipal de Desenvolvimento, Nelson Gomes Filho (PSDB).

Fonte: Ascom CMCG

Presidente da Associação dos Docentes reage a fala de Rangel Júnior: “só ele pode dizer o que seria fantasia”

O professor Nelson Júnior, presidente da Associação dos Docentes da UEPB (AduePB), comentou a fala do reitor Rangel Júnior, que na Campina FM classificou como “fantasia” as declarações do comando de greve sobre suposta existência de recursos, na ordem de R$ 10 milhões, para reajuste salarial.

O reitor da Estadual ainda disse que “as pessoas às vezes falam bobagens, confundindo a opinião pública”. Mas, segundo a AduePB, o próprio Rangel Júnior teria indicado a identificação destes recursos no orçamento, durante reunião com o comando da greve da categoria.

“De fantasia para fantasia, não tenho como estar aqui avaliando a fantasia que o reitor fala. Não sei a que ele se refere. Nós nos reportamos a questões que foram dialogadas e, aí, só o reitor pode dizer na cabeça dele o que seria fantasia ou para enganar a opinião pública. Nós divulgamos o que foi discutido na reunião (do reitor) com a AduePB e acho que essa foi uma fala infeliz dele”, comentou Nelson.

Nesta quinta-feira, 08, os docentes decidiram manter a greve, que já dura dois meses. Os servidores técnicos e administrativos também estão de braços cruzados.

Saúde, educação, presídios e uma questão de prioridade

Casos de violência extrema, como os que marcaram o Lar do Garoto no final de semana passado, e como aqueles registrados em presídios do Amazonas e Rio Grande do Norte tempos atrás, sempre trazem à tona os debates sobre a superlotação das unidades prisionais no Brasil.

As penitenciárias são sucateadas, com infraestrutura precária, recursos humanos insuficientes e tendo como marca um número de internos muito maior do que permitiriam suas capacidades nominais.

Mas, o problema aí é que esse panorama pode ser plenamente utilizado para se referir a outras áreas do atendimento público no Brasil.

Somos um país em que há escolas caindo aos pedaços, com salas de aula cheias demais, falta de professores e técnicos, uma realidade alarmante de precariedade.

Somos um país em que os hospitais, digam o que quiserem os gestores, são todos superlotados, com seres humanos sofrendo dores e tratados como indigentes, condições estruturais e técnicas obsoletas e profissionais despreparados – sobretudo para lidar com seres humanos.

Logo, se o dinheiro não dá para a saúde e a educação, como seria suficiente para construir e equipar presídios? Qual destes três segmentos seria prioridade?

A resposta a essa pergunta é óbvia, e mostra claramente que o problema só vai continuar se agravando.
É triste e lamentável ver seres humanos amontoados dentro de celas, vivendo em condições inaceitáveis, sobretudo por sabermos que nem todos ali são indivíduos monstruosos ou irrecuperáveis.

Aliás, o pior é isso. O sujeito que praticou um delito esporádico e aquele criminoso contumaz ficam ali, jogados no mesmo ambiente, um fato que, apenas por si, faz da punição aplicada uma injustiça, porque, independentemente do tempo da pena, jamais os dois tipos deveriam estar juntos e amontoados.

Entretanto, é mais triste ainda ver crianças amontoadas em salas de aula de escolas que condenam a maioria delas a um futuro sem perspectivas de mudanças de vida.

É muito mais terrível ver seres humanos morrendo à mingua nas portas dos hospitais, como se a vida nada valesse.
E enquanto o país não resolver esses dois problemas, seria tanto mais indecente e impensável resolver aquele outro.

Mais que isso, seria desumano. 

Reitor da UEPB classifica fala da Associação dos Docentes sobre R$ 10 milhões para salários como “fantasia”

O reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Rangel Júnior, falando com exclusividade à Campina FM, desmentiu com veemência as declarações do professor Nelson Júnior, da Associação dos Docentes da UEPB, sobre a suposta existência de recursos para atendimento das demandas da categoria em termos de salários.

No início da semana, a entidade divulgou que “a reitoria da UEPB informou ao comando de greve que identificou cerca de R$ 10 milhões que poderão ser utilizados no atendimento as questões salariais da categoria”. Ainda segundo nota da associação, “a garantia foi dada pelo reitor Rangel Júnior”. Em conversa com a reportagem da emissora, Nelson Júnior confirmou a informação.

Mas Rangel, por sua vez, negou. “É bom deixar claro que isso se trata de uma fantasia. Esses 10 milhões não existem e nem têm nada a ver com a reitoria. As pessoas às vezes falam bobagens, confundindo a opinião pública”, disse o reitor, num tom bastante elevado.

De acordo com Rangel Júnior, “o que existe é o orçamento da UEPB, a lei orçamentária de 2017, aprovada pela Assembleia Legislativa e sancionada pelo governador do Estado, que disponibiliza para despesas de pessoal e encargos um montante de R$ 274 milhões no ano. Como a previsão de despesas de pessoal, com os vários cortes que fizemos, a despesa prevista é de R$ 254 milhões, sobram R$ 20 milhões”.

Esse recurso, porém, não está nos cofres da UEPB. “O Governo do Estado tem, disponível, no orçamento da universidade, R$ 20 milhões para concessão de vantagens remuneratórias a docentes e técnicos. Portanto, não é a reitoria, é o governo que dispõe desses recursos, porque se tratando de remuneração, é competência exclusiva do governador do Estado, complementou o reitor. 

Vereadores discutem situação do Riacho das Piabas em audiência pública na Câmara de Campina Grande

Em comemoração a Semana Nacional do Meio Ambiente, a Câmara Municipal de Campina Grande realizou uma audiência pública, na manhã dessa quarta-feira (07), com a propositura do vereador Bruno Faustino. Reunindo ecologistas e especialistas no assunto, foi discutida a situação do Riacho das Piabas e da Mata do Louzeiro, assim como os problemas causados nas comunidades adjacentes pela poluição do canal e o seu assoreamento.

O autor da propositura, vereador Bruno Faustino, relembrou a história hídrica e a importância do Riacho das Piabas para o município. Segundo ele, é necessário que a área seja revitalizada para preservação de biomas essenciais no meio ambiente. "Queremos resgatar e recuperar um patrimônio ambiental e histórico de nossa cidade. Vamos solicitar o cumprimento do Artigo 269 da Lei Orgânica Municipal, sobre áreas de preservação permanente, e também da Lei Federal Nº 9.433/97 que determina a despoluição dos corpos hídricos", anunciou.

Durante a audiência o professor Veneziano Guedes entregou para a presidente Ivonete Ludgério a Carta da Articulação pela Revitalização do Riacho das Piabas - PB, solicitando ao Poder Legislativo a criação de uma emenda ao Artigo 269 da Lei Orgânica Municipal para que o riacho seja incluso no sistema de nascentes do Açude Velho como área de preservação permanente da cidade. "Se essa Casa puder dar esse passo conosco, esse apoio, será de extrema importância para essa conquista", disse Veneziano.

A presidente Ivonete Ludgério garantiu que a Câmara e todo o parlamento legislativo municipal se empenhará para votar a favor da emenda, destacando a importância da proposta. "Precisamos de catorze votos para que essa emenda seja aprovada e garanto que teremos todos eles e até mais, pois todos os vereadores entendem a necessidade do apoio para esse projeto", afirmou.

Os participantes também discutiram a necessidade de conscientização ambiental da comunidade, alertando os cuidados com o meio ambiente para manter  a fauna e a flora local, a preservação permanente dos recursos naturais e gerando qualidade de vida com sustentabilidade.

Fonte: Assessoria

Romero se reúne com lideranças da região de Campina Grande e revela apelos por candidatura

O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, participou de um encontro informal com lideranças políticas da cidade e municípios da região no fim da tarde desta terça-feira, 06, no bairro do Jardim Paulistano. Estiverem presentes vereadores, suplentes, ex-vereadores e outras lideranças de municípios como Barra de Santana, Montadas, Lagoa Seca, Barra de São Miguel, Aroeiras e Fagundes, além de Coremas, cidade do Sertão paraibano.

Durante o encontro, Romero falou sobre o trabalho realizado na Rainha da Borborema desde o início do primeiro mandato, e ouviu diversos testemunhos a respeito da repercussão em todo o estado das realizações da sua gestão à frente do poder executivo campinense. O tucano também foi questionado quanto às eleições de 2018, e recebeu apelos para que seja candidato a governador.

Para o anfitrião do evento, Irmão Cézar, que foi candidato a deputado estadual em 2014 com expressiva votação, e que deve mais uma vez disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa, o tucano tem o perfil que o povo busca atualmente. “O momento que o país atravessa pede cada vez mais políticos como Romero, um homem correto, leve, simples e acessível, que governa com seriedade, criatividade, espírito público, buscando inovar e mantendo os pés no chão, a humildade”, disse.

Cézar ainda destacou a força de um sentimento que vem crescendo na Paraíba. “Rodo por todo canto e é cada vez mais claro o desejo das pessoas, dos prefeitos e lideranças do meio político em geral de que voltemos a contar com uma governador do interior do estado, alguém que compreenda e conheça pela própria vivência as nossas demandas, angústias e realidade cotidiana, que não descuide do zelo para com nossa capital, mas que tenha o olhar que o restante da Paraíba precisa”, ponderou.

Romero Rodrigues agradeceu às manifestações de carinho e apoio, mas ressaltou que a discussão sobre encaminhamentos políticos ficará para o tempo devido, embora ratifique que seu nome está à disposição do partido e dos paraibanos.

Ele reconheceu, também, que manifestações desse tipo, espontâneas e cativantes, têm chegado diariamente. “Recebo cada uma delas com humildade e responsabilidade, agradecendo sensibilizado a cada palavra, cada gesto. No instante oportuno, tudo haverá de ser considerado para uma decisão que não pertence só a mim”, concluiu o prefeito.

Fonte: Ascom

“Gratuidade pesa no bolso de quem menos pode”, diz Associação das Empresas de Transportes Urbanos
Otávio Cunha, presidente da NTU - Fonte: portal NTU

Pressionado pela queda do número de usuários e pela necessidade de aumento das tarifas, o Transporte Público brasileiro busca uma saída para um desafio que também onera o sistema: a gratuidade. Idosos, pessoas com deficiência, estudantes e algumas categorias especiais de trabalhadores, como carteiros e policiais, têm o direito de circular gratuitamente, ou com desconto, no Transporte Público das cidades, garantido por leis federais, estaduais e municipais. Segundo a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), o impacto é, em média, de 16,7% no país. Em São Paulo chega a 35,1%, em Brasília é de 19,7% e em Fortaleza, 10,8%.

“A ausência total de gratuidades implicaria uma tarifa cerca de 15% mais barata”, informa a assessoria de imprensa da Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans). O serviço de Transporte Público de passageiros por ônibus na capital mineira registra 35 milhões de usuários por mês. Desses, cerca de 4,5 milhões, são transportados gratuitamente. Ressalvada a política do meio passe estudantil, a totalidade dos custos envolvidos na prestação do serviço de transporte é suportada pelos usuários pagantes e pelas empresas compradoras de vale transporte.

Na cidade do Rio de Janeiro, o impacto nos três primeiros meses do ano foi de 14,82% (em janeiro), 17,25% (fevereiro) e 18,50% (março). Têm direito à gratuidade idosos, deficientes físicos, alunos do ensino municipal e alunos da rede pública de ensino fundamental, ensino médio, universitários beneficiados pelos programas do governo federal de cotas ou o programa para todos os alunos universitários com renda familiar de até um salário mínimo.

A Prefeitura do Rio não dá qualquer subsídio. “A ferramenta utilizada pelo município vem da política tarifária municipal através da modelagem de engenharia financeira que instituiu a integração tarifária, válida por duas horas e meia, possibilitando ao usuário utilizar mais de um modal de transporte municipal ao custo de uma tarifa única modal”, diz o vice-prefeito e secretário municipal de transportes do Rio, Fernando Mac Dowell.

“A gratuidade do Transporte Público pesa no bolso de quem menos pode: o trabalhador ou o desempregado. Não se discute a conveniência da gratuidade, mas sobre a fonte de recurso que banca o benefício”, afirma Otávio Cunha, presidente da NTU. “A pauta da discussão da gratuidade é que o poder público pague pela gratuidade, embora ela represente um pedaço pequeno da política tarifária, sem levar em conta que a economia depende da mobilidade das pessoas para trabalhar e consumir e que o transporte faz parte do processo produtivo”, diz Rômulo Orrico, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ).

O maior desafio da indústria de Transporte Público é a produtividade. Dos anos 90 para cá, a velocidade média dos ônibus caiu de 25 km/h para 15 km/h. A precariedade do serviço e as mudanças econômicas ajudaram a mudar o perfil. Em 1977, 67% das pessoas se locomoviam com Transporte Público. Hoje, são 28,4%. Em nove capitais pesquisadas pela NTU a queda de demanda de usuários foi de 24,4% desde 1994. De 2013 a 2016, a quantia de passageiros de ônibus, trem ou metrô caiu 18,1%.

Com informações da assessoria

Aécio Neves e o esforço patético de uma ficção barata sobre normalidade

Na semana passada, o senador afastado Aécio Neves divulgou em suas redes sociais uma foto em que aparece, em casa, numa roda de conversa com os senadores Cássio Cunha Lima, José Serra, Antônio Anastasia e Tasso Jereissati.

Na legenda, o presidente afastado do PSDB afirma que a reunião com seus correligionários teve como pauta discutir votações no Congresso e a agenda política.

Seria uma foto qualquer, de legenda qualquer, com uma suposta pauta qualquer, não fosse um pequeno detalhe: a normalidade que Aécio tenta demonstrar é ficção barata.

Duramente engolido pelos escândalos revelados a partir das delações da JBS, o mineiro é, no mar lamacento da política tupiniquim, um navio afundando.

Esse homem, nesse momento, não tem assunto a discutir sobre agenda política ou, muito menos, quanto a votações de um Congresso de onde ele está afastado por decisão do Supremo Tribunal Federal.

A irmã, Andréa, está presa. O primo, Frederico, preso. Ambos por envolvimento como partícipes num rol de acusações em que ele, Aécio, é protagonista.

Imaginar o que o tucano, enrolado como está, deve ter choramingado na conversa com seus pares, não é tão difícil. Danado é saber o que deles teria ouvido.

Solidariedade? Conforto? A promessa de apoio político? Ou teria saído pelo menos um "tás pebado"?
Nunca saberemos.

Agora, a certeza é que a mente do homem que quase chegou à presidente da República não está para discussões sobre pauta política.

Denunciado por corrupção ativa e obstrução da justiça no caso JBS e alvo de oito inquéritos no STF, Aécio Neves deve está perdendo o sono é com outra possibilidade.

Ele está mais perto da cadeia que do Senado.

Vereadores de Campina Grande iniciam debates da Lei de Diretrizes Orçamentárias 2018

O Poder Legislativo de Campina Grande, através da Comissão de Finanças, Orçamentos, Fiscalização Financeira e Controle iniciou, na tarde dessa segunda-feira (05), as audiências públicas para formulação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) do exercício 2018. As audiências envolvendo os secretários e representantes da sociedade seguem até a próxima quinta-feira (08).

A primeira audiência para debater a LOA 2018 iniciou às 14h30 seguiu até às 18h30, sendo pelos vereadores Marinaldo Cardoso, presidente da Comissão de Finanças, o relator João Dantas e o membro Galego do Leite. Foram discutidas as questões pertinentes à Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SEDE), Secretaria de Finanças (SEFIN), Secretaria de Administração (SAD), Procuradoria Geral do Município e Gabinete do Prefeito.

Durante a audiência os representantes do Orçamento Participativo, SABs (Sociedade Amigos de Bairro), lideranças comunitárias e populares questionaram sobre o planejamento do Poder Executivo para as melhorias nas áreas de atuação das secretarias presentes, aconselhando demandas e investimentos.

Segundo com a Coordenadora de Gestão, Márcia Madalena, a Prefeitura Municipal de Campina Grande também está em processo de elaboração do Plano Plurianual (PPA), produzido a cada quatro anos, para adaptar e acrescentar emendas na LDO 2018 de acordo com o novo PPA. “Esse ano as Leis Orçamentárias terão um ciclo diferenciado, pois também vamos elaborar o Plano Plurianual, já estamos fazendo reuniões com as comunidades e colhendo sugestões da população através de uma plataforma virtual. Para seguirmos a lei precisamos planejar a LDO antes e depois adaptá-la ao PPA concluído”, explicou.

O vereador e presidente da Comissão, Marinaldo Cardoso, avaliou e destacou a importância da realização das audiências para o projeto da LDO 2018. “As audiências colaboram muito para que as coisas aconteçam, é importante que as pessoas participem e possam dar suas sugestões para os projetos”, disse.

De acordo com os vereadores, as audiências são momentos oportunos para que a população campinense e as entidades representantes do povo possam contribuir com sugestões, apresentando as prioridades dos bairros para que o Poder Executivo analise e inclua na proposta orçamentária para o próximo ano. As reuniões estão sendo realizadas no Plenário da Câmara Municipal de Campina Grande, com início a partir das 14h30.

Fonte: assessoria

Associação que auxilia pacientes com câncer pede socorro. Água foi cortada por dívida de R$ 850

A crise econômica que afeta o país atingiu também as instituições filantrópicas e assistenciais, que sofrem para manter suas atividades diante da queda nas doações. É o caso da Associação de Apoio aos Portadores de Câncer Esperança e Vida, de Campina Grande, que enfrenta sérias dificuldades, ao ponto de o fornecimento de água ter sido cortado pela Cagepa, por causa de uma dívida de R$ 850.

De acordo com a assistente social Elaine Almeida, sem água, as atividades acabaram suspensas, prejudicando cerca de 100 pacientes atendidos pela associação. “Faz aproximadamente um mês que houve o corte e, depois disso, as caixas d’água acabaram secando. Vizinhos ajudaram, a gente mesmo traz água de casa, mas não tem como manter o funcionamento com atendimento a pacientes nestas condições”, explicou.

De acordo com Elaine, a queda nas doações provocou um agravamento da crise. “Infelizmente, as doações caíram muito e algumas dívidas acabam acumulando, como o aluguel, que a gente está devendo; o telefone já foi bloqueado; a energia foi cortada duas vezes; e, agora, a água”, conta. A instituição não recebe subvenção dos poderes públicos, embora haja um processo tramitando na Prefeitura de Campina Grande.

Na associação, os pacientes têm acesso a atividades ocupacionais, como oficinas de artesanato, assim como fisioterapia e atendimento psicológico, além de ajuda para realização de exames. Antes da crise, também recebiam cestas básicas, medicamentos e o transporte de casa para o hospital – porque o emplacamento do carro está vencido e não há recursos para o combustível.

COMO AJUDAR

Associação de Apoio aos Portadores de Câncer Esperança e Vida
- Rua Antônio Campos, 382, Alto Branco (mesma rua do restaurante Recanto do Picuí, em frente ao muro lateral do seminário)
- Funcionamento: de segunda a sexta, de 8h às 16h
- Telefone: 3341-6732 (funcionário vai buscar a ajuda)
- Conta Corrente: Banco do Brasil; Agência 3502-5; Conta Corrente: 29358-X

.