Facebook

header ads

Paraíba realiza primeiro transplante de coração do ano de 2021


A Paraíba realizou, nessa quinta-feira (14), o primeiro transplante de coração de 2021. O doador foi um jovem com 20 anos de idade, vítima de acidente automobilístico, diagnosticado no Hospital de Trauma de João Pessoa com traumatismo cranioencefálico. O último transplante de coração havia sido feito em julho de 2020. Além do coração, foram captados pela Central de Transplante da Paraíba os rins, fígado e as córneas. Esta é a terceira doação de multiórgãos desde o início do ano no Estado, num período inferior a 15 dias.

O secretário estadual de Saúde, Geraldo Medeiros, comentou que esta doação vem coroar um trabalho executado pela Central de Transplante da Paraíba, que fez com que o Estado, em 2020, recebesse o título de destaque nacional em doação de órgãos e tecidos e transplantes.

“Antes, os paraibanos precisavam se deslocar para Pernambuco, Ceará e São Paulo para realizar transplantes, gerando um grande transtorno para o paciente e familiares e, atualmente, todos os transplantes são realizados aqui mesmo, beneficiando toda a população, indistintamente, independente da situação econômica. Por isso, conclamo que todos os paraibanos manifestem, continuamente, a seus familiares o desejo de doar órgãos na eventualidade de ser confirmada a morte encefálica. A doação salva vidas”, disse.

O coração foi doado a um homem de 66 anos de idade cuja cirurgia foi feita na noite dessa quinta-feira (14). O fígado segue para uma mulher de 67 anos. Um dos rins foi doado a uma mulher de 40 anos e o outro a um homem de 31 anos. As córneas serão enviadas ao Banco de Olhos para análise.

“Somente a família tem o poder de autorizar a doação e, quando a família diz sim, a vida continua. Por isso, é fundamental que as pessoas, em vida, manifestem aos parentes o desejo de doar os seus órgãos na eventualidade da morte encefálica pelos médicos”, pontuou a enfermeira e coordenadora de ações estratégicas da Central de Transplante da Paraíba, Rafaela Carvalho.

Fonte: Secom

Postar um comentário

0 Comentários