Facebook

header ads

A igreja brasileira não está sob perseguição. Longe, bem longe disso


Os cristãos brasileiros estão se sentindo praticamente os mártires da igreja primitiva, os perseguidos pela Cortina de Ferro ou os que têm sofrido os horrores do islamismo.

Estão reputando-se a própria igreja perseguida por causa das restrições a celebrações públicas. Restrições que atingem a boa parte de todas as atividades, incluindo bares, casas de shows e prostíbulos.

Claro que há excessos, claro que deve-se estar vigilantes, claro que existe da parte de alguns um ódio específico contra os cristãos. Evidente!

Mas, levantar um alarido como se a grande tribulação estivesse desabando sobre as igrejas é fazer um papel ridículo.

Sobretudo quando essa algazarra reveste-se de um discurso de afronta a normas advindas de autoridades (que podem ser questionadas, mas não chegam a afrontar o Evangelho).

E, principalmente, quando a verdadeira motivação não é nem a liberdade de culto nem a condição espiritual das pessoas, mas o abalo aos cofres de denominações, principalmente aquelas que financiam profissionais da fé com gordos - e imorais e pecaminosos - salários.

Ah! Some-se a isso políticos que usam os altares como palanques e estão desesperados pela perda da oportunidade de autopromoção criminosa e abominável em período eleitoral.

A igreja não deixou de ser igreja quando orava nas cavernas, quando louvava baixinho às escondidas por conta da ira do comunismo, quando foi lançada nas prisões e masmorras, quando cristãos foram trucidados em praça pública, nem quando foi proibida pelo Estado de abrir portas de templos.

Pelo contrário, toda verdadeira perseguição avivou a fé dos que realmente criam. Assim como expôs os canalhas, os mercadejadores da fé, os meros fanáticos religiosos e os falsos profetas.

A igreja brasileira deve estar atenta, vigiar contra os excessos e perseguições. Mas, deve acima de tudo clamar a Deus pela nação, orar e, sobretudo, se converter de seus maus caminhos. 


------
A imagem que ilustra o texto é da Missão Portas Abertas 

Postar um comentário

0 Comentários