Facebook

header ads

Delator da “Calvário” citou pedido de propina para campanha de Romero


No pedido cautelar que apresentou ao desembargador Ricardo Vital de Almeida, resultando no cumprimento de dezessete mandados de prisão e mais de cinquenta de busca e apreensão, um trecho rápido revela que teria havido um pedido de propina aos intermediários da Cruz Vermelha Brasileira cujos recursos seriam supostamente destinados à campanha do então candidato a prefeito de Campina Grande Romero Rodrigues, em 2012.

De acordo com Daniel Gomes da Silva, operador do esquema e delator, o pedido teria sido feito após uma solicitação que partiu de Jovino Machado Neto, apontado como então consultor jurídico do Estado da Paraíba. De acordo com o documento, o dinheiro seria “para a estruturação da campanha de Romero Rodrigues e, em contrapartida, aprovaria a lei de organizações sociais no município e direcionaria contratos para gestão da saúde à Cruz Vermelha do Brasil”.

Não há mais qualquer informação a respeito do assunto no relatório do MP. Em 2012, os grupos capitaneados pelo PSDB (então partido de Romero) e PSB (legenda do à época governador Ricardo Coutinho) ainda eram aliados.

NOTA

Agora há pouco, a PMCG emitiu uma nota em que nega qualquer vinculação de Romero Rodrigues com acordos com a Cruz Vermelha Brasileira. Leia o documento na íntegra:

A Prefeitura de Campina Grande vem a público prestar os seguintes esclarecimentos a respeito de uma possível citação do nome do prefeito Romero Rodrigues na colaboração premiada do Sr. Daniel Gomes, da Cruz Vermelha, citando suposta doação de R$ 150 mil para uma de suas campanhas eleitorais em Campina Grande:

1)    O prefeito Romero Rodrigues jamais aceitou contribuição financeira para qualquer de suas campanhas em troca de possíveis favores futuros a grupos empresariais.

2)    Caso houvesse, minimamente, qualquer procedência em relação à citação do Sr. Daniel Gomes, a contrapartida apontada na colaboração premiada do empresário – a contratação da OS Cruz Vermelha no âmbito do Município de Campina Grande – teria sido consolidada, o que JAMAIS ocorreu. Até mesmo uma lei aprovada e que permitia a terceirização de serviços em várias áreas foi revogada pelo prefeito, tão logo assumiu em 2013, de forma unilateral e firme, sem deixar brechas para quaisquer iniciativas nesse sentido.

3)    O prefeito Romero Rodrigues rechaça, veementemente, qualquer insinuação sobre seu envolvimento, direto ou indireto, em quaisquer esquemas de desvios de dinheiro público e, nesse caso particular, a própria opção político-ideológica de seu governo em prol do fortalecimento do patrimônio do Município evidencia a nítida improcedência da informação.

4)    Bem ao contrário de investir recursos públicos na contratação de Organizações Sociais suspeitas, o prefeito Romero Rodrigues fez a opção, sim, pelo caminho oposto, na área de Saúde: municipalizou os hospitais Pedro I e Dr. Edgley, além de promover a aquisição patrimonial da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), hoje transformada em Centro Especializado de Reabilitação – uma das referências no Brasil na atenção às crianças e jovens com deficiência.

5)    Na prática, o caminho por municipalizar serviços mostrou-se muito mais saudável do ponto de vista institucional e menos danoso ao erário do que a opção fácil e perigosa da terceirização, na avaliação do prefeito.

6)    Colocando-se inteiramente à disposição da Justiça e das autoridades para prestar todo e qualquer esclarecimento a respeito de qualquer informação que diga respeito à sua conduta na vida pública, o prefeito Romero Rodrigues, de peito aberto e consciência tranquila,  reafirma sua confiança nos rumos das investigações, principalmente quando se tratar de separar o joio do trigo e confirmar a lisura e inocência dos que estão sendo levianamente levados à vala comum das suspeitas e acusações sem provas e consistência.

Codecom

Postar um comentário

0 Comentários