Vereador cobra instalação de comissão de ética e afastamento de Renan


O vereador Galego do Leite (Podemos) usou a tribuna da Câmara Municipal de Campina Grande nesta terça-feira, 04, para cobrar um posicionamento da mesa diretora da casa em relação à situação de Renan Maracajá (DC), que está preso desde o último dia 22 no âmbito da “Operação Famintos”, que investiga um suposto esquema de fraudes em licitações da merenda escolar na cidade.

Galego, que antes mesmo da prisão de Renan já havia defendido que o parlamentar se afastasse do cargo para se defender das acusações, acredita que a direção da CMCG precisa instalar a comissão de ética, que é prevista no regimento interno como um grupo de trabalho permanente, mas na prática não existe no legislativo campinense.

“A mesa diretora precisa urgentemente instalar a comissão de ética, tomar as providências, para encaminhar ao vereador o questionamento se ele vai se licenciar por 121 dias sem remuneração ou se vai renunciar ao mandato”, disse, acrescentando que esse posicionamento tem sido exigido pela própria população nas ruas e nas redes sociais.

O vereador do Podemos também rechaçou o discurso de outros parlamentares, que tentar separar as ações de Renan Maracajá enquanto empresário e como vereador. “Se o cidadão empresário cometeu alguma ilicitude, querendo ou não afeta o cidadão vereador. A gente não tem como desmembrar, tirar o vereador do empresário ou tirar o empresário do vereador, e ele está detido hoje, isso é fato”, opinou.

Galego do Leite, contudo, fez questão de destacar que não emite juízo de valor sobre as denúncias que envolvem Renan Maracajá e nem é favorável a qualquer pré-julgamento do parlamentar. “Na verdade, minha posição nessa matéria é para que ele mesmo possa se concentrar na sua defesa e sem prejuízo à normalidade e à imagem da Câmara”, afirmou.

Nenhum comentário

.