Audiência pública discute crise na UEPB e vereadores cobram resposta do Estado


Da assessoria
.
Preocupada com a crise econômica enfrentada pela Universidade Estadual da Paraíba, a Câmara Municipal de Campina Grande, atendendo a propositura dos vereadores Alexandre do Sindicato, Márcio Melo e Renan Maracajá, realizou uma audiência pública para discutir o sucateamento e indicativo de greve da instituição. A audiência aconteceu no Plenário da Casa, na manhã dessa quarta-feira (05). Um documento com as reivindicações da UEPB e comunidade acadêmica, além das possíveis soluções para o impasse administrativo e financeiro, será encaminhado ao Governo do Estado.

O vereador Alexandre do Sindicato, um dos propositores da audiência, destacou a história da UEPB ao longo dos 30 anos de estadualização e firmou o compromisso da Casa com a instituição e com os que fazem parte dela. "A Casa se reúne para discutir e tem interesse em trazer soluções. Nós temos um compromisso com a UEPB e com a sua história. É impossível um país democrático ficar sem educação e vamos nos unir com os servidores e toda comunidade estudantil para não deixar a UEPB sozinha nessa luta", disse.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Ensino Superior da Paraíba da Universidade Estadual da Paraíba (Sintespb/UEPB), Fernando Borges, explicou o orçamento disponibilizado para UEPB e revelou os obstáculos impostos para realização de reuniões com o Governo do Estado. "Já protocolamos nesses seis anos vários pedidos de audiência com o Governo do Estado e não fomos atendidos em nenhum deles. Isso afeta a comunidade, os trabalhadores e todos os alunos", declarou.

Em explicação aos cortes orçamentários da UEPB, o reitor Rangel Júnior esclareceu as dificuldade em administrar a instituição sem ter acesso ao repasse financeiro por parte do governo estadual. "A UEPB é uma máquina enxuta e os números estão disponíveis no Portal da Transparência. A nossa única reivindicação é que a Lei Orçamentária Anual 2017 seja respeitada e haja a reposição financeira para termos os recursos dos custeios a partir desse repasse. A UEPB não é do governo, é da Paraíba e do povo", manifestou.

Ao final da audiência os presentes definiram que será elaborado um documento para enviar ao governador Ricardo Coutinho, Assembleia Legislativa, Câmara dos Deputados, senadores paraibanos e Ministério Público. O objetivo é mobilizar os órgãos responsáveis para manter a UEPB com sustentabilidade e qualidade suficiente  para preservar os serviços essenciais prestados e compromissos com a comunidade acadêmica, garantindo o repasse do orçamento anual.

Presenças

Para discussão do tema esteve presente o reitor da UEPB Antonio Guedes Rangel Júnior, representantes do Sintespb/UEPB, Associação dos Docentes da UEPB (ADUEPB), Centro de Ciências e Tecnologia da UEPB (CCT-UEPB), Pró-Reitorias da UEPB, Diretório Central dos Estudantes (DCE), Centro Acadêmico, Movimento Resiste UEPB, servidores e estudantes da UEPB, Levante Popular da Juventude, FIEP, vereadores da Casa de Félix Araújo e população campinense.

Nenhum comentário

.