Jornalismo

Profissional atuando desde 2008 no mercado, com passagem por todos os meios. Experiência, credibilidade e qualidade

Comunicação institucional

Profundo conhecimento da dinâmica e caminhos da comunicação institucional eficiente, quer no setor público, quer na esfera privada

Direito

Advogado com atuação na área cível em geral e foco em direito do consumidor, além de assessoria legislativa para supervisão e elaboração de projetos

Cursos online

Didática diferenciada, metodologia direta, clara e objetiva buscando a máxima eficiência do estudo

Blog

Pesquisa do Procon Municipal constata que cesta básica está quase 3% mais cara com relação a fevereiro


O Procon Municipal realizou a pesquisa de preço dos itens que compõe a cesta básica nos principais estabelecimentos comerciais da cidade. A coleta tem por base o estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), que define a mesma cesta para todo o Brasil.

Em janeiro, o preço médio da cesta básica era de R$254,55 e em fevereiro passou para R$255,49, uma aumento de 0,37%. Em março, a cesta continua registrando aumento, desta vez 2,96%, com preço médio de R$263,05. De acordo com a pesquisa, o menor valor encontrado para aquisição dos itens básicos é de R$232,94 e o maior é de R$282,39. O consumidor que optar pelo estabelecimento mais barato, poderá economizar até R$49,45.

O consumidor que recebe um salário mínimo bruto, irá desembolsar 24,86% para  compra da cesta, restando 75,14% do salário para outras despesas.

Alguns produtos obtiveram aumento em seu preço médio, foram eles: o quilo da tomate, que custava em média R$3,46 e esse mês passou para R$4,10, um aumento de 18%; O quilo da banana teve uma alta de 11,17%, passando de R$3,49 para R$3,88; e o quilo da batata que em fevereiro custava em torno de R$2,66 e este mês passou para R$2,90, uma aumento médio de 9,02%.

Por outro lado, alguns itens sofreram redução, entre eles o quilo do frango congelado que custava em média R$7,41 e reduziu  para R$6,78, redução de 8,50%; e o quilo do feijão reduzindo de R$4,52 para R$4,03

“A pesquisa constatou muitas variações de preço de um estabelecimento para outro, por essa razão, o consumidor deve pesquisar, pois já é o terceiro aumento do ano. A equipe realiza a análise estatística e compõe uma tabela com os endereços dos estabelecimentos, com o objetivo auxiliar nessas comparações, é importante que os preços sejam analisados separadamente, assim a economia poderá ser significativa”, alertou o Coordenador Executivo do Procon Municipal, Paulo Porto.

A pesquisa completa com análise de dados, endereços dos estabelecimentos e tabela de preços está disponível ao consumidor campinense na plataforma online proconcg.com.br.

Fonte: Codecom

Authorism Theme

Jornalismo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Comunicação

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Direito

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.!

Cursos

4th one time fitness expert, wellness writer, personal trainer, group ex health coach. I am advocates of everything good in the fitness industry and of the people who make it great!

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.