Jornalismo

Profissional atuando desde 2008 no mercado, com passagem por todos os meios. Experiência, credibilidade e qualidade

Comunicação institucional

Profundo conhecimento da dinâmica e caminhos da comunicação institucional eficiente, quer no setor público, quer na esfera privada

Direito

Advogado com atuação na área cível em geral e foco em direito do consumidor, além de assessoria legislativa para supervisão e elaboração de projetos

Cursos online

Didática diferenciada, metodologia direta, clara e objetiva buscando a máxima eficiência do estudo

Blog

Estação de Gravatá não tem condições para tratar água do volume morto de Boqueirão, alerta professora da UEPB


A doutora em engenharia química e professora da Universidade Estadual da Paraíba Weruska Brasileiro fez um alerta sobre a qualidade da água do Açude de Boqueirão. Segundo ela, a Estação de Tratamento de Gravatá, por onde passa a água que é distribuída para Campina Grande e municípios do compartimento da Borborema, não tem condições estruturais para garantir o adequado processo de tratamento durante o uso do chamado “volume morto”.

“Qualquer água hoje em dia a gente tem condições de tratar, mas a questão são os riscos sanitários envolvidos nisso e o tipo de tratamento que se vai usar. A Estação de Gravatá é subdimensionada, ou seja, ela recebe uma vazão acima da sua capacidade de tratamento, e trata-se de uma estação de tratamento convencional”, afirmou Weruska.

“Quando a gente está captando o volume morto, precisa implementar esse tratamento para atender à portaria de potabilidade, porque o tratamento convencional, como o empregado em Gravatá, não tem condições de atender às exigências dessa portaria. Que existe possibilidade de tratamento, existe, agora, nas condições de Gravatá dificilmente vamos conseguir isso. Eu não sei nem que milagre eles estão realizando hoje para atender aos padrões de potabilidade”, complementou.

Conforme a doutora, a água de Boqueirão apresenta, atualmente, “uma quantidade de cloreto muito elevada – e cloreto a gente não remove com o tratamento convencional – tem excesso de matéria orgânica, tem a questão dos microorganismos resistentes ao cloro, uma possível formação das cianobactérias caso a gente tenha um excesso de matéria orgânica no manancial”.

Por outro lado, Weruska Brasileiro afirmou que não acredita que exista concentração de metais pesados nas águas do Açude Epitácio Pessoa, o que representaria um grande risco para a população. As declarações da especialista foram dadas à reportagem da Campina FM.

Authorism Theme

Jornalismo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Comunicação

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Direito

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.!

Cursos

4th one time fitness expert, wellness writer, personal trainer, group ex health coach. I am advocates of everything good in the fitness industry and of the people who make it great!

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.