Jornalismo

Profissional atuando desde 2008 no mercado, com passagem por todos os meios. Experiência, credibilidade e qualidade

Comunicação institucional

Profundo conhecimento da dinâmica e caminhos da comunicação institucional eficiente, quer no setor público, quer na esfera privada

Direito

Advogado com atuação na área cível em geral e foco em direito do consumidor, além de assessoria legislativa para supervisão e elaboração de projetos

Cursos online

Didática diferenciada, metodologia direta, clara e objetiva buscando a máxima eficiência do estudo

Blog

Em meio à crise, ônibus urbanos perdem 4% dos passageiros no país


Levantamento inédito da NTU (Associação Nacional das Empresas de Transporte Urbano) estima uma perda de 900 mil usuários por dia.

Trata-se do quarto ano seguido de queda –e a maior registrada nesta década.Esse mapeamento é feito pela entidade a partir dos dados de 16 grandes cidades (incluindo as maiores capitais), que detêm praticamente dois terços dos passageiros transportados no Brasil inteiro.

Nas duas últimas décadas, os ônibus chegaram a perder espaço diante da concorrência de outros modos de transporte –como motos e carros. A principal explicação para a queda de 2015, porém, é a crise econômica –que incentiva mais deslocamentos a pé e reduz as viagens de trabalhadores empregados.

"A pessoa nem sai mais para procurar emprego porque não acha", avalia Otávio Cunha, presidente da NTU. A diminuição do número de passageiros cria uma dificuldade adicional para prefeituras e governos estaduais, que são os responsáveis pela gestão desse sistema.

Como a receita das empresas cai, é necessário readequar as despesas delas ou aumentar tarifas para cumprir os contratos com as viações. Como a pressão contra a alta das passagens é grande e haverá eleições municipais neste ano, os desequilíbrios agravam problemas de qualidade.

Cerca de 85% dos usuários de transporte público no Brasil circulam em ônibus. Os números eram ruins no primeiro semestre de 2015, mas pioraram nos seis últimos meses do ano, quando a queda média beirou 7%. As cidades que registraram os maiores tombos no fluxo foram Curitiba (PR) e Goiânia (GO), com 8% de redução do número de passageiros. Em SP, a queda foi de 0,9%.

O levantamento indica que a queda de usuários vinha sendo mais forte nas regiões periféricas das grandes cidades (áreas mais industriais). Os números do segundo semestre, no entanto, apontam que esse problema se alastrou para as capitais (onde há mais prestação de serviços).

Prefeitos fazem pressão no Congresso por um projeto de mudança constitucional que permitiria aos municípios cobrar novo imposto sobre a venda de combustíveis para financiar as tarifas de ônibus.

Segundo cálculos da NTU, uma taxa de R$ 0,10 no combustível na cidade de São Paulo renderia R$ 600 milhões por ano –equivalentes a quase um terço dos atuais subsídios municipais aos ônibus.

Fonte: Uol

Authorism Theme

Jornalismo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Comunicação

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Direito

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.!

Cursos

4th one time fitness expert, wellness writer, personal trainer, group ex health coach. I am advocates of everything good in the fitness industry and of the people who make it great!

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.