Jornalismo

Profissional atuando desde 2008 no mercado, com passagem por todos os meios. Experiência, credibilidade e qualidade

Comunicação institucional

Profundo conhecimento da dinâmica e caminhos da comunicação institucional eficiente, quer no setor público, quer na esfera privada

Direito

Advogado com atuação na área cível em geral e foco em direito do consumidor, além de assessoria legislativa para supervisão e elaboração de projetos

Cursos online

Didática diferenciada, metodologia direta, clara e objetiva buscando a máxima eficiência do estudo

Blog

Pi, pi, pi, pi, pi...


Artista de genialidade inquestionável, Roberto Gómez Bolaños, que faleceu nesta sexta-feira, 28, deste aziago 2014, tem em sua biografia as contradições que marcam, em graus distintos, a existência de todo ser humano. Salta, por exemplo, das querelas com outros atores cujo uso dos personagens por ele criados – Chiquinha e Quico, sobretudo – tentou impedir, o ranço da mesquinhez que, no fundo, todos possuímos.

Todavia, para além das misérias humanas, Bolaños imortalizou-se no personagem que se fez maior que o autor, a criatura que sobrepujou o criador. Morreu o gênio, mas sua obra-prima, o irrequieto e apaixonante Chaves, é eterno. O autor e ator, por sinal, há muito deixou o palco, sem que essa distância abalasse a dimensão mítica da figura que construiu.

Enquanto Bolaños envelhecia, enquanto a face tornava-se flácida e disforme pelos anos e pelos problemas de saúde, “o Chaves do 8” permanecia um menino, dando saltos e tomando tombos, ágil, vigoroso e cativante. Permaneceu um menino, insujeito à ação do tempo, determinado a assim estar enquanto suas peripécias e carisma continuarem a prender gente de todas as idades em frente à TV, revendo pela enésima vez o mesmo episódio.

Disse alguém que o humor perdeu uma das suas grandes estrelas. Tremendo equívoco. Não é a graça singela e o estilo pastelão que alimentam esse impressionante fenômeno chamado Chaves. Há algo mais. Há uma graça, uma ligação sentimental, um vínculo afetuoso entre o “menino” do cortiço sem nome e seu público. Aliás, a criação do mexicano, além de rir, muitas vezes nos fez chorar. Meninos e meninas cresceram vendo o Chaves. Estes, hoje, são adultos, mas o Chaves continua o mesmo menino.

E é moleque traquino: arrebatou o coração de mais de uma geração! O humano e gênio Roberto Gómez Bolaños se foi. Chaves, porém, continua vivinho dentro daquele barril. Para nos fazer rir, um riso carregado de carinho. E nos fazer chorar, um choro carregado de nostalgia. Hoje, choramos como ele: “Pi, pi, pi, pi, pi...” Pena que você já se foi, Roberto. Foi sem querer, querendo.

Authorism Theme

Jornalismo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Comunicação

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Direito

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.!

Cursos

4th one time fitness expert, wellness writer, personal trainer, group ex health coach. I am advocates of everything good in the fitness industry and of the people who make it great!

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.