Jornalismo

Profissional atuando desde 2008 no mercado, com passagem por todos os meios. Experiência, credibilidade e qualidade

Comunicação institucional

Profundo conhecimento da dinâmica e caminhos da comunicação institucional eficiente, quer no setor público, quer na esfera privada

Direito

Advogado com atuação na área cível em geral e foco em direito do consumidor, além de assessoria legislativa para supervisão e elaboração de projetos

Cursos online

Didática diferenciada, metodologia direta, clara e objetiva buscando a máxima eficiência do estudo

Blog

Negociação não avança e comerciários solicitam nova reunião no Ministério do Trabalho

Texto de Francinete Silva
(Assessoria)

A reunião para negociar o reajuste do piso salarial e outras cláusulas econômicas e sociais dos trabalhadores no Comércio de Campina Grande e Região, realizada no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), na tarde desta quarta-feira, 29, não avançou, ficando agendada nova rodada de negociação para o dia 3 de novembro próximo (segunda-feira), às 15 horas, no mesmo local.

Representantes dos patrões e dos trabalhadores não conseguiram entendimento, tendo em vista que os primeiros foram a mais uma reunião sem avaliar a pauta da campanha salarial dos comerciários. Por esse motivo, os próprios trabalhadores solicitaram uma nova mesa-redonda de negociação, sugestão que foi acatada pelas partes, inclusive pelo mediador do Ministério do Trabalho.

O sindicato da categoria, que solicita um aumento de 17,41%, esperava dos empregadores contrapropostas para fechar a pauta em blocos, o que não aconteceu. Atualmente os comerciários recebem o piso no valor de R$ 763. Caso seja concedido o aumento, a categoria ficará com o piso em torno de R$ 900.

De acordo com informações do presidente do Sindicato dos Comerciários, José do Nascimento Coelho, o reajuste solicitado tem como referência o crescimento do comércio da Paraíba, registrado nos últimos 12 meses, que foi de 11,30%, aliado ao índice da inflação do período (6,38%).

O sindicalista criticou o fato dos patrões, através de suas assessorias jurídicas, não terem  analisado a pauta dos trabalhadores, num total desrespeito ao processo da Campanha Salarial, que vem se arrastando há um mês. “Neste momento não faz sentido o empregador alegar dificuldades financeiras como argumento para não conceder o aumento salarial aos seus empregados”, disse Coelho.

O sindicato solicita ainda o tíquete-refeição para todos os trabalhadores no valor de R$ 10; 14º salário (participação nos lucros e resultados); aviso prévio de 60 dias para todos os trabalhadores; estabilidade de 90 dias para as comerciárias, após a licença maternidade, entre várias outras demandas.

Authorism Theme

Jornalismo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Comunicação

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Direito

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.!

Cursos

4th one time fitness expert, wellness writer, personal trainer, group ex health coach. I am advocates of everything good in the fitness industry and of the people who make it great!

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.