Ministério Público Federal ajuíza ação contra 13 deputados "infiéis", entre eles Wilson Filho


O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou à Justiça nesta quinta-feira (28) ações para cassar o mandato de 13 deputados infiéis. Na lista estão nomes como Walter Feldman e Alfredo Syrkis, políticos próximos à possível candidata à Presidência, Marina Silva.

São alvos do processo os parlamentares que se aproveitaram de uma brecha nas regras de fidelidade partidária --o ingresso em legendas recém-criadas é permitido-- para mudar a uma nova sigla e, depois, migrar novamente a um partido tradicional. O Pros e o Solidariedade, criados neste ano, foram usados como caminho maneira de chegar à outra legenda.

Para explicar as ações, o procurador usou uma metáfora. Disse que um voo entre Brasília e Fortaleza (CE), com escala em Salvador (BA), é um voo entre Brasília e Fortaleza. Por isso, quem "foi de um partido ao outro fazendo uma escala" terá de responder a ações por infidelidade, disse.

 Janot declarou a intenção de ingressar com as ações logo após a abertura de um encontro entre os procuradores regionais eleitorais para tentar criar uma linha de atuação para o Ministério Público nos diferentes Estados. A ideia é evitar que condutas semelhantes adotadas por candidatos sejam alvo de ação num determinado Estado e não em outros.

O procurador-geral disse que o "ponto focal" da atuação do Ministério Público nas eleições do ano que vem deve ser o combate ao financiamento ilícito das campanhas. Além disso, o Ministério Público também deve estabelecer critérios para a propaganda antecipada.

MENSALÃO

Questionado sobre o processo do mensalão, Janot disse nesta quinta que está priorizando o envio de pareceres ao STF (Supremo Tribunal Federal) em relação aos réus que já estão presos. Ele não indicou, no entanto, se usará todo o prazo que tem para se posicionar sobre os demais.

O presidente do STF, Joaquim Barbosa, aguarda uma posição de Janot para decidir se enviará à prisão condenados como os deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT), ou se precisará levar seus recursos para a deliberação do plenário.

Veja quais deputados foram acionados nesta quinta:

José Humberto Soares - MG
Stefano Aguiar dos Santos - MG
Paulo César da Guia Almeida - RJ
Wanderley Alves de Oliveira - RJ
Walter Meyer Feldman - SP
Luiz Hiloshi Nishimori - PR
Silvio Serafim Costa - PE
José Wilson Santiago Filho - PB
Alfredo Helio Syrkis - RJ
Paulo Henrique Ellery Lustosa da Costa - CE
Paulo Roberto Gomes Mansur - SP
Francisco Evangelista dos Santos de Araújo - RR
Cesar Hanna Halun - TO

Fonte: Folha

Nenhum comentário

.