Jornalismo

Profissional atuando desde 2008 no mercado, com passagem por todos os meios. Experiência, credibilidade e qualidade

Comunicação institucional

Profundo conhecimento da dinâmica e caminhos da comunicação institucional eficiente, quer no setor público, quer na esfera privada

Direito

Advogado com atuação na área cível em geral e foco em direito do consumidor, além de assessoria legislativa para supervisão e elaboração de projetos

Cursos online

Didática diferenciada, metodologia direta, clara e objetiva buscando a máxima eficiência do estudo

Blog

Editorial do Jornal da Rede de 12 de novembro de 2013: "Quem paga"


A política paraibana gira, gira, e os discursos sempre acabam voltando ao mesmo ponto. Os argumentos dos nossos caciques políticos são parecidos e previsíveis. E uma das práticas mais comuns é tratar ações e obras públicas como presentes, benesses resultantes do bom coração dos gestores públicos.

Daí para a briga pela paternidade das obras e programas públicos é um pulo. Quem, afinal, construiu o Hospital de Trauma de Campina Grande? Quem calçou ou asfaltou a maioria das ruas da cidade? De quem será o mérito da duplicação da Avenida Argemiro de Figueiredo? A disputa é acirrada. Não por acaso, o Canal de Bodocongó, última grande obra estruturante da cidade, tem mais pai do que gato.

Essa arenga toda não é outra coisa a não ser produto do coronelismo que ainda marca a política em boa parte do Brasil, sobretudo no Nordeste, onde oligarquias se enfrentam em lutas encarniçadas e promovem rodízios no poder.

No passado, os coronéis permitiam que pais e mães de família sedentos levassem alguns litros de água barrenta dos reservatórios construídos pelo poder público no interior de suas fazendas, com recursos públicos, evidentemente, e exigiam das massas ignorantes a eterna gratidão.

Hoje, o neocoronelismo ampliou as fronteiras e, na boca de alguns políticos, qualquer mão de cal no meio-fio é um presente dado ao povo. Quem deu o presente? Quem prestou o favor? Quem construiu? Quem fez? Quem?! Quem?!

O povo precisa saber que quem fez foi o povo. Quem pagou foi o povo. Quem construiu foi o povo. A obra foi paga, cada centavo, pelos impostos sufocantes que esgoelam a maioria absoluta da nação, inclusive o pobre mais humilde. Impostos quase onipresentes, no alimento, no remédio, no material escolar.

Político não faz favor, não dá presente. Quando trabalha bem, apenas cumpre o que é seu estrito dever. E pronto! Não importa se os recursos vêm do Governo Federal, dos estados ou dos municípios. A origem real é a mesma: o bolso do contribuinte. É o brasileiro que banca tudo, com o suor do seu rosto.

Não importa quem mandou fazer. Não importa quem assinou a ordem de serviço ou descerrou a placa inaugural. Importa quem paga. E quem paga é você, sou eu, somos nós. Quem paga é o povo. O povo, afinal, paga tudo. Tudo! Inclusive o pato.

Authorism Theme

Jornalismo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Comunicação

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua.!

Direito

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat.!

Cursos

4th one time fitness expert, wellness writer, personal trainer, group ex health coach. I am advocates of everything good in the fitness industry and of the people who make it great!

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.