Ao pregar perdão a agressores de mulheres, autor de homenagem a Maria da Penha recebe vaias e resposta dura

Ivonete, Maria da Penha e Jóia. Imagem: Josenildo Costa/CMCG

O vereador Jóia Germano (PRP), autor, ao lado de Ivonete Ludgério (PSB), do projeto de concessão do título de cidadania campinense à militante do combate à violência contra a mulher Maria da Penha, passou por um constrangimento no momento de um rápido pronunciamento que fez durante a sessão.

Ao receber das mãos da própria Maria da Penha uma homenagem em forma de troféu, concedida a autoridades que se destacam na luta pelo direito feminino e o confrontamento à violência contra as mulheres, Jóia, falando na primeira pessoa do plural, defendeu o perdão aos homens que tenham praticado atos de violência.

“Isso é uma reflexão para aqueles homens que erraram, que agrediram as mulheres. Todo mundo tem seu perdão e, às vezes, a gente faz alguma atitude e reconhece os seus erros”, disse Jóia, provocando imediata reação das galerias, lotadas por mulheres, que passaram a vaiar o vereador, que, desconcertado, logo encerrou sua fala. Algumas mulheres gritaram, das galerias: “Violência não tem perdão”.

Mas, o constrangimento não parou por aí. Em seguida, foi a vez da secretária-executiva de Educação do Município, Iolanda Barbosa, receber a homenagem, em nome da primeira-dama, Micheline Rodrigues, que não pôde comparecer. Em sua fala, sem citar nomes, Iolanda bateu:

“Concordo quando foi dito que violência não tem perdão. Violência tem punição. A violência contra a mulher não pode ser considerada um fato natural”. As galerias, desta vez, aplaudiram veementemente.

Nenhum comentário

.