Nelson e Napoleão protagonizam violento bate-boca durante sessão desta quarta na Câmara Municipal

A sessão ordinária desta quarta-feira, 16, na Câmara Municipal de Campina Grande acabou marcada por um bate-boca muito violento entre os vereadores Napoleão Maracajá (PC do B) e Nelson Gomes Filho (PRP), presidente do poder legislativo, com participação de Pimentel Filho (PROS).

Tudo começou quando Napoleão reclamou porque Nelson teria se recusado a deixá-lo se pronunciar na sessão do dia anterior, quando o prefeito Romero Rodrigues esteve na Casa, assinando ordens de serviço e projetos que deverão ser apreciados pelo poder legislativo. O vereador do PC do B queria se contrapor ao prefeito.

“Ontem (Nelson) cassou a minha fala. Vossa excelência não tem o direito, não tem a prerrogativa de cassar a palavra de parlamentar nenhum. Vossa excelência faltou com o respeito não ao parlamentar Napoleão Maracajá, mas aos professores e todos aqueles que queriam ouvir de nós uma fala alusiva a tudo o que foi falado ontem”, disse Napoleão.

E ele complementou, batendo pesado. “Vai aqui o meu repúdio à sua prática autoritária de ontem, vossa excelência não tem a prerrogativa de cessar a voz de vereador, até porque isso nem regimental é”, concluiu. Houve, em seguida, bate-boca entre os dois e Nelson, transtornado, acabou saindo do plenário. Mas, voltou e rebateu o colega.

“Houve um acordo, que não é regimental, para que cada vereador tivesse a palavra por dois minutos. Mas, o primeiro-secretário Pimentel Filho, o vice-presidente Murilo Galdino e a líder da bancada majoritária Ivonete Ludgério acordaram que não seria permitido, porque em sessão especial não é regimental”, justificou Nelson.

Depois, o presidente subiu o tom. “Prefiro sair daqui e deixar meu mandato. Mas, não levo um desaforo para casa. Se o senhor me respeitar, eu lhe respeitarei. Mas, saiba que o único homem de quem tive medo na vida foi do meu pai, e hoje só temo a Jesus Cristo. Não levo desaforo para casa”, completou.

Pimentel Filho, por sua vez, acusou Napoleão de burlar a fila de pronunciamentos no pequeno expediente, assinando para ser o terceiro, quando o espaço para o primeiro e o segundo oradores não estava ainda preenchido. A prática, por sinal, é comum na Câmara Municipal.

3 comentários

Anônimo disse...

Napoleão o novo João Dantas, ridiculo.

Anônimo disse...

Napoleão é de luta! defende o povo, sendo assim, incomoda muita gente nessa Camara pelega que temos!

Anônimo disse...

Napoleão, um porta-voz do povo que querem calar! Ridícula é a atitude dessa direita SUJA que está fazendo FEDER a câmara!!

.