Para Lafite, dificuldade no processo de recadastramento biométrico poderá reduzir eleitorado de CG


“Se não forem adotadas algumas providências, com certeza o número de eleitores aptos a votar nas eleições do ano que vem cairá expressivamente em Campina Grande”. A afirmação é do vereador Hércules Lafite (PSC), que protocolou requerimento no legislativo municipal solicitando que o Tribunal Regional Eleitoral disponibilize servidores para a implementação de um serviço itinerante de recadastramento biométrico nas comunidades carentes e setores rurais da cidade.

“Estive visitando algumas localidades da zona rural e quase ninguém fez o recadastramento. Algumas pessoas sequer têm o dinheiro do ônibus e outras reclamam que, com a demora no fórum, podem perder a condução de volta para casa, já que algumas dessas localidades só são atendidas por ônibus algumas horas do dia”, declarou o vereador do PSC.

Lafite revelou que algumas pessoas pedem que os vereadores disponibilizem veículos para a locomoção até o fórum eleitoral de Campina Grande. “A gente explica que não pode, que a justiça não permite, mas é preciso que o TRE faça alguma coisa, se não a cidade vai ficar prejudicada. Meu requerimento deverá ser votado em regime de urgência na terça e vamos esperar uma ação do tribunal", complementou o vereador.

A solicitação da Lafite se incorporará a várias outras já apresentadas na Câmara Municipal. Recentemente, os vereadores discutiram a possibilidade de pedir uma audiência com o presidente do TRE/PB, desembargador Marcos Cavalcanti de Albuquerque, para solicitar o aumento no número de postos de atendimento para o processo de recadastramento biométrico na cidade, hoje restrito apenas ao fórum eleitoral.

Apesar da queixa de vereadores e dos eleitores, uma boa notícia foi divulgada no início da semana. Uma parceria entre o TRE e a Universidade Estadual da Paraíba deverá garantir a abertura do primeiro posto de atendimento fora das dependências da justiça eleitoral na cidade. O presidente do Tribunal se reuniu com o reitor Rangel Júnior, que ofereceu a estrutura física e servidores da universidade para colaborar no processo de recadastramento.

De acordo com o diretor de Tecnologia da Informação do TRE, Leonardo Lívio, inicialmente a idéia é que o posto no campus de Bodocongó atenda a cerca de vinte pessoas por hora, com o acompanhamento de equipes do fórum eleitoral. De acordo com os balanços divulgados pelo TRE, apenas um quinto dos mais de 280 mil eleitores de Campina Grande realizou o recadastramento até agora. O prazo estabelecido pelo TSE se encerra no dia 21 de março do ano que vem.

Nenhum comentário

.