A dialética caduca de Doda de Tião

“Zé Maranhão está equivocado e quase caducando mesmo. A gente não pode aceitar essas coisas que ele diz”. A declaração, transcrita de matéria publicada no portal Paraíba Online, teria partido do deputado estadual Doda de Tião. O contexto, nesse caso, não importa. O assunto central da matéria, tampouco.

O que importa – e impressiona – é ver um deputado estadual usando tal palavreado, à guisa de argumento, como resposta a uma discussão. Um palavreado que desrespeita alguém por conta da sua idade. Pelas palavras de Doda, quem tem idade é caduco, logo, portanto, indigno de atenção ou de respeito.

José Maranhão não é um primor de oratória – Doda, por sinal, menos ainda. Bem menos ainda. José Maranhão não foi um grande governante (o terceiro mandato foi uma lástima, uma vergonha, um escândalo), e a prova disso é que foi rechaçado pelo povo, nas urnas, duas vezes (sem contar o pleito de 2012), de forma categórica. Mas, tenha sido como for, chegou onde o jovem deputado de Queimadas jamais chegará.

E, ademais, se houvesse uma competição que medisse capacidade, o que diria a bolsa de apostas? É tão óbvio que nem se faz necessário responder.

O deputado Doda de Tião, na verdade, usou tal “argumento” para rechaçar Maranhão, justamente porque não demonstra conteúdo para elaborar um raciocínio inteligível, sensato e coerente. Daí, veio de pronto a dialética grosseira, o raciocínio do ataque à pessoa, da desqualificação.

Os cabelos brancos de um homem não deveriam servir de motivo para que alguém, ainda mais um deputado, o ofenda. Pelo contrário, deveriam ser razão de moderação na linguagem. Estou longe de ser admirador do ex-governador José Maranhão. Muito longe. Mas, as pessoas merecem respeito. Argumento se combate com argumento.

Quem não pode argumentar, que se cale. Afinal, nem só os velhos caducam...

3 comentários

Anônimo disse...

Tudo que vc falou e verdade, a falta de dialetica desse deputado mostra o quanto a populacao ainda precisa se informar melhor na hora de votar para poder escolher governantes com um minimo de educacao!! Se e assim que ele se refere ao seu correligionario, imagina como se refere as pessoas humildes que chegam ate ele fora do tempo de eleicao? Podemos imaginar!!!

Anônimo disse...

Para quem não conhece a família Tião do Rego de Queimadas pode achar que o acontecido foi um caso isolado, mas longe disso. Grosseria, xingamentos e maus tratos fazem parte da personalidade desse individuo e todos os seus irmãos, a exemplo do ex-prefeito de Queimadas, Carlinhos de Tião, onde o mesmo perdeu no último pleito, não somente pela péssima administração, mas também pela sua forma de tratar os mais humildades e aqueles que não lhe apoiava, politicamente falando.

Anônimo disse...

eles tem uma boa formaçao pra tomar conta de boi e de cavalo,e se brincar boi e cavalo nao fala nao podem reclamar

.