Propriedade de ex-deputado vai virar parque ecológico em Campina dez vezes maior que a Bica

Uma área de 100 hectares cujas delimitações são as antigas fazendas Itararé e Ligeiro será transformada no Parque Ecológico de Campina Grande. O terreno foi doado à Fundação Universitária de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Furne) ainda em vida pelo jurista, ex-deputado e agropecuarista Aluísio Afonso Campos (foto), que morreu em 2002. A criação do parque foi alvo deuma audiência realizada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB).

A audiência aconteceu na última sexta-feira, 17, com as presença do presidente do Conselho Diretor da Furne, José Ataíde da Silva, de representantes da Sudema e de organizações ambientais não-governamentais ao local para dar informações técnicas sobre o que será o Parque Ecológico, que levará o nome do ex-deputado Aluísio Campos. A condução foi realizada pelo promotor de Justiça do Meio Ambiente, José Eulâmpio Duarte.

O presidente da Furne explicou que a área já arborizada receberá um amplo reforço de mudas de plantas nativas, passará por uma completa catalogalização de identificação das espécies e será toda cercada com postes de alvenaria com arames adequados à segurança patrimonial do espaço.

Para efeitos comparativos em termos de área, o Parque Ecológico Aluísio Campos será dez vezes maior do que o atraente Parque Arruda Câmara, mais conhecido como a “Bica”, localizado em João Pessoa, que anualmente atrai milhares de visitantes, tanto nativos como de outras regiões brasileiras.

De acordo com o testamento deixado pelo ex-deputado Aluísio Campos, o espaço destinado à implantação de Parque Ecológico de Campina Grande se limitava a 18,5 hectares, enquanto a gleba doada por ele à Furne chega aos 200 hectares. De forma consensual, os membros do Conselho resolveram destinar mais 81,5 hectares ao projeto ambiental. Documentos para regularizar essa decisão já estão sendo providenciados.

A partir daí, vai começar a parte operacional para a formatação do santuário ecológico de Campina Grande, inclusive, com a formalização de parcerias com órgãos ambientais estaduais e federais que possam se transformar na aquisição de recursos para a execução do empreendimento.

Além da Furne e da Promotoria do Meio Ambiente, já estão envolvidos nos projeto a Superintendência de Desenvolvimento do Meio Ambiente (Sudema), a Associação Paraibana dos Amigos de Natureza (APAN), com o apoio logístico do professor doutor ambiental Talden Farias.

Ascom MP

Nenhum comentário

.