Pesquisa Correio/Consult: normal para Daniella e Romero, ruim para Tatiana, boa para Guilherme

A pesquisa Consult publicada pelo Correio da Paraíba sobre a intenção de voto para prefeito de Campina Grande teve como principal destaque o desempenho da pré-candidata do PMDB, Tatiana Medeiros.

Não há qualquer novidade no topo da tabela, com a deputada estadual Daniella Ribeiro liderando, com 27,69% das intenções de votos, seguida bem de perto pelo deputado federal Romero Rodrigues, com 24,92% - cenário de empate técnico.

Tatiana aparece em terceiro, com 11,69%. Aliados da peemedebista procuraram comemorar o resultado, apontando o crescimento da secretária municipal em relação a pesquisas anteriores e lembrando que a definição do seu nome se deu apenas no início deste ano.

Mas, a comemoração é mera retórica. Nenhum dos pré-candidatos, nem mesmo aqueles que detêm mandato, sequer chegou perto de ter a exposição que Tatiana Medeiros acumulou nos últimos meses. Além de estar diariamente na mídia, inclusive nos veículos de massa, a secretária participa quase que todos os dias de eventos públicos, como inaugurações de reformas de postos de saúde.

Por tudo isso, Tatiana Medeiros já deveria apresentar um desempenho melhor. Mas, além do percentual aquém do que seria esperado, a secretária ainda enfrenta um outro problema, o segundo maior índice de rejeição, 11,5%. A soma dos dois fatores ameaça criar um teto baixo, um limite frágil de crescimento para a secretária, deixando sua pré-candidatura em dificuldades.

Daniella e Romero

A liderança de Daniella Ribeiro é natural. Ainda em 2010, quando era vereadora e teve seu nome cotado para ser candidata a vice-governadora, a deputada já despontava como provável candidata a prefeita. Sua pré-candidatura é a mais tranqüila, porque Daniella tem o partido nas mãos, não sendo ameaçada por outras pretensões, ao contrário do que acontece com seus principais adversários.

Os problemas para a filha do ex-prefeito Enivaldo Ribeiro devem começar com a campanha, sobretudo se o PP não conseguir formar um bom quadro de aliados.

Para Romero Rodrigues, o resultado foi satisfatório. O deputado tucano tem uma tendência lógica de crescimento a partir da campanha, com a confirmação do seu nome para a disputa e o apoio de aliados de peso, sobretudo o senador Cássio Cunha Lima.

Guilherme

O desempenho de Guilherme Almeida, que aparece em quarto lugar, com 5,85% das intenções de votos, foi positivo. O deputado estadual do PSC não é tão popular quanto deveria ser em Campina, e sua candidatura ainda é uma grande incerteza, sobretudo pela ameaça de ruir por conta de uma eventual composição entre as cúpulas do PMDB e do PSC. Esses 5,85% são patrimônio de Guilherme, e não repasse de padrinhos.

Os demais

De acordo com a Consult, o vereador Fernando Carvalho soma apenas 1,54% das intenções de voto. Um índice fraco para um vereador bastante conhecido na cidade. A reitora da UEPB, Marlene Alves, bem menos conhecida, aparece com 1,08%. Um dos fatores que pesam contra Carvalho é a incredulidade a respeito de sua postulação.

Outro é o fato de a mudança na sua postura política (e seu discurso) ter passado por uma mudança tão radical recentemente.

Os parcos 0,31% atribuídos a Alexandre Almeida nada mais são que algum crédito ao PT. Artur Almeida, o Bolinha, soma apenas 0,15% porque é um candidato ainda desconhecido e com pouca personalidade política. Justamente por isso é o mais rejeitado – e o apelido, “Bolinha”, é um tiro no pé para um pré-candidato pouco conhecido.

Nenhum comentário

.