Flávio Romero não será candidato a reitor. Harrison Targino deve concorrer, mas sem chances

O professor Flávio Romero, secretário de Educação do Município, teria desistido de disputar mais uma vez a reitoria da Universidade Estadual da Paraíba. Ex-vice-reitor, Flávio foi derrotado por Marlene Alves em 2004, e até recentemente não escondia a intenção de participar das eleições deste ano, previstas para acontecer em maio.

Ele alega que o cenário atual em torno da campanha pela reitoria estaria muito confuso, até mesmo com a divisão de antigos aliados, e crê que entrar na briga seria tumultuar ainda mais o processo. Com isso, o professor deve mesmo focar suas atenções nas eleições para a Câmara Municipal. Flávio é um dos candidatos do círculo pessoal do prefeito Veneziano, e tem tudo para assegurar a conquista de uma cadeira na Casa de Félix Araújo.

Já na eleição para a reitoria, suas chances seriam bem menores. Apesar de ser um nome respeitado no meio acadêmico, Flávio Romero tem estado muito mais ligado, nos últimos anos, à política municipal que à política interna da UEPB.

Além disso, seus vínculos com o PMDB não ajudam. Afinal, apesar de, no momento, a cúpula do partido assistir de camarote ao confronto da universidade com o Governo do Estado, o histórico da sigla do ex-governador José Maranhão em relação à UEPB é tumultuado, por episódios conhecidos (como a greve de fome dos professores), diante dos quais os atuais líderes peemedebistas, alguns hoje vigorosos defensores da Estadual, silenciaram.

Harrison

O secretário da Administração Penitenciária do Estado, Harrison Targino, estaria prestes a deixar o cargo para se dedicar às eleições para a reitoria – a exoneração pode acontecer na semana que vem. É outra figura respeitada no meio acadêmico, mas que, assim como Flávio Romero, há muito tem estado mais ligado a política além-campus.

Além disso, na condição de secretário do governo Ricardo Coutinho, Harrison inevitavelmente seria tomado na conta de um candidato de intervenção, o que pulveriza de todo as suas chances, sobretudo nesse momento de profunda crise entre o governo e a reitoria.

Aliás, a única possibilidade aparente de um governista conquistar a reitoria seria através de uma intervenção direta do estado, impondo um nome em detrimento ao resultado do processo eleitoral interno, coisa inimaginável.

Um comentário

Anônimo disse...

Senhor Lenildo.
Conheço a UEPB de perto e por dentro. Fiquei impressionada com sua capacidade de interpretação do cenário eleitoral da UEPB e as postulações dos dois candidatos Flávio Romero e Harrison Targino.
Paçõe até que conversou com eles e estudou a fundo a instituição.
Parabéns! Em minha opinião é o retrato fiel do processo. Espero que o segundo não queira virar interventor... Seria o cúmulo.
Obrigada.
Maria do Socorro Souza Martins.

.