PRÊMIO AO COMODISMO

Há um lamento generalizado entre representantes do comércio na Paraíba por conta da decisão (provisória) do STF de suspender a chamada bitributação, que tentava reduzir o volume de compras pela internet, através da cobrança da diferença do ICMS. Dá para entender o sentimento dos empresários, mas não para concordar. Primeiro porque, a despeito do papel essencial que o comércio desempenha no cenário econômico e na geração de empregos na Paraíba, a liberdade do consumidor não pode ser restringida desta forma. Apenas este aspecto seria suficiente para refutarmos a bitributação. Mas, há ainda outro ponto a ser considerado: a postura do comércio local.

Engana-se redondamente quem pensa que as pessoas compram pela internet apenas de olho no menor preço. Há, na verdade, outros dois fatores que pesam na opção pelo comércio eletrônico: o acesso a produtos não disponíveis no mercado local e o conforto e praticidade na pesquisa e na compra. Vamos nos deter neste segundo fator, que é preponderante. Na Web, em minutos é possível pesquisar, comparar preços, encontrar depoimentos e análises de qualidades e defeitos, aprimorando a compra. Enquanto isso, aqui, é necessário gastar muita sola de sapato, perder tempo, sofrer com o trânsito e enfrentar longas filas para pesquisar produtos e preços, comprar e pagar.

A desvantagem é imensa. Se as empresas locais investissem em e-commerce, certamente o prejuízo sofrido diante da internet seria reduzido substancialmente. É claro que isso tem um custo, mas que está longe de ser algo inviável (muito pelo contrário) e que implica, na verdade, em investimento com retorno certo. Todavia, quando se fala em otimização do atendimento e em novas tecnologias, há um comodismo generalizado entre os comerciantes paraibanos, de sorte que restringir as compras pela internet, além de ferir a liberdade do consumidor, seria um prêmio a esse comportamento inerte e obsoleto dos empresários – que só mesmo a pressão da concorrência poderá quebrar.

Confirmação

O prefeito Veneziano Vital do Rêgo deve anunciar hoje o nome da secretária Tatiana Medeiros como pré-candidata do PMDB à prefeita. A decisão “científica”, por meio de pesquisas, desagradou profundamente aos outros pré-candidatos do partido.

Futuro

Até aqui, a pergunta que se fazia era quem seria o pré-candidato oficial do PMDB. Com a iminente definição, daqui para junho, o questionamento muda: a pré-candidatura será confirmada, ou seja, convertida em candidatura, independente do que mostrarem as pesquisas, mesmo que o nome escolhido não decole? A aposta do Diário Político: não.

Repercussão

Um projeto de mudança dos nomes de quatro cidades, que teria sido um equívoco de um assessor, e que o deputado estadual Adriano Galdino acabou subscrevendo sem perceber, virou motivo de piada em todo o estado após ser vetado pelo governador.

Confusão

O projeto propunha mudar o nome de Matinhas para “Capital da Tangerina”, Princesa Isabel para “Capital da Mandioca”, Areial para “Capital da Batatinha”, e Pocinhos “Capital do Avicultor”. A intenção de Adriano Galdino, porém, segundo outro assessor, seria tão somente ligar oficialmente os títulos aos nomes das cidades, e nunca alterá-los.

O detalhe

Pior que o suposto erro do assessor e a subscrição do deputado é a matéria ter ido a votação, sendo aprovada sem que o próprio autor ou algum dos seus pares questionasse o teor.

Calendário

Moradores do bairro de Bodocongó acordaram neste domingo pensando já estarmos em julho, a partir de quando (especificamente do dia 06) estará liberada a campanha de rua.

Em campanha

É que um pré-candidato a vereador (que já foi suplente e chegou a assumir interinamente o mandato) passou parte da manhã circulando com seu carro de som pedindo votos.

Comando

Aprovada pela Câmara em 2010, a Guarda Municipal de Campina Grande está sendo formada. Todavia, antes de entrar em ação, já pode enfrentar uma mudança de comando.

Publicado no DB de hoje

Nenhum comentário

.