O POVO TRABALHA

O competente editor Linaldo Guedes, que responde interinamente pela coluna do seu irmão Nonato Guedes no Diário da Borborema e em O Norte, registrou ontem a reclamação dos vereadores de João Pessoa pela ausência da população no cotidiano daquele parlamento-mirim. No artigo “Sobrou para o povo”, Linaldo registra fala do pepista Durval Ferreira, presidente da CMJP, que choraminga: “As pessoas, nas ruas, criticam a classe política e as casas legislativas, mas não participam, efetivamente, das discussões importantes que envolvem os mais variados segmentos da sociedade”. A reclamação é igualzinha àquela que vereadores de Campina volta e meia fazem.

À primeira vista, a cobrança dos nossos insignes legisladores à população parece ser justa e legítima. Parece, mas não é. É verdade que os cidadãos precisam ser mais atentos ao cotidiano dos parlamentos e que a democracia não se restringe ao voto. Por outro lado, há um fator evidente que impede as galerias das câmaras de vereadores de João Pessoa, Campina Grande, Coxixola e qualquer outra cidade de se manterem lotadas. É que, ao contrário dos parlamentares, que vão trabalhar quando querem, se quiserem, chegando e saindo a hora em que lhes dá na telha, a grande maioria dos cidadãos precisa trabalhar para sustentar suas famílias. O povo, senhores, trabalha!

As pessoas não podem largar suas atividades para pastorarem vereadores. E parlamentar nenhum tem autoridade para cobrar do povo mais atenção ao legislativo. Cabe às câmaras municipais, a exemplo do que já faz o Congresso, proporcionar ao cidadão as ferramentas para acompanhamento da atividade parlamentar. Com o advento da internet, tudo ficou mais fácil e barato. É possível transmitir as sessões, montar arquivos com projetos, discursos, votações, prestação de contas, relatórios de freqüência e tudo mais que for necessário. Não se faz porque não há interesse, porque seria o mesmo que desnudar o rei, revelando a ineficácia da maioria absoluta dos mandatos.

Quem sabe

O presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Nelson Gomes Filho, já estaria estudando a possibilidade da ampliação do portal da Casa na internet, com a implantação de uma agência de notícias com serviços multimídia. Tem um ano para isso.

Advogado

Preocupado em defender o governo Dilma Rousseff, o deputado estadual Anísio Maia nega que as obras de transposição do Rio São Francisco estejam paralisadas. Ele garante que as obras “só” estão mais lentas por conta das apurações realizadas pelo Tribunal de Contas da União. Ou seja, não pararam após as eleições. “Apenas” estão quase paradas.

Correspondência

O vereador Cassiano Pascoal solicitou à presidência da Câmara que envie ao gabinete do deputado federal Romero Rodrigues uma cópia das emendas aprovadas pelos vereadores ao Projeto de Lei que instituiu o PCCV dos servidores da Secretaria de Saúde.

O caso

Na semana passada, Romero Rodrigues criticou a decisão dos vereadores de oposição de votar a favor do PCCV. O deputado também disse – e sua fala foi corroborada pelo Sintab – que as emendas aprovadas não atendiam às necessidades dos servidores. Cassiano não gostou das críticas do tucano e o acusou de desconhecer o teor do Plano.

Sem assunto

Cumprindo penosamente seu papel, a assessoria do PT/CG tenta, todos os dias, por o pré-candidato a prefeito Alexandre Almeida na mídia. Mas, faltam assuntos relevantes.

Generalidades

As matérias são do tipo: “Alexandre apóia campanha contra as drogas”; “Alexandre lamenta morte de Maurício Simões”; “Dirigente do PT torce por recuperação de Lula”.

Saúde, Martins

O gari mais famoso de CG, Martins da Cachoeira, não vai mais ser candidato a prefeito. Ele está enfrentando um tratamento de saúde, mas promete se “recuperar para voltar à luta”.

No clima

Com a chegada do Natal, nossa Câmara Municipal parece encarnar o espírito do Papai Noel, intensificando a distribuição de presentes em forma de homenagens e honrarias.

Publicado no DB desta quarta, 14 de dezembro

Nenhum comentário

.