GUILHERME SE DIZ SEGURO

O gesto da deputada federal peemedebista Nilda Gondim, pedindo licença da Câmara dos Deputados para que o primeiro suplente, Leonardo Gadelha (PSC), assuma, tem um significado que se enquadra muito bem no rol do que se pode classificar como óbvio ululante. É só ligar os pontinhos. Leonardo é filho do ex-deputado e ex-senador Marcondes Gadelha, que, por sua vez, é o chefe todo poderoso do PSC estadual, e o PSC tem pré-candidato a prefeito em Campina Grande, o deputado estadual Guilherme Almeida. O resultado dessa ciranda é evidente (para não sermos repetitivos dizendo que é “óbvio ululante”): a postulação de Guilherme está sob gravíssima ameaça.

O PSC paraibano podia mudar de sigla, virar PFG (Partido da Família Gadelha), porque, sob a mão de ferro de Marcondes, a legenda busca prioritariamente atender às demandas do ilustre clã – como, aliás, acontece com tantos outros partidos na Paraíba. Basta lembrar que, no governo Maranhão III, o PSC entregou um cargo do primeiro escalão a um petista que, não por coincidência, era um Gadelha (Renato). Guilherme, por sua vez, orgulha-se de ser descendente de Argemiro de Figueiredo, além de neto de Elpídio de Almeida e filho de Orlando Almeida, e, mesmo não sendo dos Gadelha, garante estar tranqüilo e assegura que sua pré-candidatura a prefeito se mantém.

Ao Diário Político, o deputado disse que a licença de Nilda representa um gesto de reconhecimento à importância de Leonardo, que somou votos que ajudaram na sua eleição. Para Guilherme, o gesto não representa uma ameaça de manobra. “Sou candidato a prefeito aliado de Veneziano e, no momento em que ele fortifica o PSC com a posse de Leonardo, está fortalecendo a nossa candidatura. Então, vejo com um sentido contrário, vejo que Veneziano está dando mais substância ao nosso partido”, ponderou. Apesar de Marcondes Gadelha ter sinalizado com uma aliança PSC/PMDB já no primeiro turno, Guilherme marca terreno: só com o PSC na cabeça da chapa.

Esperança

Guilherme Almeida declarou à coluna que as pesquisas o deixam num “cenário confortável”. “Do grupo de Veneziano, o meu nome, em todos os cenários, é o primeiro lugar”. O deputado não nega que ainda espera contar com o apoio do prefeito em 2012.

Fraternidade

“Se o nome escolhido pelo prefeito não surtir o desempenho esperado, e o cenário nos apontar na frente dos demais, nada mais natural do que haver uma composição”, avalia Guilherme, que garante não haver qualquer abalo entre ele e o prefeito “A relação entre o PSC e o PMDB, entre Veneziano e Guilherme, é uma relação fraterna, é de irmão”.

Dia de trabalho

Atendendo a convocação do presidente Nelson Gomes Filho, os vereadores realizarão hoje sessão extraordinária para apreciar várias matérias, com destaque para a Lei Orçamentária Anual. Importante: ninguém recebe o famoso jetom pela sessão extra.

Pendências

A LOA 2012 recebeu 31 emendas, mas a maioria deve receber parecer contrário do presidente da Comissão de Orçamento e Finanças, vereador Antônio Pereira. Uma das pendências para votação da LOA era o conjunto de emendas aprovadas na Câmara ao PCCV da Saúde. Resta a dúvida sobre se estas modificações serão vetadas pelo executivo.

Bicicleta

A Câmara ainda deve apreciar na sessão extraordinária de hoje o projeto de autoria do vereador Olimpio Oliveira (PMDB), que cria o Sistema de Mobilidade por Bicicleta.

89 anos

Se vivo estivesse, o “mártir do dever e da coragem” Félix Araújo teria completado ontem (22) 89 anos. Félix nasceu em Cabaceiras, em 1992, e morreu em CG, em 1953.

História

Patrono da Câmara Municipal de Campina Grande, Félix foi mortalmente ferido quando apurava supostas irregularidades praticadas pela gestão do então prefeito Plínio Lemos.

Sem clima

É Natal. Todavia, nem mesmo o espírito natalino tem amainado os ânimos na relação do prefeito Veneziano com o governador Ricardo Coutinho. Prenúncio do que virá em 2012.

Publicado no DB de hoje

Nenhum comentário

.