A CRÍTICA SEM FUNDAMENTO. E MAIS: FALCÃO AMEAÇA ROMPER COM GOVERNO DO ESTADO E IVONETE CRITICA PEDIDOS DE URGÊNCIA

A bancada de oposição na Câmara Municipal de Campina Grande é pequena e frágil. Para a cidade, isso é ruim, porque uma oposição forte é garantia de fiscalização eficiente das ações do poder executivo. São apenas seis vereadores, contra dez da base governista, mas, além da minoria numérica, a bancada tem um membro em cima do muro e não consegue unificar e concatenar nenhum discurso. Isoladamente, alguns tentam reagir ao poderio governista, todavia, vez por outra são registrados escorregões nestas tentativas, que acabam desqualificando o discurso da bancada.

Isso acontece, por exemplo, quando se promove uma crítica sem fundamento. Foi exatamente o que se deu nas últimas sessões a respeito da Guarda Municipal. A primeira cobrança foi feita pelo tucano Inácio Falcão, que pediu celeridade na convocação dos concursados, sendo que essa convocação havia acontecido justamente na semana anterior. Ontem, foi a vez de Jóia Germano (PRP) reclamar de uma suposta demora na instalação da guarda.

“Faz três anos que aprovamos e, até agora, nada”, reclamou Jóia. Na verdade, a Guarda Municipal foi aprovada somente no ano passado, mais precisamente em 10 de junho. A crítica sem fundamento foi imediatamente rebatida pelo vereador Olímpio Oliveira (PMDB). “A guarda vai ser armada e, para você colocar um homem armado na rua, é preciso treiná-lo, capacitá-lo. O concurso tem seis etapas e após estas etapas há um curso que será ministrado pela Polícia Militar. Quem faz com zelo, quem é responsável, faz assim. Quem não é, chama seus apaniguados políticos, dá um cassetete e um quepe e diz: ‘Agora você é guarda’”, ironizou Olímpio, que ainda cutucou Jóia.

“O concurso foi votado no ano passado, vereador. Não me surpreendo, porque talvez vossa excelência não tenha acompanhado atentamente a votação”. Foi uma passada de pito daquelas! É impressionante e revelador que, havendo tanto a ser explorado por uma bancada de oposição, sejam tecidas críticas atabalhoadas e sem fundamento.

Reclamação e meia

A vereadora Ivonete Ludgério reclamou da freqüência com que o poder executivo envia projetos à CMCG em caráter de urgência urgentíssima. Antônio Pereira (PMDB) fez um contorcionismo verbal para dizer o mesmo, mas sem criticar o chefe do executivo.

Pugilista

O deputado estadual Adriano Galdino (PSB) é o mais novo praticante de boxe de Campina Grande. Mas, o parlamentar garante que está apenas em busca de uma vida mais saudável, praticando a nobre arte para tentar eliminar os quilinhos a mais. Logo, Adriano não planeja transformar o plenário da Assembleia Legislativa num ringue.

Nova ameaça

O vereador Inácio Falcão, do PSDB, ameaça romper com o governador Ricardo Coutinho e não nega que pode passar para a base do prefeito Veneziano Vital. Ele reclama que o governador ignora os vereadores e não tem compromisso com Campina.

Conversas

Falcão também reclama da demora em ser recebido por Ricardo Coutinho. O tucano teria protocolado um pedido de audiência há sessenta dias e, até agora, não recebeu resposta. Diante do impasse, o vereador diz que se reunirá com o senador Cássio Cunha Lima e com o deputado Romero Rodrigues para definir se rompe ou não com Ricardo.

Cobrança

O empresário do ramo gráfico Marcone Rocha foi atrás do PT nacional para cobrar uma dívida que a ex-prefeita Cozete Barbosa deixou quando foi candidata à reeleição (2004).

Seixo

Só que as lideranças nacionais do PT querem que a Executiva Municipal pague a conta, mas, aqui, Marcone não tem encontrado nenhuma boa vontade para a quitação da dívida.

Brabos

Terça houve uma animosidade entre o presidente da CMCG, Nelson Gomes Filho, e o vereador Cassiano Pascoal. Ontem, o clima azedou entre Nelson e Tovar Correia Lima.

Dispensável

Desnecessária a correção do senador Cássio Cunha Lima, em seu discurso de posse, a Aécio Neves, por este ter dito que Wilson Santiago deixara o Senado por decisão judicial.

Nenhum comentário

.