OPINIÃO: DANIELLA SEM VENEZIANO

Paira no ar serrano de Campina Grande uma dúvida: a deputada estadual Daniella Ribeiro (PP) será candidata a prefeita ainda que não venha a contar com o apoio de Veneziano Vital do Rêgo e uma aliança com o PMDB? Antes de perquirirmos as possibilidades a respeito desse ponto, tentemos analisar outra questão: Daniella é mesmo uma candidata relevante? A resposta é sim. Dentro da conjuntura que se constrói para 2012, a deputada pepista está mais ou menos no mesmo patamar dos demais prováveis candidatos.

Como já ponderamos em outra ocasião, o pleito do ano que vem caracteriza-se por não contar com a presença de nenhuma estrela política de primeira grandeza. E, dentro deste cenário, entre os nomes que já se apresentaram como pré-candidatos, podemos listar três como, provavelmente, os mais fortes: o deputado federal Romero Rodrigues (PSDB), o deputado estadual licenciado e secretário de Estado da Articulação Municipal, Manoel Ludgério (PSD), e, por fim, a própria Daniella Ribeiro.

Ciente dessa realidade, o PP trabalha para viabilizar a candidatura da filha do ex-prefeito Enivaldo Ribeiro, chefe maior do partido no estado. Acontece, todavia, que entrar numa campanha majoritária não é tarefa das mais fáceis. A não ser no caso raro de uma candidatura do tipo “terceira via”, que catalise a atenção do eleitorado e consiga se viabilizar mesmo com uma candidatura “franciscana” (como aconteceu, guardadas as devidas proporções e especificidades, com a presidenciável Marina Silva, em 2010), além do potencial eleitoral e do respaldo partidário, é preciso ter, ainda, estrutura – entenda-se recursos.

Mais do que o cacife eleitoral de Veneziano e do tempo do PMDB no guia, é isso que interessa ao PP, na relação com o atual prefeito. De todo jeito, se o partido tiver condições de bancar sozinho uma estrutura de campanha pelo menos razoável, Daniella pode e deve ser candidata. Afinal, como dizem os gurus do marketing político, uma boa campanha começa por um bom candidato. E isso o partido tem.

Bala trocada

O coordenador de comunicação da prefeitura de Campina Grande, Carlos Magno (foto), respondeu a algumas das declarações do secretário de comunicação do estado, Nonato Bandeira. E, em contrapartida, Magno voltou a criticar o governador Ricardo Coutinho.

Falar mal

Carlos Magno disse que, ao contrário do que declarou Nonato Bandeira em uma emissora de rádio, “Veneziano não fala mal do governador, até porque não tem nada de pessoal contra o governador. Ele apenas lamenta que o governador não tenha dedicação a Campina Grande como a cidade teve em relação a ele, na eleição do ano passado”.

Pesquisa

O futuro candidato a prefeito do PSB em Alagoa Nova, no Brejo, deverá ser definido após a realização de uma pesquisa junto à população. O acordo foi firmado com a cúpula estadual da legenda, sob as bênçãos do deputado estadual Adriano Galdino.

Os nomes

Dois nomes deverão constar da consulta: Walfredo Júnior e Aquino Leite. Walfredo foi vice-prefeito da cidade entre 2005 e 2008 e terceiro colocado nas últimas eleições. Aquino é filho do ex-prefeito Otávio Leite e também foi candidato em 2008, ficando em segundo lugar. Quem venceu o pleito de 2008 em Alagoa Nova foi Kleber Morais (PMDB).

Nota

Após usar a tribuna para ameaçar “dar uns petelecos” em um jornalista chamado de “cabra safado”, Toinho do Sopão soltou nota fazendo uma mea culpa e tentando se justificar.

Trecho

“Admito minha exaltação diante da tribuna e concordo que as palavras ditas não devem ser usadas hipótese alguma”, declarou Toinho do Sopão na nota publicada em seu site.

Nota II

A Associação Paraibana de Imprensa também publicou nota, repudiando a postura de Toinho e pedindo a Assembleia que apure uma possível quebra do decoro parlamentar.

Trecho II

“A API exorta o Conselho de Ética da Assembléia Legislativa a apurar a deplorável manifestação, que em tudo configura inequívoca falta de decoro parlamentar” diz a nota.

Publicado no Diário da Borborema do último sábado, 20

Nenhum comentário

.