ARTIGO: 'A SENSATEZ DE GILBRAN'

Asfóra (à esquerda) certamente aplaudiria o filho, Gilbran

Essa semana, o ex-vereador e ex-deputado estadual Gilbran Asfora, filho do tribuno Raymundo Asfora, fez relevantes comentários em seu microblog Twitter sobre a política local, revelando uma sensatez e sobriedade incomuns por estas bandas. “Vejo a necessidade de mudarmos verticalmente a forma e a maneira de fazermos política em nossa cidade”, inicia Gilbran seu raciocínio, para, em seguida, fazer uma comparação.

“A prefeitura de Campina está querendo vender o terreno onde funciona o DTOG para, com o dinheiro, comprar a Mater Dei e lá fazer funcionar o hospital da criança. O Governo Ricardo Coutinho está querendo permutar um terreno onde hoje funciona a Acadepol com outro para construção de um shopping em Mangabeira. As oposições da Câmara de Campina e da Assembleia Legislativa ou são contra ou dificultam ao máximo a aprovação dos projetos. Citei fatos como estes apenas para ilustrar, mas, ao longo do tempo, nossa cidade tem perdido muito com esse tipo de ‘política negativa’”.

A seguir, no arremate do seu comentário, o ex-deputado faz uma justa e necessária evocação à sensatez, qualidade que tem faltado àqueles que comandam a política estadual. “Defendo uma nova postura política, iniciando por Campina Grande. Para os que gostam da rivalidade, tem o período eleitoral. Campina vai agradecer”, encerra. Raymundo Asfora certamente aplaudiria o comentário do filho.

De fato, já passou da hora da mentalidade política paraibana evoluir. Não se admite mais que os princípios do republicanismo, da supremacia do interesse público e mesmo da civilidade ainda sejam tão ignorados, e a política seja exercida nestas paragens à imagem e semelhança do modelo praticado no início do século passado. Ainda vivemos a política dos coronéis (que amoldou-se à atualidade), da rivalidade destrutiva, da incivilidade, da campanha que nunca acaba, da eleição transformada em encarniçada guerra. Diante dessa realidade, o apelo lúcido de Gilbran Asfora é um clamor de todos os paraibanos.

Será?

A possibilidade do senador Vital do Rêgo Filho transferir seu domicílio eleitoral para João Pessoa esquenta o clima já elevado no PMDB. No ano passado, Vitalzinho teve um desempenho melhor na Capital que em Campina Grande, onde foi só o terceiro.

Bola de cristal

Segundo a defesa do ex-governador Cássio Cunha Lima, seu recurso no Supremo Tribunal Federal que pede a posse imediata no Senado pode ser julgado pelo novo relator, ministro Ricardo Lewandowski, até o fim do mês. Vale lembrar que, pelo menos até agora, os advogados de Cássio fizeram muitas previsões e não acertaram nenhuma.

Justificativa

Único a votar contra a venda do DTOG, o vereador João Dantas (foto) explicou que o imóvel, localizado “às margens do cartão postal da cidade, o Açude Velho”, possui um elevado valor histórico e deveria ser usado para instalação de um museu ou de uma praça.

Reações

O restante da oposição aprovou o leilão, fazendo ressalvas à compra da antiga Mater Dei, que, para os vereadores, é um prédio obsoleto. Já a situação comemorou a aprovação do projeto. Olímpio Oliveira citou fala de Alcides Carneiro, jurista que sonhava ser médico: “Hospital é uma lugar que por infelicidade se busca e por felicidade se encontra”.

Irritação

Reação de Cassiano Pascoal, via Twitter, ao voto de João Dantas: “‘Vereador João Dantas, oposição de verdade’, realmente, oposição a Campina” – ironia sobre o slogan do colega.

Paz e amor

A crítica de Cassiano, porém, foi exceção durante a votação da venda do DTOG, que transcorreu em clima de incomum harmonia entre as bancadas de oposição e situação.

Só amor

O ambiente entre os vereadores era de tamanha comunhão que o vice-presidente da Câmara, Pimentel Filho, bem resumiu, em determinado momento: “Hoje, aqui, é só amor”.

E ainda

Foi derrubado, por unanimidade, o veto do prefeito ao projeto de Ivonete Ludgério que determina a oferta, nas escolas municipais, de merenda diferenciada a alunos diabéticos.

Nenhum comentário

.