PT QUER ATRAIR CINCO VEREADORES. E MAIS: EX-PREFEITA COZETE BARBOSA FILIOU-SE AO PSC


Além de Antônio Pereira (PSB), o Partido dos Trabalhadores está tentando levar para seus quadros quatro vereadores: Inácio Falcão (PSDB), Laelson Patrício (PT do B), Alcides Cavalcanti (PRP) e Cassiano Pascoal (PSL). Caso venha a ter sucesso nessa empreitada, a legenda, que não conseguiu eleger nenhum vereador em 2008 (Perón Japiassu ficou na primeira suplência), passaria a ter, a partir de outubro, praticamente um terço do legislativo mirim campinense e metade da bancada de situação.

Antônio Pereira já foi do PT, tendo chegado até a disputar a prefeitura de Campina pela sigla, em 1992. Eleito pelo PSB em 2008 (quando o partido era aliado do PMDB), desde o ano passado Pereira entrou em rota de colisão com o comando socialista, sobretudo com o presidente do diretório municipal, o secretário estadual Fábio Maia, por ter se mantido fiel ao prefeito Veneziano Vital, hoje um dos principais opositores do governador Ricardo Coutinho. Antônio Pereira já reconheceu que pode voltar à antiga “casa”.

Ninguém do PT explica qual argumento está sendo usado para tentar atrair os vereadores. Provavelmente (“certamente” é o advérbio mais apropriado) há, nessas conversas, o dedo do prefeito Veneziano. Há poucos dias, o prefeito disse, em uma reunião com aliados, que só pode confiar com verdadeira segurança em dois partidos: o PMDB, que está sob seu comando, e o PT – sobre o qual tem grande influência (ponderação nossa). Poderia ser uma espécie de recompensa para que os petistas venham a abrir mão da candidatura própria.

Questionado sobre o assunto, Cassiano Pascoal disse que sua ida para o PT não é impossível, mas muito improvável. Laelson Patrício, por sua vez, desmentiu o diálogo com o partido. Inácio Falcão não respondeu aos nossos contatos e Alcides Cavalcanti não foi encontrado ontem à tarde para comentar o assunto. Se as negociações vingarem, o PT municipal deve optar por ter quatro ou cinco vereadores na mão, ao invés de uma prefeitura voando – e voando bem longe.

Efetivada

Conforme publicado no Diário Oficial ontem, o governador Ricardo Coutinho resolveu efetivar a secretária executiva da Interiorização, Débora Maciel, no comando da pasta, que tem sede em Campina. Débora é esposa do ex-deputado estadual Jacó Maciel.

Curiosidade

O curioso é que, tomando ao pé da letra o texto do Diário Oficial (Ato Governamental nº 3.959), Débora vai responder cumulativamente como secretária executiva e secretária titular. A impressão é que, na verdade, ela continuará respondendo interinamente pelo comando da Interiorização. Ou seja, a nova secretária foi oficializada na interinidade.

Novo partido

A ex-prefeita Cozete Barbosa (foto) teria se filiado ao PSC. A informação chegou ao Diário Político na noite da última terça-feira, mas não foi confirmada (nem desmentida) pela ex-petista. Será que Cozete tentará voltar à Câmara Municipal nas eleições 2012?

Esquecimento

Não fosse o vereador João Dantas, que leu na tribuna da Câmara Municipal o artigo “Tributo a Félix Araújo”, publicado no Diário Político de ontem, e a Casa de Félix Araújo teria deixado passar o transcurso dos 58 anos da morte do seu patrono sem sequer citar-lhe o nome. Esse esquecimento é uma vergonha para Campina Grande.

Ineficiência

A Assembleia Legislativa da Paraíba está se especializando cada vez mais em brigas, em trocas de farpas e acusações, e pouco trabalho efetivo, pouquíssima produtividade.

Ambiente

Ontem, mais uma vez o clima esquentou, o destempero tomou conta, a oposição raivosa blasonou um discurso desconexo, os governistas foram sorumbáticos e nada se resolveu.

Não anda

No meio dessa Babel, a questão da permuta do terreno da Acadepol, tema que interessa a todo o estado, acabou não sendo encaminhada. Permanece tudo no terreno da politicagem.

Possibilidades

Quando um político diz “não”, quer dizer “talvez” – em política, inexiste “não”; Quando diz “talvez”, quer dizer: “é provável”. Quando diz que “é provável”, já está resolvido.

Nenhum comentário

.