VEREADOR ALCIDES CAVALCANTI É ACUSADO DE USAR DOCUMENTOS DE UMA MULHER PARA CONTRATO FANTASMA NA CÂMARA

Por Antônio Ribeiro
Do Diário da Borborema

Um vereador de Campina Grande está sendo acionado na Justiça por estelionato, apropriação e uso indevidos de dados pessoais e recursos públicos. Alcides Cavalcanti, mais conhecido por Alcides da Weider (PRP), foi denunciado na 4ª Vara Civel, da comarca campinense e corre o risco de ser enquadrado no crime de improbidade administrativa e perder o cargo na Casa de Félix Araújo. A denúncia é de que o parlamentar está utilizando o nome de uma jovem, sem o conhecimento da mesma, para receber divisas da câmara municipal.

O fato veio à tona no início do mês passado quando a jovem Viviane Bulcão de Almeida tentara receber o auxílio-desemprego, já que tinha perdido o seu verdadeiro emprego. Ela fora demitida de uma empresa e estava gozando do benefício. Ao se dirigir à Caixa Econômica, descobriu que o seu benefício estava cortado pelo fato de o seu nome integrar a folha da CMCG como assessora parlamentar da Câmara Municipal de Campina Grande.

Ela não sabia desse emprego na CMCG nem como os seus dados foram parar lá, visto que nunca foi comunicada ou convocada para assumir cargo de quase R$ 2 mil naquele Legislativo. O fato é que ela foi prejudicada e por isso procurou a advogada Maria Eliesse de Queiroz Agra visando a reparação dos danos financeiros e morais causados. De acordo com dados do sistema Sagres, do Tribunal de Contas do Estado, Viviane está assumindo a função de Assistente de Gabinete IX, motivo este pelo qual ela foi cortada do Seguro-Desemprego.

A reportagem do Diário da Borborema procurou o vereador e o questionou sobre o fato. Ele disse não ter sido intimado nem entender o que está se passando. Segundo o parlamentar, quatro pessoas lhe assessoram na Câmara e são remuneradas com a verba de gabinete. A suspeita de Alcides é a de que Viviane esteja como assessora da Câmara e não da sua pessoa. "Existia contra mim um processo trabalhista, mas está sendo resolvido. Ela pode ser funcionária da Câmara, pois não conheço essa moça", afirmou.

O presidente da Casa de Félix Araújo, Nelson Gomes Filho (PRP), disse que a nomenclatura Assistente de Gabinete IX diz respeito a pessoas a serviço de vereadores, não tendo a Câmara nenhuma responsabilidade sobre o assunto.

"Eu tenho a obrigação de nomear o número de assessores que o verador requerer. No mais, ele deve assumir a responsabilidade", afirmou.

A situação de Weider se diferencia do caso do ex-senador Efraim Morais (DEM), no Senado, envolvendo a funcionária fantasma Kelly Janaína Nascimento Silva, 32 anos, supostamente, pelo fato de Viviane não está remunerada com o parlamentar.

Nenhum comentário

.