VEREADOR ANTÔNIO PEREIRA ADMITE PELA PRIMEIRA VEZ QUE DEVE DEIXAR O PSB

O vereador Antônio Pereira reconheceu pela primeira vez, em conversa com o Diário Político ontem pela manhã, que deve mesmo deixar o PSB. “As questões levam para essa caminhada. Eu gostaria muito de ficar no partido, mas, cada vez mais sinto que há um afastamento, por várias razões”, disse. A relação entre o parlamentar e sua sigla desandou após o fim da aliança com o PMDB. Entre a nova diretiva do PSB e o prefeito Veneziano Vital do Rêgo, ao lado de quem se elegeu em 2008, Pereira optou por manter-se fiel ao peemedebista e ao pacto do último pleito municipal, o que – como não poderia ser diferente – o colocou em rota de colisão com o comando da legenda.

Por meio da imprensa, Antônio Pereira trocou duras farpas com o presidente municipal do partido, o secretário de Juventude, Esporte e Lazer do Estado, Fábio Maia, e este, dentre outras declarações, acusou o vereador de se posicionar contra o próprio Governo do Estado, que é comandado por um correligionário, para apoiar Veneziano.

E, se o caso é escolher um lado, em meio ao recente impasse entre Ricardo e Veneziano, logo após a ainda polêmica audiência da semana passada, Antônio Pereira já fez sua escolha sobre com quem ficará. Mas, segundo ele, sua opção não foi por um ou outro governante.

“Esses episódios que aconteceram, do Governo do Estado em relação à prefeitura municipal, deixa a gente mais constrangido ainda, porque na hora de defender Campina Grande não tem partido nem liderança que seja superior a essa realidade. Podemos ter divergências sobre qualquer coisa, mas a divergência sendo contra Campina, como está parecendo ser, eu não tenho com quem ficar, a não ser do lado de Campina”, falou.

Questionado se está em negociação com algum outro partido, Pereira confirmou que já manteve algumas conversas, mas preferiu não dar detalhes. “Eu prefiro não revelar agora porque, afinal de contas, são conversas iniciais”. Seja como for, o vereador com certeza migrará para um partido aliado ao PMDB.
.

Um comentário

Anônimo disse...

O passado e o presente político de Antonio Pereira é formado por referencias que engrandecem qualquer partido que o tenha em suas fileiras. Na verdade Pereira não deveria ter saído do PT, apesar de todas as divergências internas ainda somos o partido mais democrático do Brasil, um partido sem chefe, um partido onde os filiados podem expor o que pensa, um partido que vive do debate político, seja internamente ou externamente.

Repito o que já disse certa vez: O bom filho a casa retorna, a porta de entrada do PT está com um tapete vermelho para recebê-lo, a constelação petista carece da disposição de luta e da integridade moral deste homem público.
Vladimir Chaves
Diretório Estadual do PT/PB
Secretário de políticas agrárias do PT/CG

.