SOMOS TODOS REFÉNS

No Diário Político do dia 06 de janeiro, alertávamos: “Publicada no Diário Oficial de 31 de outubro passado, dia do segundo turno da eleição, a chamada ‘PEC 300 paraibana’, que, segundo o atual governador Ricardo Coutinho e seus aliados, foi uma arma eleitoreira do ex-governador José Maranhão, estaria fadada a ser o estopim de uma controvérsia cujos efeitos sobre a Paraíba ainda estão longe de terem sido efetivamente percebidos. (...) Policiais militares de todas as patentes falam em greve, ameaçam motim. Corre à boca miúda nos quartéis que, se a majoração do soldo dos PM’s conforme previsto na ‘PEC’ não for confirmada – ou seja, paga – pelo novo governo, vai haver paralisação. Se isso acontecer, será o caos (...) O clima é tenso e o confronto parece inevitável”.

Naquele momento, quando o governo Ricardo Coutinho sequer havia chegado a sua primeira semana, o alerta soou, para muitos, como um vaticínio improvável, uma análise exagerada da conjuntura. Infelizmente, não era.

Já na coluna de ontem, apontávamos uma tendência pró-greve. “Mesmo com a abertura do diálogo por parte do governo, haveria, entre alguns que comandam as negociações, predisposição para a greve, por conta de ingerências externas”, registramos. Foi o que aconteceu. Horas antes da assembleia que definiu pela paralisação dos policiais, o ex-deputado federal Major Fábio não conseguia esconder, em entrevista a emissoras de rádio da Capital, sua preferência pela greve.

E eis que a Paraíba acorda sobressaltada, com a informação de que todo o aparato da segurança pública do estado, já naturalmente insuficiente para conter o crescimento da criminalidade, cruza os braços. Mesmo com a abertura das negociações por parte do governo do estado, a opção foi pela medida mais radical, cúmulo de um movimento nascido a partir de uma ação desesperada de campanha e que, juntando radicalismo após radicalismo, fez da população paraibana refém de um jogo de extremos.

Extremismo

Não tendo nada a perder com uma radicalização do movimento, o Major Fábio (na foto acima ao lado do ex-governador José Maranhão) adotou, nas últimas semanas, um comportamento profundamente desequilibrado, com declarações extravagantes, notoriamente buscando estimular a exacerbação dos ânimos.

Politicagem nossa

No final de semana, fontes dentro da Polícia Militar informavam que a tendência de greve era forte, e elas mesmas identificavam nessa propensão a presença de uma das mais lamentáveis marcas do retrocesso paraibano: a ingerência de segmentos partidários sobre comandantes do movimento. É a deplorável tese do “quanto pior, melhor”.

Um comentário

Anônimo disse...

independente da pec ou não os policiais da paraiba vivem em extrema miséria salarial e material,veja o exemplo do alto do mateus onde tivemos que recorrer a ajuda de pernambuco por falta de equipamento técnico na captura de bandidos.Acorda governador,chega de falar de miséria.

.