OPINIÃO: OS DOIS DISCURSOS DE LULA


Em seu rápido pronunciamento durante a curta visita às obras de transposição do Rio São Francisco, no Sertão paraibano, o presidente Lula pôs em prática uma das mais marcantes características dos políticos brasileiros: a dubiedade do discurso. Falando sobre a transposição, Lula tocou no problema das desigualdades do Brasil. “Estamos tentando dar ao Nordeste e ao Norte as mesmas condições que têm o restante do país. Por que não queremos um país onde numa banda as pessoas comam dez vezes por dia e na outra banda as pessoas não comam nada”, bradou.

A seguir, o presidente falou sobre as dificuldades da obra e refutou a tese de que estados cortados pelo rio São Francisco pudessem se impor contra a transposição das suas águas. “Ninguém é dono do rio (São Francisco), porque o rio é do Brasil, é um rio nacional. E qualquer cidadão brasileiro tem direito de beber a água do rio Amazonas, do São Francisco, do Tietê, e de qualquer rio deste país. Ninguém é dono, quem é dono é o povo brasileiro”, declarou.

Belas palavras, mas recentemente contraditadas pelo próprio Lula, ao avisar que vai vetar a distribuição dos royalties do pré-sal. O projeto, aprovado pelo Congresso, previa a partilha dos recursos entre todos os estados, contrariando os interesses de estados produtores, como o Espírito Santo, São Paulo e, sobretudo, o Rio de Janeiro. Lula anunciou o veto justamente durante um discurso no Rio, quando alegou que tinha uma proposta melhor para os royalties, “em que o Rio sairia ganhando e cederia ‘um pouco’ para todo o Brasil ganhar”.

Um emblema de contradição! Os estados nordestinos beneficiados naturalmente pela águas do São Francisco não podem reclamar sua posse, mas os estados produtores têm o direito de ficar com a grande fatia do pré-sal, restando aos demais apenas “um pouco”. É assim tentam dar ao Nordeste e ao Norte as mesmas condições do restante do país? Dar muito a quem tem muito e pouco a quem tem pouco é a receita certa para manutenção do abismo das nossas desigualdades sociais.

Nenhum comentário

.