OPINIÃO: O MAJOR INDIGNADO


O deputado federal Major Fábio (DEM) fez alguns discursos curtos, mas profundamente contundentes na Câmara dos Deputados esta semana. Na noite da última terça-feira, quando a Câmara apreciava o projeto de liberação dos bingos, o Major mostrou-se revoltado com a clara intenção da mesa diretora de não colocar em pauta a votação em segundo turno da PEC 300. Num pronunciamento venenoso, ele se disse tapeado por seus pares.

“Na minha inocência, nunca imaginei que iríamos votar os bingos e deixar de votar a PEC 300. Eu me sinto uma criança no meio de vossas excelências. Nunca imaginei que as palavras do presidente (da Câmara) Michel Temer eram de enganação. Eu fui tapeado! Eu fui enrolado nessa casa! Volto pra casa sem coragem de olhar para os meus filhos, para a minha polícia. Me envergonho nesse momento de ser um deputado federal. Ainda bem que carrego o orgulho de ser um soldado, de ser honesto, de ser um homem trabalhador e não me vender”, bradou.

Na mesma noite, o Major Fábio disse que era por atitudes como aquela, de empurrar com a barriga um projeto já aprovado em primeiro turno, de forte apelo e impacto popular, que os políticos caem em descrédito perante o povo. Ontem, ele voltou à tribuna para criticar o fato de ter sido convocada uma sessão extraordinária para votar o aumento dos salários dos deputados.

“Urgente, urgentíssimo é votarmos a PEC 300, que está sobre essa mesa há quase dois anos. Essa é a casa de todos os brasileiros, não é a casa dos 513 deputados. E todos os brasileiros querem a aprovação da PEC 300. O governador do Rio não quer. Os governadores da Bahia e de Pernambuco, também não. Mas eles não são dos donos dessa casa. Os donos dessa casa são dona Maria e seu José, lá do Sertão da Paraíba. Mas, nesse momento, infelizmente, dona Maria e seu José não estão mandando em nada nessa casa. O grande problema nesse País é a corrupção e o Congresso Nacional é a instituição menos acreditada do País”, declarou.

Frase-meta

Para o futuro secretário de segurança pública, Cláudio Lima, é urgente a necessidade de implementar mudanças nos métodos de trabalho no combate à criminalidade na Paraíba. “Não se obtém resultados diferentes se não se agir diferente”, disse.

Ações e objetivos

Dentre suas primeiras ações à frente da pasta, Cláudio Lima vai promover a volta de policiais desviados de suas funções às suas atividades de origem, com o objetivo de fortalecer o efetivo. Uma das metas mais importantes do novo governo é a redução do índice de homicídios no Estado. Em Pernambuco, esse objetivo tem sido cumprido.

Nenhum comentário

.