OPINIÃO: BUSCA PELOS CULPADOS

A crise na saúde nacional é conhecida, é coisa velha. Pondo-se de lado a propaganda governamental e os sempre fartos argumentos técnicos, o Sistema Único de Saúde brasileiro é de ruim a péssimo. Os recursos são imoralmente escassos e, além disso, mal geridos; o número de médicos é insuficiente; os maus profissionais pululam o sistema – gente que trata o plantão em hospitais públicos como bicos, atendendo em meio ao tempo livre de seus compromissos em clínicas próprias ou hospitais privados. Para os bons profissionais, fica a sobrecarga, a falta de estrutura, os equipamentos sucateados, as enormes filas de enfermos padecendo em busca de socorro.

A saúde pública em Campina Grande é um emblema terrível do cenário nacional. Nos últimos meses, o Hospital Regional Dom Luiz Gonzaga Fernandes tornou-se um foco ativo de repetidas denúncias sobre descaso no atendimento, inclusive com o registro alarmante de vários casos de mortes por suposta negligência, como é o caso da pequena Mayane Beatriz, de apenas 01 ano, que ganhou destaque nacional. O suplente de vereador João Dantas (PTN), que assume o mandato em fevereiro, atacou o governador e o prefeito: “Crianças morrem por falta de assistência nos hospitais públicos de Campina Grande. Zé Maranhão e Veneziano são os culpados”, fustigou.

Já o vereador Fernando Carvalho (PMDB) lamentou a crise na saúde nacional, e atribuiu parte da responsabilidade dos problemas nos hospitais da cidade aos médicos. “Veja a carga horária de determinados plantonistas e verá as estupendas vezes que eles não compareçam ao expediente, alegando estar, em sua maioria, com enxaqueca ou gripe. E, ninguém, até este momento, tratou corretamente esse assunto”, disse. As declarações de Carvalho são corroboradas, em parte, pelo Conselho Municipal de Saúde, que denuncia até a existência de práticas criminosas por parte de certos especialistas. Enquanto o debate não produz efeitos, o povo morre nas filas dos hospitais.

Próxima legislatura

A coordenadora do Samu em Campina Grande, médica Tatiana Medeiros (foto), fez duras críticas à composição da próxima legislatura na Assembleia estadual. Ela disputou uma vaga na Casa de Epitácio Pessoa, mas não se elegeu, obtendo mais de 10 mil votos.

Formação técnica

Palavras de Tatiana Medeiros: “Essa vai ser a pior formação na Assembleia Legislativa que a Paraíba já viu. Não vou citar nomes, mas o deputado que mais obteve votos não tem uma formação técnica adequada para ocupar o cargo”, – referência a Toinho do Sopão. Ela conclui: “Mas, há uma frase que diz que o povo tem o político que merece”.

Saiam eles

O presidente municipal do PT do B, Mário Cézar, negou que esteja prestes a deixar o comando do partido em Campina Grande, conforme divulgou ontem o Diário Político. Para Mário, os incomodados que se retirem: “Quem tiver insatisfeito, deixe o partido”.

Recado direto

Mário Cézar mostra a porta de saída do PT do B aos insatisfeitos que, segundo ele, são figuras que trabalharam contra a sigla. “Procure outro. Existem centenas de partidos, só lembro aos amigos presidentes destas legendas: cuidado quando aceitar um filiado destes, que chegam como ovelhas e depois querem tomar a direção do partido”, avisa.

Um comentário

Anônimo disse...

A canalha acha que uma formação tecnica é necesaria para ser honesta?

.