DEPUTADOS TEMEM QUE ACRÉSCIMO DE R$ 40 NO MÍNIMO QUEBRE O PAÍS, MAS PREPARAM AUMENTO BEM GORDÃO PARA ELES MESMOS

Confiram as duas notícias abaixo, com atenção para os detalhes em negrito. E reparem como para dar um aumento miserável ao já miserável salário mínimo há tantas objeções e contas, enquanto, para conceder um gordo aumento aos deputados e senadores - além das absurdas regalias - tudo é bem mais fácil.

Salário mínimo ficará entre R$ 540 e R$ 550

Em audiência realizada nesta terça-feira (16) na Comissão Mista de Orçamento (CMO), o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, admitiu o arredondamento do salário mínimo para R$ 540. Na peça orçamentária enviada pelo governo para apreciação dos parlamentares, está previsto o valor de R$ 538,15. Esse valor já tinha sido proposto pelo relator-geral do orçamento, senador Gim Argello (PTB-DF), que rejeitou os R$ 580 propostos pelas centrais sindicais.

O valor “arredondado” foi aprovado pela comissão como parte do parecer apresentado por Gim Argello. Mas uma reunião com líderes sindicais ainda será realizada com parlamentares da base aliada, e o governo tem sinalizado um valor de R$ 550 para o mínimo. Para tanto, restrições constitucionais exigem o envio de uma medida provisória ao Congresso com a definição de um eventual novo valor.

Ao apresentar parâmetros macroeconômicos para os integrantes da comissão, Paulo Bernardo afirmou que o valor do mínimo “todo ano acaba por arredondar”, e que a equipe econômica trabalha para dar os R$ 30 de reajuste (o atual valor é de R$ 510).

Ele diz que, caso o mínimo seja elevado para um patamar maior, que serão tirados recursos de outros setores para bancar o aumento pedido pelas centrais. A equipe econômica do governo calcula que cada R$ 1 aumentado sobre o valor atual do mínimo implica gasto adicional de R$ 286,4 milhões.

(Fonte: Congresso em Foco)

------------

Deputados defendem aumento dos próprios salários para até R$ 27 mil


O aumento do salário dos deputados foi um dos assuntos discutidos nesta terça-feira (16) entre líderes dos partidos na Câmara. Numa reunião convocada pelo vice-presidente da Casa, Marco Maia (PT-RS), a proposta de reajuste ganhou apoio da maioria dos líderes, tanto do governo quanto da oposição, embora poucos estivessem dispostos a falar sobre isso.

Ainda não há consenso sobre o aumento para deputados e presidente. Mas os congressistas querem, ao menos, a reposição da inflação dos últimos três anos, de 17,8%. Isso elevaria o salário delespara R$ 19.451,13.

Hoje, além do salário (R$ 16.512), cada deputado tem direito a R$ 60 mil (para contratar até 25 funcionários) e mais uma ajuda de custo que varia de R$ 23 mil a R$ 35 mil (para passagens aéreas, combustível, material etc.).

Alguns deputados defendem equiparação com o salário dos ministros do STF (R$ 26.723). É o caso do líder do PSDB, João Almeida (BA).

- Tem que eliminar esse desnível e buscar o equilíbrio, mas fazer isso sem aumentar as despesas.

(Com informações do R7)

Nenhum comentário

.