VIOLENTO E CONFESSO AGRESSOR DE MULHER, NETINHO TENTA JUSTIFICAR DERROTA CULPANDO IMPRENSA E PRECONCEITO

Metido a "do gueto", Netinho surrou a mulher, é vereador e quis ser senador, mas se deu mal
.
Deu no Portal Imprensa:

O vereador Netinho de Paula (PCdoB-SP) declarou que a cobertura feita pela imprensa de sua campanha ao Senado foi "vergonhosa" e disse ter sofrido preconceito. "Vocês não foram isentos, e eu sei que para vocês, que estão fazendo pergunta para mim, deve até incomodar de ouvir isso. Mas eu acho que tem de ser feita uma autocrítica. Essa é a verdade", afirmou o ex-vocalista da banda Negritude Jr.

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o cantor concorreu ao cargo de senador por São Paulo e liderava as pesquisas durante toda o período eleitoral. Após a votação de domingo (03), Aluysio Nunes (PSDB) conquistou a vaga, seguido de Marta Suplicy (PT). Netinho, aliado de Marta, ficou em terceiro lugar.

"Acho que ficou muito claro que a possibilidade de uma pessoa vinda do gueto, de origem humilde, negro, chegar ao Senado em São Paulo realmente incomodou setores muito poderosos", disse o vereador.

Sobre a vitória de Nunes, o ex-apresentador de TV afirmou que sua campanha subestimou o crescimento do candidato: "A nossa campanha já avaliava na reta final que o Aloysio Nunes ia crescer muito. Talvez não imaginássemos tanto. Acho que houve uma subestimação enquanto a possibilidade do candidato do PSDB teria de crescimento no último momento".

Netinho também se queixou do fato de a imprensa ter noticiado sobre a ida da Polícia Civil à sua casa "por causa de um débito fiscal", prejudicando sua campanha. Além disso, justificou não ter comparecido ao debate realizado pelo jornal em parceria com a TV Gazeta, no dia 14 de setembro, como parte de uma estratégia política: "Pessoalmente, eu fui voto vencido, porque eu iria. Mas a campanha avaliou que não tinha que ir naquele momento em função de notícias que tinham sido vazadas de que haveria um pacto velado de alguns candidatos", informou.

O parlamentar já havia criticado a cobertura da imprensa sobre a prestação de contas dos vereadores paulistas em abril deste ano, e chegou a pedir a realização de auditorias nos jornais que publicaram matérias sobre o assunto.

Turma do Pânico é insuportável, mas violência deve ser a resposta?

Nenhum comentário

.