ARTIGO: CONSTRASTES NA TV


A campanha chega ao fim. Restam estes dois dias para as atividades, já que a legislação eleitoral permite a propaganda de rua até amanhã, véspera do pleito. Ninguém, certamente, pensa em descansar, muito pelo contrário, é hora de queimar as últimas energias, ir atrás dos indecisos, conquistar dois votos tomando um eleitor do adversário. O guia no rádio e na televisão acabou ontem, com a propaganda dos candidatos à Presidência da República e à Câmara dos Deputados.

Aliás, nesse quesito, os prenúncios dos primeiros dias de guia eleitoral foram confirmados até o último instante: o bom trabalho do marketing do governador e candidato José Maranhão, o péssimo trabalho do marketing de Ricardo Coutinho. A comparação do último guia dos dois, veiculados na quarta, foi emblemático. Os minutos do peemedebista foram técnica e plasticamente excelentes, buscaram emocionar, ganhar o eleitor pelo coração. O tempo do socialista foi exatamente o contrário: mal feito, frio, sem impacto.

Sejam quais forem os resultados das urnas, é certo que o desempenho de Ricardo nestas eleições poderia ter sido otimizado, se o marketing tivesse sido melhor executado. O rádio e, sobretudo, a TV, lidam com sensações. São veículos de massa. Na briga pelo voto na TV, é importante conquistar mentes, mas é inadmissível desprezar corações. Até porque, para um considerável estrato social, todos os candidatos são iguais, independentemente das propostas, tidas como promessas.

Para estes, o voto é influenciado por fatores subjetivos: a empatia, a emoção. O guia do PSB foi hermético, repetitivo, acentuou limitações do candidato, focou nas obras, quando deveria focar nas pessoas beneficiadas por elas. O guia de Maranhão fez o contrário, andou na cartilha, disfarçou os pontos fracos do governador, mostrou um candidato mais humanizado que outrora, emocionou ao trazer gente emocionada, agradecendo ao peemedebista pelas obras que realizou. Se a TV tiver a força de decidir eleição, Maranhão se deu bem.

Publicado no Diário da Borborema de 1º de outubro de 2010

Nenhum comentário

.